Causeway © AppleTV

LFF 2022 | Outros Filmes Que Vimos

Durante o LFF 2022 foram vários os filmes que vimos e, sem mesmo sem crítica completa, fazemos um resumo de como ele nos impactaram. Desde tragicomédias a filmes que retratam um acontecimento da vida real, como o início do movimento #MeToo, e ainda com margem para o regresso de Jennifer Lawrence ou da junção de Ralph Fiennes, Nicholas Hoult e Anya Taylor-Joy num só projeto.

Filmes 2023 Portugal
The Banshees of Inisherin © 20th Century Studios. All Rights Reserved.

The Banshees of Inisherin é uma tragicomédia ao estilo de Martin McDonagh: verdadeiramente hilariante e enganadoramente inconsequente até deixar de a ser. Apesar da mudança tonal esperada, a narrativa segue um caminho ainda mais negro do que o esperado, sendo que o momento de viragem é capaz de deixar alguns espetadores “perdidos” por um bocado. Mesmo assim, o cineasta entrega uma história brutal e chocante sobre amizade e a importância de dedicar tempo a nós próprios. Colin Farrell e Brendan Gleeson são absolutamente brilhantes, tal como Kerry Condon e Barry Keoghan. Uma das obras mais deslumbrantes do ano – belissimamente filmada por Ben Davis – para além de ser acompanhada por uma banda sonora simultaneamente bonita e assombrosa (Carter Burwell).

75/100

Lê Também:   LFF 2022 | Império da Luz, em análise
LFF 2022
Decision To Leave © CJ Entertainment

Decision to Leave encontra-se longe do melhor de Park Chan-wook (“Oldboy” e “A Criada“), mas não deixa de ser uma história intrigante e complexa sobre obsessão e “amor proibido”. Captura a atenção total do espetador durante a primeira parte envolvente, onde o tema principal e o respetivo romance aparentam estar em sincronia. No entanto, o momentum vai-se perdendo com a segunda metade repetitiva e demasiado longa em que os mesmos pontos narrativos são abordados sem o mesmo impacto. O humor surpreendente traz um bom balanço, mas estranhamente deixa de ser utilizado a partir de determinada altura.

60/100

Hollywood Streaming Apple TV
Causeway © Apple TV

Causeway possui prestações detalhadas e subtis por parte de Jennifer Lawrence e Brian Tyree Henry – excelente química – que verdadeiramente carregam o filme aos ombros. Lila Neugebauer não traz nada de novo para o subgénero militar de “veterano retorna a casa”, mas sabe entregar o holofote aos atores, tomando as melhores decisões possíveis para os mesmos brilharem. Formulaico e previsível, mas interessante o suficiente para fãs deste tipo de histórias.

60/100

Lê Também:   LFF 2022 | Bros, em análise
LFF 2022
© Signature Films

She is Love possui, sem dúvida, um estilo notavelmente único, mas um que não consegue agarrar emocionalmente o público. Haley Bennett e Sam Riley partilham uma química maravilhosa, Marisa Abela traz um pouco de diversão para o filme e a qualidade de improvisação do elenco é admirável. No entanto, os close-ups extremos, a câmara tremida, os cortes abruptos e a montagem caótica tornam a visualização frustrante. Sempre que uma cena é capaz de romper a barreira do ecrã e atingir o coração de todos os que assistem, uma decisão criativa/técnica vem para remover toda a emoção associada. Definitivamente, fora do “gosto” do público geral.

40/100

Anya Taylor-Joy Ralph Fiennes
The Menu © Searchlight Pictures

The Menu é das maiores desilusões pessoais do ano. Possui prestações inspiradas de todo o elenco – destaque para Ralph Fiennes e Nicholas Hoult – e alguns momentos satíricos inteligentes, mas praticamente nada mais funciona. Humor sai completamente ao lado – safam-se as sequências à la Masterchef Australia. Argumento segue caminhos surpreendentemente genéricos, sendo parcialmente um mistério sem qualquer choque minimamente impactante. Personagens pecam por falta de profundidade e a mensagem anti-elite é demasiado óbvia e pouco significante. Deverá obter uma receção positiva global.

45/100

Lê Também:   LFF 2022 | The Whale, em análise
Carey Mulligan Zoe Kazan
Ela Disse (She Said) © 2022 Universal Studios. All Rights Reserved.

She Said prova que uma obra formulaica e até demasiado longa pode perfeitamente ser incrivelmente cativante e emocionalmente poderosa. A história chocantemente verídica sobre os abusos sexuais de Harvey Weinstein é abordada com um cuidado, dedicação e respeito honestos pelas vítimas. Tudo é elevado por performances absolutamente brilhantes do elenco, principalmente Zoe Kazan. Mesmo sem grandes inovações, Maria Schrader mantém a narrativa interessante com a ajuda da banda sonora de Nicholas Britell. Merece ser visto por todos.

65/100

Feitas as contas, o London Film Festival de 2022 ofereceu uma série de filmes que poderão conquistar todo o tipo de audiências. Muitos poderão chegar a Portugal apenas em 2023, mas são estreias para se antecipar e deitar um olho.



Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *