"Marriage Story" ©Netflix

Marriage Story | De que lado do divórcio ficamos

“Marriage Story”, de Noah Baumbach, obriga-nos a reflectir sobre o divórcio e faz-nos tomar um partido entre Charlie (Adam Driver) e Nicole (Scarlett Johansson).

“Marriage Story” , de Noah Baumbach, conta-nos a história de um divórcio, contudo, começa de uma forma algo estranha pois os protagonistas – Charlie (Adam Driver) e Nicole (Scarlett Johansson) – estão a escrever uma lista das coisas que mais gostam um no outro. Não estamos numa comédia, não estamos num romance e tudo isto é uma mera ilusão pois Nicole nem consegue ler o que escreveu. Charlie e Nicole, outrora um casal, estão a fazer a lista apenas para que o processo de divórcio possa começar de uma forma positiva, uma vez que, decidiram separar-se de forma amigável. E, de repente, tudo o que parece ser uma ruptura simples e consensual, uma vez que têm um filho em comum – Henry (Azhy Robinson) – que ambos querem proteger, transforma-se num verdadeiro campo de batalha, de onde ambos saem feridos.

Lê Também:
Marriage Story, em análise

Nicole é uma actriz, infeliz e presa no seu casamento, sente que perdeu a sua voz, que nesta relação sacrificou uma outra vida que agora quer recuperar. Charlie é director e encenador de um pequeno teatro em Nova Iorque, que depois vários anos começa finalmente a ser reconhecido, contente com a suposta estabilidade familiar que lhe permite dedicar-se ao trabalho, uma segunda família, e não percebe o motivo para qualquer perturbação. Durante anos os dois falaram da hipótese de passarem uma temporada em Los Angeles, perto da família de Nicole e onde esta poderia procurar outros papéis, mas Charlie mostrou-se resistente à mudança, e sua vontade sempre prevaleceu. Finalmente, Nicole resolveu mudar-se para Los Angeles, separando-se de Charlie

marriage story
“Marriage Story” ©Netflix

Nomeado para seis Globos de Ouro, este filme da Netflix não se coaduna com o habitual estereótipo de que o homem é o culpado de tudo o que possa ter corrido mal no casamento. Em “Marriage Story”, nem Nicole é a vítima, nem Charlie é o vilão, bom, nem vice-versa. O realizador apela ao conhecimento que detemos da vida real e destas situações complicadas, onde, por vezes, é difícil ter noções de justiça e do que é certo afinal.

Ao longo de 137 minutos acompanhamos ambas as narrativas: a de Charlie e a de Nicole; ambas as visões: a de Charlie e a de Nicole; ambas as verdades: a de Charlie e a de Nicole. Onde está a culpa? Onde reside a razão? São questões que se colocam sempre que se alcança uma ruptura numa relação. No entanto, neste caso a razão não está com Nicole e a culpa não está com Charlie, nem a culpa está com Nicole nem a razão com Charlie. Ambos têm motivos, ambos têm as suas razões para exigir a separação e Noah Baumbach não escolhe lados. No entanto, o espectador, ao criar empatia com as personagens, fica “obrigado” a tomar um partido. Neste jogo da separação ninguém fica a ganhar, ambos ficam a perder, quanto mais não seja, a perderem-se um ao outro.

Marriage Story
“Marriage Story” ©Netflix

Aqui os verdadeiros crápulas são os advogados, que incitam à guerra entre o casal, levando-os a tomar decisões e atitudes que, numa primeira instância não queriam ter. Contudo, através da empatia criada com ambas as personagens é mais fácil tomar o lado de Nicole. Apesar de ser ela que começa, efectivamente, a batalha com recurso a advogados, dificultando a vida de Charlie em todo este processo legal, Nicole é mais meritória da nossa complacência, afinal de contas o marido desejou que ela tivesse um acidente e morresse. E, ainda que a personagem de Adam Driver se tenha apercebido no segundo seguinte da monstruosidade que proferira, nada pode apagar o que foi dito e a morte é algo que não se deve desejar nem ao nosso pior inimigo.

Nicole não é perfeita, a própria refere consumir álcool algumas vezes, no entanto, o seu comportamento permanece sempre similar ao longo de toda a acção. Ao passo que Charlie é, por vezes, violento, como por exemplo o murro que dá na parede da sua própria sala, a situação da cadeira de Henry no carro. E tudo bem, podemos concordar que Nicole dificultou a vida do quase ex-marido na procura de um advogado em Los Angeles, mas Charlie arrastou o filho de ambos nesta procura por apoio jurídico, quando devia aproveitar as poucas horas que tem com Henry.

Nesta batalha ambos perdem. Henry perde. Ambos ganham, pelo menos uma nova oportunidade para procurarem a felicidade. E aqui, os aliados que outrora foram íntimos tornaram-se inimigos em pelo campo de batalha.

E tu? Que lado tomas em “Marriage Story”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *