Mês em Música | Playlist de Fevereiro 2019

A abrir com os Grammys e a fechar com os Óscares, o mês abundou em espetáculo. Mas a Playlist de Fevereiro prova que o melhor acontece nas entrelinhas.

Se houve emotividade em Fevereiro, foi nos ecrãs e daquela que não dura. Embora tenha animado na recta final, este mês foi bem mais calmo do que o anterior. Os anúncios de lançamento de discos abrandaram e foi difícil decidir qual o nosso álbum de Fevereiro por falta de um óbvio candidato. Ainda assim, muita coisa saiu que vale a pena conhecer, particularmente no campo dos singles, em alguns dos quais oscila já, pendurado, o rótulo de “melhor do ano”. Uma coisa é certa. A nossa Playlist de Fevereiro é bem melhor do que quase tudo o que desfilou e actuou nos Grammys. E nos Óscares, já agora.

Lê Também:
Mark Hollis, vocalista dos Talk Talk, morre aos 64 anos

Este mês ficará também para a história por razões mais tristes. Mais uma lenda desaparece e cedo demais. Mark Hollis era (juntamente com o seu colaborador de longa data Tim Friese-Greene) a alma genial por detrás dos Talk Talk e da sua metamorfose de banda new wave idiossincrática a pioneiros do pós-rock. Há muito que se retirara, primeiro da ribalta, com a viragem experimental de Spirit of Eden (1988) e Laughing Stock (1991), e depois da música, porque a agitação da estrada não lhe permitia ser o pai que desejava: “Decido-me pela minha família. Pode ser que outros o consigam, mas eu não posso estar em digressão e ser um bom pai ao mesmo tempo”.

Ainda assim, confortava saber que, mesmo vivendo no seu mundo, Hollis estava presente no nosso, tendo contribuindo para a sua elevação e alargamento e continuando a fazê-lo, agora de outro modo. Fazemos questão de, no mês que vem, relembrar, ou mostrar mesmo, como o nosso mundo ficou um lugar diferente por causa desse outro criado por Mark Hollis e os Talk Talk. Até lá, aqui fica uma, se não das maiores, pelo menos das mais conhecidas canções, ainda assim uns bons furos acima da maior parte do new wave da altura e da pop de agora. Such a shame, indeed.

TALK TALK | “SUCH A SHAME” AO VIVO

Playlist de Fevereiro | Os singles

Um dos dois candidatos ao melhor single (e canção, porque não?) da Playlist de Fevereiro é “Living Room, NY”, de Laura Stevenson. Não se pode dizer que esta canção tenha rompido o silêncio da cantautora, punk mais de origem e em alma do que propriamente na sonoridade. Embora o seu último LP, Cocksure, já tenha saído em 2015, não faltou um álbum ao vivo, lançado no ano a seguir, uma contribuição para a compilação de covers Don’t Stop Now, editada em 2017, e uma homenagem à mãe sob a forma do duplo single The Mystic & The Maker, lançado o ano passado. Este último foi gravado na casa de infância em Long Island, com o produtor Joe Rogers, e revela um abandono do som punk mais agressivo de Cocksure para regressar ao lado folk de Wheel (2013). Uma tendência que, de acordo com o comunicado de imprensa, continuará no novo álbum, The Big Freeze, a sair no dia 29 de março, por meio da Don Giovanni, e cujo anúncio o single “Living Room, NY” acompanha.

Laura Stevenson - Playlist de Fevereiro
Laura Stevenson

The Big Freeze foi também ele gravado na casa onde Laura Stevenson cresceu e, apesar da sua origem punk e da esporádica inclusão de uma banda de suporte, o foco deste novo disco são a sua voz e guitarra, que se salientam à boa maneira da tradição folk a que a cantautora igualmente pertence. A atmosfera íntima que se pode ouvir tanto no duplo single lançado o ano passado como agora em “Living Room, NY” é construída com o recurso a várias faixas de voz, trompas, violoncelos e violinos, cujas melodias se entrelaçam em orquestrações que vão inchando e sossegando subtilmente, enquanto Stevenson explora ideias de distância e incompreensão. Deste single, Laura Stevenson disse, na sua conta de twitter, que se trata de “uma canção sobre sentir a falta de alguém no outro lado do mundo, que [começou] a escrever durante uma digressão pela Austrália”. E, de facto, o desejo e a saudade vibram em cada fibra melódica, em cada fímbria do timbre de uma voz que se demora na ideia dos espaços concretos onde o amor se desenrola e do qual o corpo se encontra dolorosamente afastado. Até a canção se tornar aquele abraço que a distância impede.

LAURA STEVENSON | “LIVING ROOM NY”

Depois do grande álbum Capacity e do presente que foi também abysskiss, o álbum a solo de Adrianne Lenker, os Big Thief estão de volta, com um novo álbum fantasticamente intitulado U.F.O.F.. Se as canções mantiverem todas o nível do seu single principal, estamos diante de um dos álbuns do ano. “UFOF” é a segunda faixa, (quase) titular, do novo registo e é o nosso outro grande candidato a single do mês, nesta Playlist de Fevereiro.

Sob a imagem etérea e insólita de um OVNI, algures entre a tecnologia da ficção científica e a animação dos super-heróis, Lenker dá voz ao desejo de um paraíso ou felicidade que pudesse ser a nossa habitação, um lugar ao qual as criaturas estranhas que somos aspiram desde sempre. Com outras imagens, sob outras formas, mas desde sempre. O tempo que passou desde que esse sempre começou, o tempo que é o nosso de agora tornam difícil, contudo, acreditar na existência do espaço querido e imaginado. Fica só a realidade, a sua conceptualização e as suas leis: “There will soon be proof/ That there is no alien/ Just a system of truth and lies/ The reason, the language/ And the law of attraction”.

Lê Também:
U.F.O.F. é o novo álbum dos Big Thief

Talvez seja esta realidade o sonho mau que se transformará no globo azul do qual Lenker se afasta levada pelo OVNI. Talvez o sonho mau seja afinal, numa reviravolta inesperada, o OVNI que não passaria de escapismo e ilusão, condenado a desvanecer-se. Fica a incerteza, a instabilidade criada por aquele “you” que acumula características opostas, numa atmosfera melódica de beleza prometida e, por breves instantes, realizada. Só para desaparecer quando ainda mal floresceu, num ritmo que, seguro e ágil, nos vai atirando sempre para diante até ao momento em que, cessando abruptamente, nos deixa em terra a interrogarmo-nos sobre se teremos visto mesmo o que julgamos ter visto. Ou ouvido, a bem dizer.

BIG THIEF | “UFOF”

Assim que acabei de ouvir a “Glass Eyes” de JW Ridley, enquanto as imagens desoladas do vídeo de Dan W. Jacobs me passavam diante dos olhos, não consegui evitar a sensação de que fora invadida pela atmosfera da “Pyramid Song”, dos Radiohead. Que vem também ela, aliás, acompanhada de um vídeo de animação onde a solidão individual é construída no contexto e por analogia com a devastação de um espaço social. Confesso que me esquecera que uma das canções antigas da banda finalmente gravadas em estúdio e coligidas em A Moon Shaped Pool era precisamente a “Glass Eyes”. Seja como for, foi para a órbita da “Pyramid Song” (e da época dourada da banda), não da homónima canção, que o mais recente single de Jack Ridley me transportou.

No centro da canção está o vazio do tempo que passa aparentemente sem significado, experimentado por Ridley numa época difícil da juventude: “All your wasted time/ playing with forever/ like it’s never/ a part of me, a part of you”. Esta terra deserta desemboca num enigmático “cause I never met you/ it’s like I’ve never met you now”. Suspeitamos, mas nada mais, que este tu não seja senão o eu ocultado pela vida adiada. É verdade que as melodias dos teclados, piano e voz, a lembrar as da banda de Oxford, contribuem para a melancolia que envolve e paira sobre as palavras de Ridley. E é verdade que a animação do vídeo aprofunda esta tristeza com as suas imagens de um bairro dos subúrbios, vazio à hora do crepúsculo, numa mistura de filme negro com os vários Impérios das Luzes, de Magritte. Mas, apesar de tudo, um calor imiscui-se, subtil, com a melodia do violino, a explosão de puro canto no refrão e a linha de baixo na ponte, que alivia e adoça o mistério verbalizado. O calor de ter superado a prova, de poder olhar para trás e ver atrás e para trás aquilo em contraste com o qual a vida emerge vividamente, revelando todo o seu valor: “You never felt so alive/ When you left behind/ All your wasted time”.

JW RIDLEY | “GLASS EYES”

Páginas: 1 2

Maria Pacheco de Amorim

Literatura, cinema, música e teoria da arte. Todas estas coisas me interessam, algumas delas ensino. Sou bastante omnívora nos meus gostos, mas não tanto que alguma vez vejam "Justin Bieber" escrito num texto meu (para além deste).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *