"The Suicide Squad" ©Cinemundo

O Esquadrão Suicida (2021), em análise

O novo “O Esquadrão Suicida” tem todas as partes boas do primeiro filme e elimina os problemas do passado. É uma sólida entrada no DCEU e James Gunn merece todos os aplausos.

“Here’s the deal: we fail the mission, you die!”

Em 2016 David Ayer tentou apresentar a equipa Task Force X aka Suicide Squad (Esquadrão Suicida) da DC ao grande ecrã e o resultado final acabou por ser um filme bastante divisivo. Por um lado ganhou o Óscar de Melhor Maquilhagem e Penteado, selecionou uma banda sonora impressionante e exibiu-nos personagens cativantes como Deadshot, Rick Flag, Amanda Waller e Harley Quinn. No outro lado, esteve um imenso potencial narrativo desperdiçado, vilões ocos e uma história que acaba por não ir a lado nenhum. Se feitas as contas valia a pena uma sequela? Conservando o que funcionou e escolhendo a pessoa certa para realizar, era uma boa aposta.

Receita para um Suicide Squad de sucesso – Tempo: 132 minutos; Dificuldade: Difícil; Passo 1: contratar James Gunn; Passo 2: pré-aquecer o forno, usando de base o primeiro “Suicide Squad”; Passo 3: Refogar com “Deadpool” e “Guardians of the Galaxy”. Juntar uma boa pitada de “The Expendables”. Et voilá, a 5 de Agosto de 2021 temos a estreia de “O Esquadrão Suicida” nos cinemas dos EUA assim como nos portugueses, havendo ao mesmo tempo a exibição em streaming na HBO Max.

Lê Também:
Esquadrão Suicida, em análise

Podemos assim agradecer à Disney e à Marvel pelo temporário despedimento de James Gunn, o que permitiu que este aceitasse em 2018 a proposta de realizar e escrever esta sequela. O cineasta revelou que em vez de uma sequela propriamente dita ou um reboot preferiu fazer algo próprio sem grandes indicações diretas a outros filmes da DC Extended Universe (DCEU), mas que também não contradissesse nenhum dos eventos anteriores. O objetivo seria explorar novas personagens numa história separada da narrativa do filme original. Gunn afirmou ainda que tirou inspiração de filmes de guerra e nos comics do Esquadrão Suicida dos anos 80 de John Ostrander.

Produzido pela DC Films, Atlas Entertainment e The Safran Company, e distribuído pela Warner Bros. Pictures, esta é a décima entrada da DCEU. Este projeto contou com Charles Roven e Peter Safran na produção, e com Zack Snyder, Deborah Snyder, Walter Hamada, Chantal Nong Vo, Nikolas Korda e Richard Suckle como produtores executivos. O filme é estrelado por um elenco que inclui Margot Robbie (Harley Quinn), Idris Elba (Robert DuBois/Bloodsport), John Cena (Christopher Smith/Peacemaker), Joel Kinnaman (Rick Flag), Sylvester Stallone (Nanaue/King Shark), Viola Davis (Amanda Waller), Jai Courtney (Captain Boomerang) e Peter Capaldi (Gaius Grieves/The Thinker). O enredo centra-se na nova missão dada à Task Force X, composta por velhos e novos elementos, que é enviada para a ilha de Corto Maltese (ilha fictícia com muitas semelhanças à nossa Cuba) com o objetivo de destruir evidências do alienígena gigante Starro.

Suicide Squad
“The Suicide Squad” ©Cinemundo

A essência e a marca de Gunn é bastante percetível em “The Suicide Squad” e pode ser comparada em vários aspetos com “Guardians of the Galaxy Vol. 2”. Uma das razões prende-se com a escolha da equipa criativa que inclui o diretor de fotografia Henry Braham, o editor Fred Raskin e a designer de guarda-roupa, nomeada para os Óscares, Judianna Makovsky (“Harry Potter and the Sorcerer’s Stone”), todos eles com créditos em “Guardians of the Galaxy Vol. 2”. O filme conta ainda com Christian Wagner (saga “Fast and Furious”) na edição e Beth Mickle (“Captain Marvel”) como diretora de produção. A música é de John Murphy (“Kick-Ass”), que apesar de apresentar um estilo diferente de Tyler Bates, o responsável pela música em todos os filmes anteriores de Gunn, conseguiu ainda assim sintonizar a banda sonora com a cinematografia, trazendo mais emoção às cenas do filme.

Dos elementos originais do primeiro filme contamos com Amanda Waller, Rick Flag, Captain Boomeran e Harley Quinn. Todos eles são lidados com sucesso, quer de forma adequada ou invetiva. Apesar de Flag ficar um pouco na sombra de personagens muito semelhantes, o próprio filme admite esse fator e consegue que a personalidade de cada um deles o torne na sua própria pessoa. Robbie e Davis foram castings fenomenais por parte de Ayer e uma das primeiras escolhas de Gunn na produção do filme foi voltar a convidar as atrizes a regressarem aos seus papéis. Harley Quinn neste momento é um dos corações da DCEU, assim como uma das personagens favoritas no mundo dos super-heróis e Amanda Waller sagra-se como uma das melhores vilãs deste universo, sendo também usada como veiculo de criticas politicas relevantes.

O Esquadrão Suicida
“The Suicide Squad” ©Cinemundo

A notícia de que Will Smith não voltaria para interpretar Deadshot foi recebida com tristeza de uma forma geral, porém a introdução de Elba como Bloodsport conseguiu colmatar por completo essa ausência. As duas personagens têm muitas (muitas) semelhanças, mas alguns pormenores são o suficiente para ambos coexistirem e deixarem a sua marca de forma diferente. Quanto a John Cena, este pode ser o ano e particularmente o filme que catapultará a sua carreira de ator. Já este ano o pudemos ver num papel relevante em “F9: The Fast Saga”, mas a sua entrega no filme da DCEU foi impressionante e deixou vontade de o ver em mais papéis.

Para os fãs de Cena esse desejo será realizado, uma vez que Gunn se interessou pela personagem de Peacemaker e enquanto completava o filme começou a trabalhar paralelamente num projeto centrado nesta personagem. A HBO Max rapidamente deu luz verde e o projeto seguiu para uma série de 8 episódios, escritos por Gunn e também realizados na sua maioria por ele, que tem estreia prevista em Janeiro de 2022.

Suicide Squad
“The Suicide Squad” ©Cinemundo

Por fim, não podemos deixar de elogiar Daniela Melchior que, apesar de nós já conhecermos o seu talento através de trabalhos como a excelente prestação no filme “Parque Mayer”, internacionalmente a atriz revelou-se uma surpresa agradável e possivelmente esta interpretação de Ratcatcher 2 abrirá as portas para futuros envolvimentos em mais grandes produções.

O filme consegue ser eficaz em distinguir esta equipa de super-vilões, presos condenados, de uma equipa de super-heróis exemplares como a Justice League, de heróis disfuncionais como os Guardian of the Galaxy e mesmo de anti-heróis como Deadpool, Wolverine ou Punisher. A classificação R-rated e toda a violência e gore podem chocar parte da audiência, mas funciona tudo a favor do filme, para criar a sua própria identidade e marca dentro do género.

Não sendo o objetivo principal é ainda de louvar o toque superficial de abordagem sobre os traumas das personagens e que pode levar a uma contemplação mais profunda e exaustiva daquilo que cria um vilão e o distingue de um herói.

O Esquadrão Suicida
“The Suicide Squad” ©Cinemundo

O Esquadrão Suicida” é bem-sucedido na escolha do elenco, tanto mantendo estrelas chave do filme anterior, como nas novas apostas. Gunn está de parabéns pela realização e pelo enredo, e os elogios estendem-se também para as cenas de ação e o estilo visual. É uma produção ultrajante, irreverente e ultraviolenta que encontra alegria na destruição massiva e na comédia insana.

TRAILER | PIM PAM PUM, CADA BALA MATA UM. NO FIM, QUEM SOBREVIVERÁ A ESTA MISSÃO SUICIDA?

“Nom-nom!”

O Esquadrão Suicida, em análise
The Suicide Squad

Movie title: O Esquadrão Suicida

Movie description: A equipa Task Force X, composta por uma coleção de malucos condenados na prisão de Belle Reve que inclui os supervilões Harley Quinn, Bloodsport, Peacemaker, é desta vez deixada na remota ilha infestada de inimigos de Corto Maltese. Mas o termo Suicide Squad nunca se aplicou tão bem a esta equipa.

Date published: 5 de August de 2021

Country: EUA

Duration: 132 minutos

Director(s): James Gunn

Actor(s): Margot Robbie, Idris Elba, Daniela Melchior, John Cena, Joel Kinnaman , Jai Courtney, Peter Capaldi, David Dastmalchian, Michael Rooker, Alice Braga, Pete Davidson, Joaquín Cosio, Juan Diego Botto, Storm Reid, Nathan Fillion, Steve Agee, Sean Gunn, Mayling Ng, Flula Borg, Jennifer Holland, Tinashe Kajese, Sylvester Stallone, Viola Davis

Genre: Ação, Comédia, Aventura

  • Emanuel Candeias - 85
  • Maggie Silva - 85
85

CONCLUSÃO

“O Esquadrão Suicida” é bem-sucedido na escolha do elenco, tanto mantendo estrelas chave do filme anterior, como nas novas apostas. Gunn está de parabéns pela realização e pelo enredo, e os elogios estendem-se também para as cenas de ação e o estilo visual. É uma produção ultrajante, irreverente e ultraviolenta que encontra alegria na destruição massiva e na comédia insana.

Pros

  • James Gunn
  • Elenco, tanto antigo como novo
  • Narrativa alucinante
  • Cenas de ação e efeitos visuais
  • R-rated

Cons

  • Alguns momentos mortos
  • Sentimento de exagero por parte da audiência
Sending
User Review
0 (0 votes)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Emanuel Candeias

Graduado em Hogwarts, foi head-boy de Ravenclaw. Aventurou-se durante uns tempos pela Middle-Earth e por Westeros, tendo feito grandes amizades na House Stark e com os elfos de Lothlórien. De forma a aprofundar os seus conhecimentos contactou grandes mentes como Doctor Banner, Doctor Strange e chegou mesmo a viajar com Doctor Who. Dedicou-se durante uma temporada a fortalecer a sua espiritualidade em Konoha, onde aprendeu com os mestres Goku e Naruto. Neste momento encontra-se perdido no Matrix. O seu sonho é vir a ingressar na Starfleet.

Emanuel Candeias has 235 posts and counting. See all posts by Emanuel Candeias

Leave a Reply

Sending