Joker | © Warner Bros.

76º Festival de Venezia | O ‘Joker’ está no Lido

O ‘Joker’, de Todd Phillips e com Joaquin Phoenix, é um filme notável e um misto de horror e compaixão. O outro filme da competição é ‘Ema’, do chileno Pablo Larraín.

Hoje estivemos todos de olhos postos no ‘Joker’, de Todd Phillips encarnado até às entranhas por um magro e esquálido Joaquin Phoenix. A grande expectativa em relação a ‘Joker’ viu-se logo pela manhã na gigantesca fila de entrada da sessão das 8h30, na Sala Darsena. Algo que não é muito habitual aos sábados de manhã na Mostra de Veneza. ‘Joker’ de Todd Phillips centra-se exclusivamente na história das origens de um vilão por excelência, — interpretado anteriormente por Jack Nicholson, Heath Ledger e Jared Leto, na saga ‘Batman’ — que vive na suja Gotham City, — um espelho de Nova Iorque ou de qualquer outra das grandes metrópoles do mundo — a cidade do universo da DC Comics, onde irá confrontar-se um dia destes com Batman.

Lê Também:
Óscares 2016 | Os prémios da MHD vão para...

TRAILER DE ‘JOKER’

Se tudo correr bem está mesmo já pensada uma continuação. Para já este ‘Joker’, surpreendentemente realizado por Todd Phillips (‘A Ressaca’) é um filme notável e muito diferente dos de super-heróis. Está assente numa história original e independente, — e ainda sem Batman — nunca vista nem nos quadradinhos, nem na televisão e muito menos estaria destinado aos grandes ecrãs de cinema de uma competição como a de Venezia 76. É inédito um filme de uma major como a Warner e de inspiração nos super-heróis, estar numa competição de um festival de filmes de autor. Só que o filme de Phillips é na verdade uma filme autoral, que está condenado a tornar-se uma obra mainstream; e não tenho dúvidas que vais estar na corrida aos Óscares.

Joker
Arthur Fleck/Joker é interpretada de um maneira inesquecível por Joaquin Phoenix. | © Warner Bros.

A personagem de Arthur Fleck/Joker é interpretada de um maneira inesquecível por Joaquin Phoenix e retrata, em vez de um super-herói/vilão, um homem com dificuldades em encontrar o seu lugar na sociedade. Durante o dia Arthur Fleck é um palhaço que aspira tornar-se à noite artista de stand-up-comedy. Só que os seus desequilíbrios mentais e diferenças tornam-se motivo de chacota e exclusão. Prisioneiro de uma existência cíclica, entre apatia e a crueldade, Arthur acaba por tomar uma decisão desesperada que vai desencadear uma reação de acontecimentos que alteram definitivamente a sua vida e personalidade, já de si bastante instável. Assim foi num misto de tormenta e compaixão que nasceu ‘Joker’, um novo vilão que vai conquistar os corações do público – mais ainda que o  ‘Logan’, o último filme de ‘Wolverine’. Além da presença incontornável de Phoenix, notável é também a interpretação de Robert De Niro como estrela de um talk-show, que contribuirá para a colapso psicológico de Arthur Fleck. ‘Joker’ é a história da ‘morte de um palhaço’ para nascer um vilão.

Ema
Ema (Mariana Di Girolamo) é uma jovem e inconsolável bailarina de reggaeton. | © Fabula

O outro filme apresentado na competição no sábado, foi ‘Ema’, do realizador chileno Pablo Larraín (‘O Clã’), um estranho melodrama sobre as ‘novas famílias’, feito ao ritmo do reggaeton. Ema (Mariana Di Girolamo) é uma jovem bailarina que decide separar-se de Gastón (Gael Garcia Bernal) depois de devolverem Polo, uma criança que adoptaram e, não conseguiram criar. Nas ruas da cidade portuária de Valparaíso, a rapariga procura desesperadamente histórias de amor, que a ajudem a superar o seu sentimento de culpa. Além disso tem um plano secreto, para recuperar tudo o que perdeu.

Adults in the Room
‘Adults in the Room’, de Costa-Gravas, uma adaptação do livro de Yanis Varoufakis. | © Wild Bunch

Por último, apenas um destaque para a estreia fora de competição de ‘Adults in the Room’, do veterano Costa-Gravas, uma adaptação do livro ‘Comportem-se Como Adultos’, de Yanis Varoufakis, ex-ministro do governo grego do Siryza e personagem-chave na crise do Euro em 2015 e da quase saída da Grécia da UE.

JVM em Veneza

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colabora no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’, ( 2014). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’,(2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’, (2012) Mostras de Cinema da América Latina 2010 e 2011, 'Vamos fazer Rir a Europa', 2014 e Mostra de Cinema Dominicano, 2014 e Cine Atlântico, Terceira, Açores. É o Director de Programação do Cine’Eco- Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela desde 2012. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *