You | © Netflix

YOU, segunda temporada em análise

Hello, You! É a derradeira frase de Joe Goldberg que em última instância o vai levar ao crime e castigo. Na cidade dos Anjos, uma nova e doentia paixão é o centro da segunda temporada.

Greg Berlanti e Sera Gamble acertaram à primeira, e a mesma fórmula foi utilizada para a segunda temporada de “YOU”. Uma nova paixão desmesurável, obsessões doentias e novos relacionamentos com famílias que nada lhe dizem respeito mas que Joe Goldberg sente que deve proteger a todos os custos. E, será que é mesmo a fórmula certa? Ou terá retirado todo o interessa da série que tanto captou a atenção há um ano atrás?

Depois de uma temporada que acabou em suspense, e com claros fantasmas do passado, pouco se podia prever do futuro de Joe Goldberg (Penn Badgley). A investigação em relação à morte de Peach Sallinger continuava em aberto, o psicopata favorito dos fãs havia inclusive deixado um jarro de urina na sua casa do campo, e o número de mortos já em muito se acumulava nas sangrentas mãos de Joe. Para além de todas as questões que já estavam em cima da mesa, eis que surgiu a maior: o regresso de Candace (Ambyr Childers), a ex-namorada de Joe… foi imaginação ou realidade?

Lê Também:
YOU, primeira temporada em análise

**ALERTA** Poderão haver spoilers no texto em diante – mas salvaguardamos referências a quem morre, apesar de na vida de Joe Golberg ser certo existirem umas quantas baixas colaterais da sua paixão amorosa

Foi precisamente com o grande fantasma que a segunda temporada começou, e esse foi o mote daquele que nos pareceu ser a storyline dos novos episódios. Numa reviravolta de eventos, Candace volta a Nova Iorque para enfrentar Joe (Badgley) – ela não procura matá-lo mas sim fazê-lo sofrer, principalmente quando percebe que o desaparecimento de Beck está directamente ligado a ele. É aí que pensamos: a mesma fórmula, mas invertida! Candace torna-se a nova psicopata que não vai desistir de Joe, e desde logo se torna interessante.

O final da primeira temporada não foi uma miragem, mas o mote para a história da segunda temporada de “You” | © Netflix

Motivado pelo medo, Joe larga tudo e parte para Los Angeles, uma cidade que ele odeia, mas que lhe parece a ideal para fugir visto que vê nela pessoas supérfluas que não querem saber mais do que a imagem social. E ao longo do primeiro episódio, uma vez mais, Joe leva o espectador a torcer por ele: um novo começo, uma nova vida… até ao mítico “Hello, You!”. Numa cidade densamente povoada, Joe encontra um nova obsessão e é dela que surge Will Bettelheim, o seu novo alter ego para sobreviver em Los Angeles.

Com uma nova identidade, entra numa vida que lentamente se começa a assemelhar a Nova Iorque. Como vizinhas, e senhorias do novo apartamento, Joe envolve-se numa estranha dinâmica familiar com as irmãs Ellie (Jenna Ortega) e Delilah Alves (Carmela Zumbado), julgando ter de se tornar o seu protector, principalmente de Ellie, a mais nova e menor de idade. Ao mesmo, começa a instalar-se em LA e a delinear uma série de eventos que o levem a Love Quinn, a sua nova paixão (este talvez um dos pontos baixos da temporada, replicando o que ele já havia feito em Nova Iorque).

You
Joe torna-se, instintivamente, protector de Ellie, a sua vizinha menor | © Netflix

Love Quinn (Victoria Pedretti) é cozinheira em Anavrin, uma loja da moda em Los Angeles, e consigo traz um irmão lunático, Forty (James Scully), e um ecléctico grupo de amigos onde o que importa são os chakras, os mantras e o karma. Tem nos seus ombros um passado obscuro – que em nada parece demover Joe – mas torna-se irresistível ao longo da temporada. Neurótica por vezes, leva-nos a crer que poderá ser a derradeira salvação de Joe. Ele próprio parece estar a evoluir da sua psicose – é aceite pelo grupo de amigos, começa a relacionar-se com o irmão, tornando-se quase melhores amigos… ainda que toda a temporada e o seu percurso em Los Angeles seja quase um karma instantâneo de “crime e castigo” (sim, clara alusão ao livro que ele tanto referiu na entrevista para conseguir trabalhar na Anavrin e estar mais perto de Love).

É em Los Angeles que Joe começa a estabelecer relações além a sua paixão amorosa | © Netflix

O que a segunda temporada nos oferece no entanto, durante a primeira parte, são 3 histórias diferentes ao mesmo tempo: a construção da relação de Joe e Love, o caminho de Joe para se redimir do seu passado sombrio e pequenos flashbacks da infância de Joe. Infelizmente não fica tudo esclarecido, mas percebemos que a sua necessidade de protecção vem desde pequeno, e de uma relação deficiente com os seus pais. Torna-se interessante mas ao mesmo tempo leva a história a distanciar-se do que nos apaixonou, parecendo por vezes que os flashbacks não faziam sentido na história ou no momento em que são apresentados.

Penn Badgley no entanto é de destacar novamente nesta temporada. O seu trabalho na personagem é incrível – na segunda temporada de “YOU”, Joe vai de 8 a 80 e volta-nos a puxar para o seu lado. Mantendo a sua aura de “pessoa tóxica”, apela-nos também pelo seu lado mais humano, em especial quando começa a entrar numa jornada de auto-controlo, procurando redimir-se do seu passado e do que fizera em Nova Iorque. Prova disso é quando pela primeira vez deixa alguém sair da jaula de acrílico que tem num armazém – para quem o conhece, por certo saberá que é um passo decisivo na sua pessoa, e é aqui que ele cativa o público ao dar indícios que se calhar até poderia mudar…. Mas, como qualquer pessoa tóxica, as aparências iludem e no final fica só a sensação que poderia ter sido diferente, mas não foi.

Lê Também:
Netflix | O top 10 da plataforma em 2019

Numa boa reviravolta, mas não a melhor da temporada, Candace encontra Joe em Los Angeles e torna-se Amy Adam, a nova namorada de Scully. Entra de rompante na vida dos Quinn mas também na de Joe, elevando a segunda temporada de “YOU” para outro nível. Sabendo nós deste lado a história de Candace e Joe, e sabendo de antemão o passado frágil de Love enquanto jovem viúva, nada fazia prever o GRANDE plot twist da temporada! Afinal de contas, a passagem de Candace por Los Angeles apenas eleva a paranóia de Joe e das personagens à sua volta, como Forty, já que a sua presença é o suficiente para realmente infernizar a vida de Joe, e deixar que o pior das pessoas venha ao de cima.

Joe Goldberg, na busca por uma nova vida, encontrou realmente os seus crimes e castigos na cidade de Los Angeles. Lidou com Candace, continuou a enfrentar fantasmas do passado, matou mais pessoas e… apaixonou-se pela pessoa errada, como castigo irónico da vida. Love é doce, apaixonada, viva! Mas também obcecada e psicopata. Se por momentos nos pareceu que iria deixar Joe morrer na jaula, ao lado de uma sua suposta vítima já em decomposição – que final irónico e bom também seria esse!, Love torna-se a personagem principal de “YOU” quando se confessa e conta a real história de vida.

Love & Joe são o caos perfeito num só casal | © Netflix

Impulsionada a proteger aqueles que mais ama da forma que acha mais correcta, Love dá-nos o momento de maior surpresa da temporada. De uma forma exímia, Love Quinn mostra que uma obsessão não tem de passar pelo voyeurismo mas que pode ser tão bem manipulada que nem uma pessoa note. Joe acaba a temporada a cumprir um castigo – está reunido com a sua paixão de Los Angeles, mas não nos termos dele, e sabendo que os termos dela poderão ser muito piores. A obsessão já lhe passou, a sua preocupação foca-se numa nova criança – do mesmo modo que protegeu Paco e Ellie, e a sua mente já começou a divagar. Até porque a última frase da temporada? “Hello, You!”

Em resumo, a segunda temporada continua a ser um must see. “YOU” continua a ser uma mistura, na dose certa, de humor negro e crime, tornando-a bastante apelativa aos dias de hoje. Alguns twists até podem ser previsíveis, mas nada nos prepara para a construção desta nova paixão de Joe, e para o modo com duas fantasias, de dois psicopatas, se podem tornar numa vida em conjunto, e serem antes um pesadelo para aqueles que os rodeiam. Penn Badgley é sem dúvida a estrela, apesar de não podermos deixar de referir e parabenizar a performance excepcional de Victoria Pedretti e James Scully, que trazem a aura perfeita para os irmãos Quinn e a sua excentridade de Los Angeles.

Gostaste do plot twist desta temporada?

YOU, 2ª temporada, em análise
You Netflix Penn Badgley

Movie title: YOU

Director(s): Kevin Rodney Sullivan, Silver Tree, John Scott, DeMane Davis, (outros)

Actor(s): Penn Badgley, Victoria Pedretti, Ambyr Childers, James Scully, Jenna Ortega, Carmela Zumbado

Genre: Crime, Drama

  • Marta Kong Nunes - 90
  • Inês Serra - 69
80

Conclusão

"YOU" traz para a segunda temporada a essência da primeira, mas com um plot twist final muito mais arrepiante. Até onde é que os actos por amor são justificáveis?

O MELHOR: Penn Badgley continua a ser um dos pontos altos da série mas a novata Victoria Pedretti trouxe um novo nível à psicose de Joe Goldberg. Agora só queremos ver a próxima fase da vida de Joe Goldberg e Love Quinn!

O PIOR: Replicar parte da fórmula da primeira temporada, e o final da temporada. Claramente que um fã percebe que esta história de amor trágica só poderá conhecer um desfecho para realmente terminar, mas.. haveria mesmo necessidade de acabar daquela forma?

Marta Kong Nunes

Arquitecta (com um c!) de formação. Coordenadora de profissão. Fanática de cinema e séries por pura paixão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *