© Denis Makarenko / Shutterstock (ID: 1407977630)

Este é o melhor filme de sempre para Quentin Tarantino

O Tarantino é conhecido por fazer filmes brutais com uma linguagem própria tanto visual como falada. Nada disso surgiu sem uma influência noutro diálogo.

De “Reservoir Dogs” a “Inglorious Basterds”, Quentin Tarantino sempre demonstrou uma linguagem autoral nos seus filmes que deu e dá que falar tanto na crítica internacional, como no público em geral.

Lê Também:   Quentin Tarantino acusado de racismo ao escrever este famoso filme

O famoso realizador é o primeiro a admitir que a singularidade dos seus filmes não é tão individual assim, no sentido em que, há inspirações por detrás dos resultados finais que apresenta. Muita da sua influência nasceu a partir do seu filme favorito “The Good, The Bad and the Ugly” que, segundo ele, “é a maior conquista na história do cinema”.

Quentin Tarantino
Editorial credit: Andrea Raffin / Shutterstock.com

O filme tem um estilocool” que Tarantino conseguiu puxar para as suas obras no grande ecrã, através de atores charmosos que utilizam piadas inteligentes. Essa é uma das ferramentas que utiliza para elevar os seus filmes.




O Bom, o Mau e o Vilão” ou “The Good, The Bad and the Ugly” tem por detrás do argumento a equipa de Sergio Leone, Luciano Vincenzoni, Agenore Incrocci e Furio Scarpelli. No filme Clint Eastwood recebeu a melhor linha de diálogo da história do cinema e não a desperdiçou, segundo Tarantino:

Neste mundo, há dois tipos de pessoas, meu amigo; aqueles com uma arma carregada e aqueles que cavam. Tu cavas.

Não basta a linha de diálogo ser forte é tão importante a forma como a personagem a diz e, em “The Good, The Bad and the Ugly”, consegue funcionar como uma linha de interesse eficaz que leva o espectador a apaixonar-se um pouco pela personagem que a diz.

O realizador de “Pulp Fiction” admitiu que quando começou a realizar “existiam pequenas expressões de produção de filmes que não conhecia”, por isso, inventava coisas, e isso tornou-se a sua expressão no set.

Lê Também:   Quentin Tarantino pode já ter encontrado o protagonista para o seu próximo filme

De acordo com o cineasta, tornou-se comum dizer no set “dá-me um Sergio Leone” que não só significa um close up extremo, algo que qualquer um consegue fazer, mas também dar uma sensação, um sentido dramático às personagens”.

Conhecias esta inspiração de Tarantino ou foi uma total surpresa?



Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *