"Carne de Deus" abriu o TerrorAnim em 2024 ©Ojo Raro

MONSTRA ‘ 24 | Terroranim, a Crítica: O terror chega ao Festival de Animação de Lisboa com curtas premiadas

A 11 de março, segunda-feira, a secção TerrorAnim chegou ao Cinema São Jorge e à 23.ª edição da MONSTRA – Festival de Animação de Lisboa e assim inaugurou as secções temáticas imperdíveis. Do terror ao cinema erótico, do documentário ao experimental, na MONSTRA o que não falta são abordagens distintas ao cinema de Animação. Este “TerrorAnim” continua a percorrer esse importante percurso em 2024. 

O cinema de animação corre por vezes o risco de ser menosprezado pelo grande público, intitulado com tom condescendente “desenhos animados” e relegado para a qualidade de supérfluo, menor ou apenas adequado para a população mais jovem. A MONSTRA, um dos festivais essenciais do tecido cultural lisboeta, tem passado todo este século XXI a desmistificar tal conceito. Mostra-nos através das suas retrospectivas a arte fundadora deste género e todos os anos apresenta vastas competições de longas e curtas à escala nacional e internacional.

MONSTRA'24 Cartaz
A MONSTRA de 2024 © Monstra

Este trabalho de afirmação e valorização do formato da animação faz-se também através das secções temáticas, que provam como a animação é um veículo excelente para contar inúmeras histórias díspares. Com o “TerrorAnim” na MONSTRA 2024, descobrirmos inequivocamente que animação e terror formam um casamento perfeito. Os nossos piores receios, o folklore e lendas de povos distantes, o grotesco e o misterioso, todos estes elementos encaixam na perfeição no género animado como as seis curtas exibidas deixaram antever. Aqui ficam as nossas breves impressões sobre as obras exibidas nesta sessão!


CARNE DE DEUS (PATRICIO PLAZA, ARGENTINA/MÉXICO, 2022, 21′)

Carne De Deus MONSTRA terroranim
©Ojo Raro/ MONSTRA

Entre as montanhas num lugar do México durante os tempos coloniais, um padre espanhol que foi vítima de uma estranha doença é levado pelo seu discípulo nativo até à cabana de uma velha xamã indígena. A curandeira tentará curar o padre, realizando um antigo ritual que terá efeitos inesperados na mente e no corpo do evangelizador.

A sessão de 2024 do TerrorAnim abriu, na 23.ª MONSTRA, com a mais longa curta-metragem entre a seleção apresentada. Ao longo de 20 minutos, “Carne de Deus”, de Patricio Plaza, consegue deixar uma forte impressão e assumir-se como um filme altamente atmosférico e desconfortável. Com a palpabilidade dos mitos mais ancestrais, a narrativa de “Carne de Deus” é honrada através da qualidade da própria animação.

Lê Também:   "O cinema de animação português é dos mais conceituados do mundo": Entrevista a Fernando Galrito, diretor artístico do festival MONSTRA

O realizador, argumentista e co-produtor Patricio Plaza, que astutamente se apresenta no seu Instagram como alguém encarregue da “Bruxaria do Movimento”, é um animador de renome que inclusive participou, em 2023, no nomeado ao Óscar “Homem-Aranha: Através do Aranhaverso”.

Entre outras distinções, “Carne de Dios” foi indicado na categoria de Melhor Curta Metragem nos afamados Prémios Annecy em 2023. Não é para menos: para lá do mistério que consegue suscitar ad aeternum, o pequeno filme deixa-nos com uma profunda sensação de desconforto, curiosidade e excitabilidade. Depois de uma jornada bem longa (e merecida) por diversos festivais, “Carne de Deus” chegou a Portugal e à MONSTRA neste TerrorAnim.

Sem expectativas, mas com muitas questões levantadas, a curta leva-nos por uma viagem alucinogénica única, onde o real, o folklore e o religioso se confundem de forma irremediável. Numa co-produção entre Argentina, México e Colômbia, Plaza apresenta-nos um filme que descreveu como “terror político” e como um “filme queer da América do Sul”. A obra honra culturas locais, recusa tabus e simultaneamente bebe de textos históricos que remontam à evangelização no México. Bravo!

Classificação: 85/100


O RAPAZ E O CORVO (TUDOR OM, ROMÉNIA, 2023, 3′)

O rapaz e o corvo MONSTRA 2024
©Tudor Om / Om Studio

O corvo engole o sangue do rapaz do seu bico. Agora, o rapaz tem apenas uma escolha: correr ou manter-se firme e enfrentar os seus medos.

À curta mais extensa seguiu-se a curta mais breve deste TerrorAnim em 2024. Tudor Om, que realizou, produziu, escreveu, musicou, animou e até distribuiu este seu pequeno filme, apresentou a sua obra em sala sugerindo que a mesma reflete as três reações que podemos ter perante o medo: Lutar, fugir ou congelar. O protagonista é colocado frente a frente com um obstáculo intransponível e os eventos falam por si.

Não há muito a dizer sobre “The Boy and the Crow”. A curta é visualmente coesa e interessante, mas não pujante o suficiente para justificar uma duração tão curta. Como aliás, a sessão “Curtíssimas” do Festival de Animação de Lisboa já nos ensinou, um filme muito curto precisa de conseguir fazer passar uma mensagem possante em tão pouco tempo quanto um minuto. “O Rapaz e o Corvo” é agradável, mas incompleto e carente de continuação. Todavia, o website oficial do realizador afirma que este pequeno trabalho está em desenvolvimento desde 2008 e reconhecemos-lhe o conceito bem formado. Apenas gostaríamos de ter visto mais…

Classificação: 65/100


ESTRADA DE FERRO VERMELHA: NO CALOR (SAM CHOU, CANADÁ, 2023, 17′)

Quando um homem magoado e espancado, alegando ser o Pai Natal, é detido pelo homicídio de uma criança, os agentes interrogadores descobrem uma história mais bizarra e horrífica do que o esperado. A dupla premiada, Sam Chou e Ellery VanDooyeweert, unem-se novamente para mais um thriller animado, explorando desta vez as origens turbulentas do velho Pai Natal. O filme é uma adaptação de um conto de 2008 “Rainha do Terror Russo”, de Anna Starobinets.

Ao contrário do que acontece na maioria dos filmes exibidos nesta sessão específica da MONSTRA e do seu TerrorAnim, pautados por um carácter obscuro e místico, atravessados por lendas e folklore ancestrais, “Estrada de Ferro Vermelha: No Calor” é uma pequena história profundamente narrativa, muito palavrosa e que apesar de produzida no Canadá se faz sentir muito “americanizada”.

Lê Também:   Mataram o Pianista, a Crítica | A bossa nova e a beleza contra a barbárie!

Na linha das histórias criminais e de detetives que povoam em demasia o universo da ficção, “In the Heat” ou “No Calor”, é na realidade um episódio isolado integrado numa série televisiva. E apesar de criaturas monstruosas e lendas também estarem presentes nesta narrativa invulgar sobre um homem vestido de Pai Natal que comete um crime reprovável, sentimos que este capítulo da antologia de terror “”Estrada de Ferro Vermelha” parece sempre demasiado ancorado na mundanidade para criar uma proposta interessante. Não ajudam também as piadas gordofóbicas e envoltas em preconceito contra a idade que aqui servem de punchline. Pouco ajuda o tom invulgar, onde a comédia negra que se procura criar é na realidade tosca e nunca verdadeiramente satisfatória. Só as ligeiras reviravoltas tornam “No Calor” algo divertido, mas ainda assim permanece oco.

Classificação: 55/100


CURACANGA (MATEUS DI MAMBRO, BRASIL, 2023, 18′)

MONSTRA terroanim curacanga
©MONSTRA

Alguém falou em falta de misticismo e de abstração em relação a “In the Heat?”. Pois a curta brasileira “Curacanga” vem curar-nos de tal malapata com o seu conto para lá de intenso acerca de um jovem que procura encontrar uma criatura mítica que matou a irmã mais nova da sua amada. Tudo para que a alegria da sua prometida possa ser restabelecida. Mas a que custo?

“Curacanga” é bastante tenebroso, no melhor dos sentidos, e é possivelmente a curta com o mais belo e impressionante estilo de animação entre as seis exibidas nesta sessão da MONSTRA. De acordo com a animada Alena Barros, “O filme apresenta a riqueza das lendas nordestinas com uma abordagem contemporânea, através da linguagem onírica da animação”. E se para a população brasileira a Curacanga é uma figura mitológica familiar e que faz parte de um imaginário coletivo, o trabalho realizado nesta curta garante que o mito chega além fronteiras. Destaque ainda para o trabalho de som por Napoleão Cunha e da música de Celo Costa, que em muito contribuem para a criação de uma densa existência fílmica. E claro está, não podemos esquecer ainda o argumento de Jean Lima que, com uma veia poética notável, tornou a obra agridoce e trágica.

Com um final bastante aberto e uma carga emocional forte, “Curacanga” cumpre os seus propósitos de forma notável e expõe um universo rico com muitos caminhos por onde prosseguir.Obrigada à MONSTRA –  Festival de Animação de Lisboa pela seleção!

Classificação: 85/100


DE IMPERIO (ALESSANDRO NOVELLI, PORTUGAL/ ESPANHA, 2023, 13′)

De Imperio Premiado no MOTELX
©Motelx

Durante uma noite tranquila, um grupo de fugitivos tenta encontrar o caminho para o centro do edifício, onde toda a resistência se está a juntar. Evitando a vigilância, eles passam pelas salas dos Gigantes e testemunham as suas rotinas macabras.

Ao contrário da maioria dos filmes aqui selecionados “De Imperio”, escrito e realizado por Alessandro Novelli e com distribuição por AGENCIA – Portuguese Short Film Agency, não é um estranho no circuito de festivais de cinema nacionais. Premiado no MOTELX, onde em 2023 foi distinguido como Melhor Curta de Terror Portuguesa, “De Imperio” é um filme onde a abstração reina mas onde simultaneamente conseguimos detetar uma astuta análise das predatórias dinâmicas humanas, aqui expressas através de diversos objectos inanimados que ganham vida. Geometricamente disposto e rico em metafísica, “De Imperio” é hipnótico, não obstante se o estamos a ver pela primeira ou pela quinta vez.

Lê Também:   MOTELx'23 | De Imperio e Superposition entre os filmes premiados

O seu poder e a sua brutalidade nunca se vêm diminuídas, à medida que os 13 minutos de duração nos encaminham para um claro crescendo e para uma resolução que, nunca sendo linear e única, nunca poderá ver negada a sua força. Inicialmente selecionada em Locarno, premiada em 2023 no MOTELx, eis que em 2024 “De Imperio” continuou a conquistar público na MONSTRA.

Classificação: 75/100


CARANGUEJO (PIOTR CHMIELEWSKI, POLÓNIA/FRANÇA. 2022, 8′)

Crab no motelx e depois na monstra
©MONSTRA

Esta secção TerrorAnim na MONSTRA, bastante eclética na sua escolha de obras, encerra com o curto, simpático e ligeiramente apatetado “Caranguejo”. Numa nota mais leve, esta é uma história inventiva que recorre a algumas das convenções do terror para expressar um ponto de vista invulgar: o de um caranguejo que tenta, a todo o custo, fugir de uma panela e de uma morte certa. Em seu redor, é confrontado com a luta pela sobrevivência protagonizada por marisco e peixe.

Sem ser uma obra única ou com uma premissa nunca antes vista, “Caranguejo” consegue transmitir empatia e envolver o espectador em menos de 10 minutos. Também “Caranguejo” havia já sido exibida no MOTELx em 2023, mas desta vez na secção “Lobo Mau“, reservada ao público mais jovem. O seu estilo de animação contribui também para o seu charme natural, onde o tosco e o terror dos protagonistas criam uma dinâmica invulgar e apelativa.

Classificação: 75/100

A MONSTRA decorre até ao dia 17 de março. Continuaremos, assim, a acompanhar o Festival de Animação de Lisboa que acontece no Cinema São Jorge, Cinema City de Alvalade,  ou na Cinemateca Portuguesa, entre outros espaços da cidade. 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *