©MONSTRA

A Concierge, Crítica | Depois de animar o Rapaz e a Garça (vencedor do Óscar deste ano), Yoshimi Itazu chega à MONSTRA ’24

“A Concierge”, uma das longas em competição na MONSTRA 2024, é um trabalho oriundo do Japão e assinado por Yoshimi Itazu, experiente animador com uma carreira ainda curta no campo da realização. Que nos traz esta invulgar história sobre a vida na hospitalidade? 

Numa sala Manoel de Oliveira bem composta para quinta-feira à noite, e no dia 14 de março, exibiu-se a 4.ª longa-metragem em competição na 23.ª edição do Festival de Animação de Lisboa. Aventura familiar bem humorada com breves toques de reflexão política e ambientalista, “A Concierge”, “The Concierge at Hokkyoku Department Store” ou, no original japonês, “Hokkyoku Hyakkaten no Concierge San” foi aqui visto maioritariamente por adultos apesar do seu pendor juvenil e familiar. Não obstante, os risos sonoros fizeram-se ouvir pela sala.

Lê Também:   Robot Dreams (Pablo Berger), a Crítica | Nomeado aos Óscares 2024, brilha agora na MONSTRA

O filme de Yoshimi Itazu acompanha o ponto de vista de Akino, uma jovem que começa a trabalhar como estagiária num local com o qual sempre sonhou: o “Hokkyoku Department Store”. Este grande armazém comercial de luxo (um pouco à semelhança do icónico Harrods, entre outros do género) é para lá de pouco usual, pois a sua clientela é exclusivamente animal. Perante o olhar para lá de atento do gerente e das concierges mais experientes, Akino tenta aprender a lidar com os pedidos dos visitantes da loja. O essencial? Servir de forma plena, antecipando as necessidades de quem visita o surreal e quase utópico Hokkyoku Department Store.

Hokkyoku Department Store MONSTRA
©MONSTRA

Inicialmente, “A Concierge” parece ser uma ode ao setor terciário e à hospitalidade. Um serviço meticuloso e perto do ritualístico é aqui enaltecido, e a personagem de Akino quase nos faz lembrar a invulgar protagonista da obra literária japonesa “Convenience Store Woman” de Sayaka Murata; uma figura feminina que existe para prestar um serviço de forma eficaz e que retira satisfação a partir da pertença ao conjunto. Todavia, rapidamente compreendemos que são as narrativas pessoais que se fazem valer nesta grande loja e que a componente humana terá um peso significativo na jornada de Akino – que deverá saber ouvir, reagir e empatizar para assim contribuir para a felicidade dos animais com quem contacta.


Em pouco tempo chegamos também ao âmago desta pequena obra com apenas 70 minutos de duração (ligeiramente acima da duração regulamentada para uma longa): a conservação animal e ecológica. Os exigentes clientes são “V.I.A” (Animais Muito Importantes). O que os une? A pertença à lista de espécies extintas ou em vias de extinção. A loja não é senão um oásis onde os animais maltratados e extintos pela ganância humana têm a hipótese de ser servidos e apaparicados por estes mesmos humanos.

The Concierge
Um mamute artista enlutado é um dos protagonistas mais belos e trágicos da obra |©MONSTRA

“A Concierge”, em toda a sua leveza, colorida beleza e natureza humorística, assume-se como um ato de expiação de pecados. Onde o capitalismo é combatido com capitalismo. A sua premissa parece funcionar como uma contradição de termos: estes animais foram perseguidos pelas suas belas pelagens e levados à extinção com o fim de alimentar com roupas luxuosas lojas semelhantes a esta. Todavia, um espaço destes serve-lhes agora de porto seguro. Não seria um habitat natural um melhor refúgio? E qual é a vida que estes animais têm fora da Hokkyoku Department Store. Como é que lhes é possível sobreviver?

Competição Longas 4 - A Concierge
Cores, tecidos e uma deslumbrante representação dos vícios do consumo neste “A Concierge” | ©MONSTRA

Os protagonistas animais desta história têm ocupações: são pintores, advogados, atores e estudantes. Mas como conseguem conciliar o seu estatuto de animais em vias de extinção (ou extintos) com esta vivência quotidiana junto de humanos? Enfim, “A Concierge” apresenta um enredo fácil de desmontar e muito cingido ao microcosmos da loja, mas assim aceitamos esta bela mensagem de conservação animal para lá das imperfeições da concretização.

Lê Também:   O Rapaz e a Garça, a Crítica: Miyazaki continua a brindar-nos com o seu profundo humanismo

Acima de tudo, “Hokkyoku Hyakkaten no Concierge San”, uma simpática fantasia para toda a família, distingue-se através da sua apresentação visual. Não fosse este um filme japonês, o traço da animação tradicional é deslumbrante. Esta beleza faz-se sentir essencialmente através das marcantes artes de fundos. O background design é um elemento distintivo, e não poderia deixar de o ser, quando o realizador Yoshimi Itazu já foi animador em obras essenciais como “Paprika” de Satoshi Kon; ou “As Asas do Vento” e “O Rapaz e a Garça” de Hayao Miyazaki. A sua escola fala por si.

Por todas as suas imperfeições, que serão tão óbvias para o espectador adulto, a mensagem focada na conservação animal e no respeito para com o próximo torna “A Concierge” um recomendável filme familiar.

TRAILER | A CONCIERGE EXIBIU EM PORTUGAL NA 23.ª MONSTRA

Entre 7 e 17 de março, a MONSTRA regressou à capital com a 23.ª edição do Festival de Animação de Lisboa. Este “A Concierge”, vindo do Japão, insere-se na sua Competição de Longas.

A Concierge, a Crítica
a concierge oshimi Itazu

Movie title: A Concierge

Movie description: É o primeiro dia de Akino no trabalho como estagiária de concierge no "Hokkyoku Department Store" - uma loja incomum que atende exclusivamente a animais. Sob o olhar atento do gerente de piso e dos concierges mais experientes, Akino é testada por clientes com inúmeras necessidades e problemas em sua busca para se tornar uma concierge de pleno direito. Isso é especialmente verdadeiro para os exigentes "V.I.A" (Animais Muito Importantes), que estão na lista de espécies em extinção. Uma coruja risonha que quer agradar à sua amada esposa. Um vison marinho à procura de um presente especial para o seu pai. Um lobo japonês que não tem confiança para propor à sua amada... Akino corre para atender aos desejos dos seus clientes que vêm ao "Hokkyoku Department Store" por si mesmos, pelos que amam e por muitas outras razões.

Date published: 17 de March de 2024

Country: Japão

Duration: 70'

Author: Satomi Oshima

Director(s): Yoshimi Itazu

Actor(s): Natsumi Kawaida, Takeo Otsuka, Nobuo Tobita

Genre: Animação, Fantasia

[ More ]

  • Maggie Silva - 65
65

CONCLUSÃO

“A Concierge” é uma obra inócua que, apesar de se distinguir através de uma animação apelativa, nunca chega a construir um mundo completamente coeso para as suas nobres personagens centrais. Apesar disso, conseguirá partilhar a sua agridoce e importante moral com o público mais jovem.

Pros

  • O intuito ecologista e defensor da vida animal;
  • O pendor emotivo das pequenas narrativas que se vão traçando para os animais que visitam a loja;
  • As belíssimas artes, principalmente quando falamos dos fundos.

Cons

  • A falta de coesão do enredo, que cria na loja onde a nossa concierge trabalha um refúgio para animais em vias de extinção sem nunca nos dizer como é a sua vida no mundo real: só existem no vazio do armazém de compras?;
  • Os estranhos jogos dos gerentes da loja, à medida que tentam decidir se Akino merece ou não ser concierge. Para quem, enquanto adulto, já sentiu alguma toxicidade no ambiente laboral, não se sentirá tão tranquilo quanto isso perante a excessiva sucessão de comportamentos controladores;
  • O estilo sobrepõe-se à substância.
Sending
User Review
0 (0 votes)

Leave a Reply