La Casa de Papel, descobre as inspirações da série do momento

1 de 7

Se acompanhas “La Casa de Papel” de certo que já deste por ti a ter a chamada sensação de déjà vu, descobre aqui o porquê.

La Casa de Papel” é um dos sucessos do momento com o carimbo da Netflix, ainda que não seja um conteúdo original desta. A série, originalmente divulgada em terra de nuestros hermanos pela Antena 3, terminou a novembro do ano passado no respectivo país. Por cá a segunda temporada estreou no passado dia 6 de abril na plataforma de streaming.

Lê Também:
La Casa de Papel, primeira e segunda temporadas em análise

A equipa encabeçada por El Profesor (Álvaro Morte) tem estado nas bocas do mundo, tendo liderado por várias semanas o ranking das séries mais vistas em maratonas da aplicação TV Time. Atualmente, a mesma ocupa o 39º lugar do top das séries mais populares do IMDb.

Percorre a galeria que preparámos para ti com as principais inspirações e referências de “La Casa de Papel”.

A PREMISSA E AS REGRAS

La Casa de Papel Ocean's Eleven
Ocean’s Eleven vs. La Casa de Papel

A premissa com que “La Casa de Papel” se apresenta: realizar o maior assalto da história, soa-te familiar? É possível que a tenhas ouvido em 2001 da boca de George Clooney em “Ocean’s Eleven”. À semelhança de o Profesor, também George Clooney, enquanto Danny Ocean, se comprometeu a realizar o maior roubo da história, no seu caso a três casinos em simultâneo. A equipa de Ocean era igualmente composta por indivíduos peritos num aspecto importante do assalto, e, tinha de igual forma, um elemento feminino (Raquel vs. Tess) que não esteve a bordo desde o início da história.

Danny Ocean também exigiu à sua equipa que respeitassem três regras: não magoem ninguém, não roubem de quem não mereça, e joguem/arrisquem como se não tivessem nada a perder. Vimos um pedido algo semelhante no episódio piloto de “La Casa de Papel”.

1 de 7

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *