Dark | © Netflix

Dark, segunda temporada em análise

Entre ciclos, paradoxos, linhas temporais e árvores genealógicas, “Dark”, o labirinto alemão da Netflix, consolidou-se e é até ver a melhor série de 2019.

Segundo Albert Einstein a diferença entre passado, presente e futuro é apenas uma persistente ilusão. Segundo Jantje Friese e Baran bo Odar, os autores de “Dark”, o livre arbítrio é também uma ilusão e tudo é explicado por relações de causalidade. Se as regras do nosso mundo obedecerem ao determinismo filosófico da série alemã da Netflix, acredito que esta crítica estava pré-determinada vir a acontecer, e que algumas palavras ou ideias aqui escritas têm como missão fazer crescer, em modesta escala, o número de pessoas interessadas em ver ou rever “Dark”. Acreditem, a série merece a máxima audiência possível; e é garantia de tempo bem empregue para qualquer colecionador de séries. Não deixem “Dark” para ontem ou para amanhã, vejam agora.

Aviso que abaixo poderão encontrar SPOILERS, relativos às duas temporadas.

Dark
Dark © Netflix

Em dezembro de 2017, a Netflix disponibilizou entre os seus conteúdos uma série sobrenatural germânica, passada na pequena comunidade de Winden, que tinha como premissa para o seu carácter misterioso o desaparecimento de crianças. Intimidante e intrigante embora exigente dada a quantidade de personagens (famílias Kahnwald, Nielsen, Doppler e Tiedemann) e a alternância temporal não-linear (1953, 1986 e 2019, intervalos de 33 anos) “Dark” não demorou a conquistar o grande público, cruzando narrativas e equilibrando o lado mundano e universal de qualquer história – comportamento humano e conexão entre personagens – com os seus segredos e a sua componente sci-fi, deixando filosofia, religião e física de mãos dadas.

Lê Também:
Years and Years, primeira temporada em análise

De uma forma muito abreviada, e assumindo a perspetiva do protagonista, Jonas descobre na 1ª temporada que o seu pai Michael, que se suicidou e deixou uma carta, é na verdade também Mikkel, filho do inspetor Ulrich e irmão de Martha, por quem Jonas está apaixonado. Jonas viaja ao passado mas termina a série no futuro, Mikkel é visto pela última vez numa gruta em 2019 indo parar a 1986 onde se vem a tornar o pai de Jonas, e no meio de tantas analepses e prolepses descobrimos ainda que uma estranha e misteriosa figura é na verdade a versão adulta de Jonas, chegando este a revelar a sua identidade ao seu eu mais jovem.

Entre crianças mortas com queimaduras nos olhos e tímpanos furados, animais caídos, centrais nucleares, triquetras, tábuas de Esmeralda tatuadas, adultério, chocolates Raider, pontes de Einstein-Rosen ou buracos de minhoca, máquinas do tempo construídas por relojoeiros e a inscrição latina Sic Mundus Creatus Est, conhecemos o sinistro padre Noah, percebemos que Claudia Tiedemann estaria em conflito com este, e vimos o desesperado mas um passo à frente de muitos outros, Ulrich Nielsen, viajar até 1953, onde falharia a tentativa de matar Helge, algo que no seu entender permitiria reescrever as histórias do seu irmão Mads e do seu filho Mikkel.

Dark
Dark © Netflix

“Dark” é um puzzle, um déjà vu, uma boa dor de cabeça e uma razão para estarmos gratos pela existência do botão pausa nos nossos comandos. No final da 1ª temporada, ou primeiro ciclo, podíamos descrevê-la como a série em que um rapaz (Jonas) de blusão amarelo descobre que beijou a tia (Martha), que é filha de um homem (Ulrich) que procura o seu filho (Mikkel/ Michael), filho esse que é o pai do rapaz. E esse homem trai a mulher (Katharina) com a mãe (Hannah) do rapaz, casada portanto com o filho do homem.

Lê Também:
When They See Us, primeira temporada em análise

Mantendo o seu casting surreal – os atores são tão bem escolhidos que chegamos a pensar que a versão envelhecida de uma personagem é o ator “anterior” caracterizado –, a 2ª temporada de “Dark” viaja entre mais anos (1921, 1954, 1987, 2019, 2020 e 2053) e arrebata os espectadores com novas descobertas fruto do paradoxo de Bootsrap ou paradoxo ontológico, que defende que os objetos podem existir sem terem sido criados e estabelece juntamente com a doutrina do eterno retorno de Nietzche as regras essenciais das viagens no tempo da série.

Ao longo de 8 episódios com um relógio interno definido (27 de junho de 2020, apocalipse), os autores assumem o conflito entre dois lados – Adam vs. Diabo Branco -, dedicam desta vez mais tempo a Noah, Egon e Claudia Tiedemann como tinham feito na temporada anterior com Ulrich (haverá personagens mais trágicas do que ele e Mikkel?) e Charlotte, e movem as peças no seu tabuleiro labiríntico com a confiança e atenção ao detalhe de quem pensou em tudo à priori muitíssimo bem. É excelente ver uma série que sabe gerir os momentos das revelações feitas às personagens e aos espectadores, e que continua a levantar questões mas vai fornecendo respostas, permitindo reinterpretar pormenores da 1ª temporada que agora se tornam geniais: por exemplo, a marca no pescoço do Estranho, quem conduz Mikkel até à gruta, levando-o a viajar até 1986, ou uma piada de Ulrich em relação a um apocalipse iminente.

Dark
Dark © Netflix

À medida que sabemos mais e mais o complexo novelo de “Dark” transforma-se aos poucos num círculo e numa prisão temporal que teima em interessar-se não pelo onde nem pelo como mas sim pelo quando. E num ano em que um franchise recordista explorou o conceito de viagem no tempo, executando-o de forma emotiva mas bastante duvidosa, Friese e bo Odar, a argumentista alemã e o realizador suíço que são um casal e se conheceram a estudar cinema, mostram que é possível trabalhar uma narrativa ambiciosa com viagens no tempo, mantendo a obra coesa e lógica (“Primer”, de 2004, talvez seja o exemplo mais próximo).

Além do trabalho equilibrado de todo o elenco, deve-se destacar também a banda sonora de Ben Frost, que atinge nesta temporada o seu apogeu quando Jonas abandona Martha junto ao lago, e a montagem, aspeto em que não será exagero considerar “Dark” a melhor série da atualidade. Do episódio 4 até ao 8 o nível mantém-se muito alto sendo o sexto “An Endless Cycle” porventura o melhor capítulo da temporada ao transformar uma intenção de reescrever o passado no contributo decisivo e consciente para acontecimentos capitais que já víramos. E se Mikkel ser Michael fora o principal momento alucinogénico da temporada 1, o que dizer agora da relação entre Charlotte e Elisabeth?

Dark
Dark © Netflix

Até há alguns dias, “Chernobyl”, “Fleabag” e “When They See Us” compunham o meu pódio de melhores séries de 2019 mas neste momento não tenho qualquer hesitação em entregar a “Dark” a coroa na lista de melhores do ano. E, decorrido meio ano e salvo agradáveis surpresas, só vejo “Mr. Robot” com capacidade para vir a destronar o tesouro alemão da Netflix. Por falar em Netflix, embora haja “BoJack Horseman”, “The Crown”, “Master of None” e “Stranger Things” se calhar começa a fazer sentido ponderar “Dark” como a melhor série original Netflix…

Friese e bo Odar já revelaram ser mais confuso acompanhar a localização temporal de objetos (por exemplo, que versão da máquina do tempo está em cena) do que das personagens. Garantiram que nem sempre a sua escrita equivale a uma casa que é construída tijolo após tijolo, decidindo por vezes de antemão que há uma casa enterrada e que removendo a areia chegarão até ela. E embora saibam que cada temporada é escrita na partitura de um grande número musical, gerindo o ritmo até ao clímax, não deixam de considerar cada episódio uma espécie de jazz, sem refrão e sem versos, porque viajar no tempo pede uma linguagem diferente.

Lê Também:
Dark | Guia para a Segunda Temporada

Pessoalmente, embora considere ótimo e ideal o espectador poder escolher hoje em muitos casos como e quando consome as suas séries, “Dark” é uma das poucas séries que merecia ter os seus episódios emitidos semanalmente. Chamem-me conservador mas para mim as grandes séries, sobretudo aquelas que inspiram teorias e puxam mais pela imaginação, ganham ao deixar-nos respirar, discutir e sonhar um episódio de cada vez. E, convenhamos, nos termos atuais ninguém são tem autocontrolo suficiente para saborear “Dark” num modo que não seja o bingewatch.

Até ao próximo ciclo, muitas são as perguntas que vão fervilhar na mente dos fãs. O homem que o jovem Noah matou era Bartosz em adulto? Quem é a rapariga que libertou Jonas em 2053? Quem era a figura escura com uma cabeça gigante que Jana Nielsen viu na floresta? Como ficou Adam com a sua aparência? O que aconteceu nos anos seguintes àqueles que se esconderam no bunker durante o apocalipse de 2020? A que ano foram levados Magnus, Franziska e Bartosz pela versão adulta de Jonas? Porque é que o calendário que Jonas viu em sua casa no futuro não tinha o dia 21 assinalado? Será que algum casal conhecido (Magnus & Franziska ou Jonas & Martha) são os pais de Agnes e Noah? De que forma é que Hannah vai baralhar tudo em 1954? Boris Niewald, o verdadeiro nome de Aleksander, tem esse apelido porque Hannah em 1954 cria uma nova identidade para si fundindo os apelidos Nielsen e Kahnwald? Quem levou Charlotte, entregando-a ao cuidado do relojoeiro?

Dark
Dark © Netflix

Estas, entre tantas outras interrogações, vão inspirar teorias durante os próximos meses. Além de tudo isto, importa acrescentar duas informações de peso, sem esquecer o eterno gag do olho direito de Wöller e o alívio que sinto por não ter chegado a assistir àquele sonho/ memória recorrente de Jonas e Martha pela perspetiva de Adam. 1) Será que Adam é mesmo Jonas? Por um lado é invulgar mas muito interessante o conflito que a série provoca no espectador ao fazer com que protagonista e antagonista sejam a mesma personagem – nesta fase não é claro por que “lado” devemos torcer e depois de assistirmos às redenções de Noah e Egon Tiedemann apenas podemos ter a certeza sobre o lado vilanesco da egoísta Hannah – mas de facto Jonas pode também estar a ser manipulado e estar outra pessoa debaixo daquela cara de hambúrguer. 2) Depois, a revelação nos instantes finais da temporada faz com que a teia passe de um círculo paradoxal para uma temível mas entusiasmante esfera de universos e realidades. Complicar o complicado é arriscado mas Jantje Friese e Baran bo Odar deixam-me confortável, tranquilo e com as minhas expectativas entregues a boas mãos por parecerem ter tudo bem definido desde o começo, não querendo esticar a série além de 3 temporadas e demonstrando ter sempre no bolso as chaves para sair deste labirinto. E pode até acontecer a próxima temporada terminar como começou a primeira, porque como “Dark” insiste em dizer-nos o começo é o fim e o fim é o começo.

Embora entre as temporadas 1 e 2 tenha havido um intervalo de ano e meio, a produção da 3ª e última temporada da série já arrancou e faria um certo sentido a sua estreia acontecer a 27 de junho de 2020, o dia do apocalipse. Infelizmente, não podemos viajar no tempo até lá – mas talvez seja por isso que “Dark” nos preenche tanto, porque hoje poucos são aqueles que vivem no presente. Temos saudades do passado e estamos ansiosos pelo futuro.

TRAILER | “DARK”

Já viste a segunda temporada de “Dark”? Que perguntas e teorias tens rumo ao terceiro e último ciclo?

Dark, em análise
Dark

Name: Dark - Temporada 2

Description: Enquanto Jonas está preso no futuro, as famílias Nielsen, Doppler, Kahnwald e Tiedemann reagem a novas descobertas e preparam-se para o apocalipse.

  • Miguel Pontares - 90
  • Inês Serra - 90
  • Filipa Machado - 90
  • Maria João Sá - 80
88

CONCLUSÃO

O MELHOR – “Dark” é um labirinto, um déjà vu e a melhor dor de cabeça possível. É um círculo paradoxal pensado ao detalhe por quem parece ter as chaves para todas as portas que cria. O casting mantém-se surreal, a banda sonora épica e em termos de montagem não há melhor no atual panorama televisivo.

O PIOR – Por ser uma grande série que inspira teorias e puxa pela imaginação, talvez merecesse ter os seus episódios emitidos semanalmente, deixando o espectador respirar, discutir e sonhar um episódio de cada vez. Nos termos atuais, ninguém são tem autocontrolo suficiente para saborear este puzzle num modo que não seja o bingewatch.

Sending
User Review
5 (2 votes)
Comments Rating 5 (1 review)

Miguel Pontares

Licenciado em Comunicação Empresarial, estudou ainda Escrita de Argumento para Cinema e Televisão. É um dos autores do blog Barba Por Fazer.

One thought on “Dark, segunda temporada em análise

  • E vai mesmo estrear dia 27/06/2020!

    E vai mesmo estrear dia 27/06/2020!

    Did you find this review helpful? Yes No

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending