©AXN

X Company, primeiras impressões

“X Company”, a nova aposta do AXN, estreia a 15 de abril, quinta-feira, pelas 22h50.

Trata-se de um intenso thriller de espionagem sobre um grupo de recrutas e o seu treino especial como espiões, no Canadá dos anos 1940. Deixamos algumas impressões acerca do primeiríssimo episódio da série! 

Lê Também:
Renovações e Cancelamentos | 1º Trimestre 2021

Esta complexa trama de guerra dramática baseia-se numa conhecida instituição militar canadiana real, o Camp X ( em português Base X ), onde muitos espiões modernos de alto gabarito foram treinados no decurso da Segunda Guerra Mundial. Muitos deles viriam, inclusive, a tornar-se membros imprescindíveis e de topo em agências de inteligência como a CIA.

O conteúdo televisivo fictício foca-se nas experiências concretas de cinco destes valentes jovens, cujas vidas se vêm transformadas de forma drástica. Acompanhamos a sua jornada depois de passarem por treinos árduos, onde lhes são incutidas valências físicas e morais essenciais à sobrevivência no ambiente hostil das linhas inimigas na Europa.

Para escaparem ilesos, estes agentes secretos precisaram de aprender inúmeras competências como combate, auto-defesa, sistemas de codificação e descodificações, entre tantas outras. A sobrevivência no terreno é um desafio diário, mas as suas missões são essenciais para parar o expansionimo alemão.

Aurora (Evelyne Brochu, “Orphan Black”), Alfred (Jack Laskey, “Endeavour”), Neil (Warren Brown, “Luther”), Harry (Connor Price, “Being Human”) e Tom (Dustin Milligan, “Schitt’s Creek”) são os protagonistas deste drama de guerra tenso. Preparamos-nos agora para descobrir a sua jornada.

X Company Primeiras Impressões
A equipa de “X Company” |©AXN

O episódio-piloto de “X Company” transporta-nos até à França ocupada pelos Nazis, num momento em que os esforços dos Aliados contra as potências do Eixo pareciam ser insuficientes. Com perspetivas pouco animadoras, somos catapultanos para uma reconstrução história simples mas meritória onde a beleza do cenário contrasta com a frenética energia das manobras de espionagem.

A fotografia, pautada por cores vibrantes e afastada do por vezes avassaladoramente triste tom acinzentado de muitos dramas de guerra, permite apresentar um mundo a duas velocidades: aquele que à superfície se mantém inalterado e que, em simultâneo, vê a sua destruição eminente como constante possibilidade.

Observamos os eventos, desde o primeiro instante, do ponto de vista dos corajosos agentes plantados numa pitoresca cidade francesa ocupada. A apresentação in medias res seduz quem vê e impõe, desde logo, a noção de que este será um conteúdo francamente viciante.

Lê Também:
O guia das séries canceladas em 2020

A favor de “X Company”, este capítulo inaugural é um esforço de ação de cortar a respiração, sem nunca quebrar o ritmo ao longo dos seus 45 minutos. Muitas outras missões serão apresentadas nesta história, mas há que dizer que a primeira começou com um BANG.

Longe de quebrar o molde e com uma clara povoação do conteúdo com certas personagens-tipo entre os protagonistas –  o génio, o nerd, o coração do grupo, o soldado imparável e o mestre da manipulação- a série consegue ainda assim estabelecer uma relação de empatia clara.

 

O sacrifício humano pesa, mói, quiçá até de ambos os lados da barricada.  Ainda é cedo para dizer se “X Company” comete um erro fulminante presente em muitos destes conteúdos, em especial os narrados do ponto de vista da América do Norte (esta é uma série canadiana). Será o inimigo demonizado mediante generalizações abusivas? Neste piloto parece ser sugerida alguma ambiguidade. Resta confirmá-la ao longo dos próximos capítulos.

Lê Também:
Segunda Guerra Mundial | Os melhores filmes sobre o conflito

Conseguirá “X Company” ir muito além duma visão unilateral ou simplista deste conflito armado? Os 45 minutos iniciais não permitem chegar a uma conclusão inequívoca, como é expectável. Todavia, permitem-nos sugerir que esta será uma aprazível companhia de serão, especialmente para os aficionados das muitas histórias que recordam a Segunda Grande Guerra.

Para ver, a partir de quinta-feira, 15 de abril, pelas 22h50. 

X Company, primeiras impressões
x camp

Movie title: X Company

Movie description: Os Aliados precisavam de uma arma secreta. Arranjaram 5.

Date published: 7 de April de 2021

Country: Canadá

Duration: Episódios de 45 minutos

Author: Mark Ellis e Stephanie Morgenstern

Director(s): David Frazee

Actor(s): Evelyne Brochu, Jack Laskey, Warren Brown, Hugh Dillon, Connor Price, Dustin Milligan

Genre: Drama, Guerra, Thriller

[ More ]

  • Maggie Silva - 75
75

CONCLUSÃO

Com um princípio auspicioso, uma fotografia cuidada e uma boa progressão da ação,  “X Company” poderá relevar-se um trunfo entre a programação do AXN.

Pros

  • Os cenários escolhidos e a reprodução histórica produzida.
  • A ausência, por agora, de nacionalismo exacerbado na descrição dos propósitos dos agentes.

Cons

  • A velha incapacidade de estabelecer a comunicação entre povos distintos de uma forma lógica: que criança franco-alemã sabe falar inglês fluentemente em 1940? Porquê recorrer a sotaques forçados? Esta contradição de termos é uma constante nas narrativas dentro do género, mas nunca deixará de quebrar qualquer ilusão de realismo.
  • Alguns dos diálogos soam forçados, lugares-comuns acerca de coragem e resiliência.
Sending
User Review
4 (1 vote)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Maggie Silva

Comunicadora de profissão e por natureza. Dependente de cultura pop, cinema indie e vítima da incessante necessidade de descobrir novas paixões. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending