"Parasitas" | © Alambique

Óscares | Lista completa de filmes submetidos a Melhor Filme Internacional

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood revelou os 93 filmes pré-candidatos ao Óscar de Melhor Filme Internacional. 

Está oficialmente fechada a lista de submissões de concorrentes a um lugar entre os nomeados para o Óscar de Melhor Filme Internacional na edição dos Óscares da Academia de 2020. Este ano veio bater mais um recorde com 93 países a enviarem os seus filmes. Entre a lista contam-se filmes como “Parasitas”, a representar a Coreia do Sul, “Dor e Glória”, a representar a Espanha e “The Boy Who Harnessed the Wind,” a representar o Reino Unido.

Como já sabíamos, Portugal escolheu “A Herdade” como seu candidato, após o sucesso no Festival Internacional de Veneza. Vale ainda a pena salientar que o Gana, a Nigéria e o Uzbequistão submetem pela primeira vez um filme à categoria anteriormente designada de Óscar de Melhor Filme Estrangeiro.

a herdade critica
“A Herdade” | © Leopardo Filmes

No ano passado, foram submetidos 87 filmes, sendo que no final “Roma”, de Alfonso Cuarón acabou por levar o troféu, representando o México. Curiosamente esta categoria está a despertar bastante atenção neste ano, sobretudo porque “Roma” conseguiu ser nomeado ao Óscar de Melhor Filme, algo pouco usual na história da Academia, mas que promete ser mais constante.

“Parasitas”, vencedor da Palma de Ouro em Cannes poderá ser este ano um forte precursor das portas abertas com o filme de Cuarón.

Poderás conhecer a lista de filmes submetidos aos Óscares 2020 para Melhor Filme Internacional em baixo (apresentados sem qualquer ordem).

Filmes pré-candidatos ao Óscar de Melhor Filme Internacional 2020

Albânia, “The Delegation,” Bujar Alimani,;
Algéria, “Papicha,” Mounia Meddour;
Argentina, “Heroic Losers,” Sebastián Borensztein;
Arménia, “Lengthy Night,” Edgar Baghdasaryan;
Austrália, “Buoyancy,” Rodd Rathjen;
Áustria, “Joy,” Sudabeh Mortezai;
Bangladesh, “Alpha,” Nasiruddin Yousuff;
Bielorússia, “Debut,” Anastasiya Miroshnichenko,;
Bélgica, “Our Mothers,” César Díaz;
Bolívia, “I Miss You,” Rodrigo Bellott;
Bosnia e Herzegovina, “The Son,” Ines Tanovic;
Brasil, “Invisible Life,” Karim Aïnouz;
Bulgária, “Ága,” Milko Lazarov, director;
Camboja, “In the Life of Music,” Caylee So, Sok Visal;
Canadá, “Antigone,” Sophie Deraspe;
Chile, “Spider,” Andrés Wood;
China, “Ne Zha,” Yu Yang;
Colômbia, “Monos,” Alejandro Landes;
Costa Rica, “The Awakening of the Ants,” Antonella Sudasassi Furniss;
Croácia, “Mali,” Antonio Nuic;
Cuba, “A Translator,” Rodrigo Barriuso, Sebastián Barriuso;
República Checa, “The Painted Bird,” Václav Marhoul;
Dinamarca, “Queen of Hearts,” May el-Toukhy;
República Dominicana, “The Projectionist,” José María Cabral;
Equador, “The Longest Night,” Gabriela Calvache;
Egito, “Poisonous Roses,” Ahmed Fawzi Saleh;
Estónia, “Truth and Justice,” Tanel Toom;
Etiópia, “Running against the Wind,” Jan Philipp Weyl;
Finlândia, “Stupid Young Heart,” Selma Vilhunen;
França, “Les Misérables,” Ladj Ly;
Geórgia, “Shindisi,” Dimitri Tsintsadze;
Alemanha, “System Crasher,” Nora Fingscheidt;
Gana, “Azali,” Kwabena Gyansah;
Grécia, “When Tomatoes Met Wagner,” Marianna Economou;
Honduras, “Blood, Passion, and Coffee,” Carlos Membreño;
Hong Kong, “The White Storm 2 Drug Lords,” Herman Yau;
Hungria, “Those Who Remained,” Barnabás Tóth;
Islândia, “A White, White Day,” Hlynur Pálmason;
Índia, “Gully Boy,” Zoya Akhtar;
Indonésia, “Memories of My Body,” Garin Nugroho;
Irão, “Finding Farideh,” Azadeh Moussavi, Kourosh Ataee;
Irlanda, “Gaza,” Garry Keane, Andrew McConnell;
Israel, “Incitement,” Yaron Zilberman;
Itália, “The Traitor,” Marco Bellocchio;
Japão, “Weathering with You,” Makoto Shinkai;
Cazaquistão, “Kazakh Khanate. The Golden Throne,” Rustem Abdrashov;
Quénia, “Subira,” Ravneet Singh (Sippy) Chadha;
Kosovo, “Zana,” Antoneta Kastrati;
Quirguistão, “Aurora,” Bekzat Pirmatov;
Letónia, “The Mover,” Davis Simanis;
Libano, “1982,” Oualid Mouaness;
Lituânia, “Bridges of Time,” Audrius Stonys, Kristine Briede;
Luxemburgo, “Tel Aviv on Fire,” Sameh Zoabi;
Malásia, “M for Malaysia,” Dian Lee, Ineza Roussille;
México, “The Chambermaid,” Lila Avilés;
Mongólia, “The Steed,” Erdenebileg Ganbold;
Montenegro, “Neverending Past,” Andro Martinović;
Marrocos, “Adam,” Maryam Touzani;
Nepal, “Bulbul,” Binod Paudel;
Países Baixos, “Instinct,” Halina Reijn;
Nigéria, “Lionheart,” Genevieve Nnaji;
Macedónia do Norte, “Honeyland,” Ljubo Stefanov, Tamara Kotevska;
Noruega, “Out Stealing Horses,” Hans Petter Moland;
Paquistão, “Laal Kabootar,” Kamal Khan;
Palestina, “It Must Be Heaven,” Elia Suleiman;
Panamá, “Everybody Changes,” Arturo Montenegro;
Perú, “Retablo,” Alvaro Delgado Aparicio;
Filipinas, “Verdict,” Raymund Ribay Gutierrez;
Polónia, “Corpus Christi,” Jan Komasa;
Portugal, “The Domain,” Tiago Guedes;
Roménia, “The Whistlers,” Corneliu Porumboiu;
Rússia, “Beanpole,” Kantemir Balagov;
Arábia Saudita, “The Perfect Candidate,” Haifaa Al Mansour;
Senegal, “Atlantics,” Mati Diop;
Sérvia, “King Petar the First,” Petar Ristovski,;
Singapura, “A Land Imagined,” Yeo Siew Hua,
Eslováquia, “Let There Be Light,” Marko Skop,;
Eslovénia, “History of Love,” Sonja Prosenc;
África do Sul, “Knuckle City,” Jahmil X.T. Qubeka,;
Coreia do Sul, “Parasite,” Bong Joon Ho;
Espanha, “Pain and Glory,” Pedro Almodóvar;
Suécia, “And Then We Danced,” Levan Akin;
Suíça, “Wolkenbruch’s Wondrous Journey into the Arms of a Shiksa,” Michael Steiner;
Taiwan, “Dear Ex,” Mag Hsu, Chih-Yen Hsu;
Tailândia, “Krasue: Inhuman Kiss,” Sitisiri Mongkolsiri;
Tunísia, “Dear Son,” Mohamed Ben Attia;
Turquia, “Commitment Asli,” Semih Kaplanoglu;
Ucrânia, “Homeward,” Nariman Aliev;
Reino Unido, “The Boy Who Harnessed the Wind,” Chiwetel Ejiofor;
Uruguai, “The Moneychanger,” Federico Veiroj;
Uzerquistão, “Hot Bread,” Umid Khamdamov;
Venezuela, “Being Impossible,” Patricia Ortega;
Vietname, “Furie,” Le Van Kiet.

A Academia de Hollywood dará a conhecer a lista final de submissões elegíveis a 16 de dezembro. As nomeações à 92ª edição dos Óscares da Academia serão conhecidas a 13 de janeiro. Os Óscares 2020 vão ser entregues a 9 de fevereiro, numa Awards Season mais curta, mas certamente tão ou mais intensa.

Acreditas que Portugal tem boas chances de ser nomeado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *