©NOS Audiovisuais

Antevisão | O Que É Que Eles Vão Fazer Depois dos Óscares?

Depois dos Óscares 2021, que vão fazer Anthony Hopkins, Frances McDormand, Daniel Kaluuya e Youn Yuh-jung, os excelentes actores que ganharam as estatuetas dos prémios de interpretação. Será que vão parar ou ser mais uma vítimas da ‘maldição do Óscar’? Neste quatro casos, creio que não!

A ressaca dos Óscares 2021, já lá vai e tudo aos poucos vai correndo dentro da normalidade (nos limites do possível e claro, dentro das regras e limitações sanitárias) para regressarmos em força às salas de cinema. A temporada de cinema promete e, a vida tem de continuar tanto para nós espectadores, como para os protagonistas e vencedores da última edição dos Óscares. Aproveitando este facto e tendo em conta que o interesse e curiosidade cresceu sobre os novos projectos dos vencedores da preciosa estatueta, importa fazer uma antevisão do que vamos ver em breve, protagonizado pelos premiados aos Óscares de Melhores Interpretações: Anthony Hopkins (Melhor Actor por ‘O Pai’), Daniel Kaluuya (Melhor Actor Secundário por ‘Judas e o Messias Negro’), Frances McDormand (Melhor Actriz por ‘Nomdland-Sobreviver na América’ e Youn Yuh-jung (Melhor Actriz Secundária por ‘Minari’), até porque tem acontecido muitas vezes para determinados actores, ganhar um Óscar funciona como uma espécie de maldição; ou pelo menos de um certo esquecimento momentâneo, para só muito tempo depois, regressarem novamente ao trabalho e a projectos vencedores. Não creio que não seja o caso destes quatro grandes actores:

Oscares

 

Anthony Hopkins

O prémio de Melhor Actor para Hopkins foi a grande surpresa da Noite dos Óscares e  foi entregue muito perto da estreia de O Virtuoso, um filme de Nick Stagliano que chegou aos cinemas americanos a 30 de abril, que já vi e creio se tudo correr bem, chegará em breve também às salas nacionais.  Neste thriller de ação sobre um assassino profissional (hitman) por encomenda, Hopkins tem um papel secundário como o mentor do personagem principal interpretado pelo durão Anson Mount (‘Crossroads’, 2002). Neste thriller intenso, misterioso, e cheio de reviravoltas, protagonizado também por Abbie Cornish, Hopkins tem uma cena fabulosa, que é um monólogo de cerca de dez minutos absolutamente notáveis, um verdadeiro desafio, até de memória para um actor com 83 anos. Além disso, Hopkins já terminou de filmar ‘Zero Contact’, mais um thriller dirigido por Rick Dugdale, que ainda não tem uma sinopse oficial e ainda não se sabe muito bem do que se trata; será também um dos protagonistas de ‘Where Are You?’, um drama independente dirigido por Valentina De Amicis e Riccardo Spinotti, sobre um fotógrafo que vê que a sua visão artística começar e descarga a sua frustração na namorada. Vamos lá, apesar de já ter 83 anos Hopkins, não para.

Lê Também:
Denzel Washington é a estrela de The Tragedy of Macbeth

Oscares

Daniel Kaluuya

O ator britânico tem dois projetos em andamento. Por um lado, The Upper World, um blockbuster de ficção científica para Netflix onde dará vida a Esso, um homem que corre grande perigo, após descobrir que tem acesso a um mundo que lhe permite ver o passado e o futuro. Por outro lado, Kaluuya voltará a colaborar com Jordan Peele (depois de ‘Foge’), num filme de terror cujo enredo permanece ainda em segredo. A actriz Keke Palmer e Steven Yeun, que foi nomeado para o Oscar de Melhor Actor deste ano, pelo seu trabalho em ‘Minari, também participarão.

Óscares 2021 nomeados
Frances McDormand em “Nomadland – Sobreviver na América” © Searchlight Pictures

Frances McDormand

O próximo filme que veremos com McDormand é ‘The French Dispatch’, o novo filme de Wes Anderson que deveria ter sido lançado no ano passado e que tem estreia (ansiosamente) prevista para o Festival de Cannes 2021, que se tudo correr bem se realizará de 6 a 17 de julho próximos. Além disso, em 2021 McDormand também estreará ‘The Tragedy of Macbeth, onde interpretará Lady Macbeth com Denzel Washington na pele de Macbeth. Atenção, que o marido Joel Coen está por trás das câmeras. O próximo a filmar será Women Talking, o novo trabalho de bastidores de Sarah Polley adaptando o romance de Miriam Toews. Curiosamente, foi a própria McDormand quem adquiriu os direitos do romance, pondo ela mesma o projeto em andamento, ou seja com o produtora executiva, à semelhança do que aconteceu com ‘Nomadland-Sobreviver na América’.

Lê Também:
Denzel Washington é a estrela de The Tragedy of Macbeth

Oscares

Youn Yuh-jung

Para a semana já podemos ver nas nossas salas de cinema a peculiar avó de ‘Minari’. Entretanto também espera-se que venha a estrear em Portugal, pelo menos no circuito de salas independentes ‘Heaven: To the Land of Happiness’, do cineasta coreano Sang-soo Im, que estava selecionado para o Festival de Cannes 2020. Trata-se de um drama sobre um homem com uma doença incurável e sem dinheiro para pagar o tratamento de que precisa, com urgência; aguarda-se também a sua participação em Beasts Clawing at Straws’, um thriller sobre um grupo de deserdados, cujas vidas se cruzam à medida que todos se ‘desintegram’, tornando-se tudo ainda mais complicado, quando um cadáver aparece misteriosamente no meio deles. Além disso, a veterana atriz v — completará 74 anos a 19 de junho — também participa em ‘Pachinko, uma nova série da Apple TV +, que retrata a vida de uma família de imigrantes coreanos, ao longo de quatro gerações.

JVM

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *