"A Criança Zombie" de Bertrand Bonello (2010) |©LEFFEST

LEFFEST ’19 | A Criança Zombie, em análise

Do realizador francês Bertrand Bonello, chega-nos “Zombi Child“, ou em português “A Criança Zombie”. Este filme estreado na Quinzena dos Realizadores, em Cannes, no presente ano, passou ainda por Toronto antes de chegar a Lisboa para competir na 13ª edição do LEFFEST. Uma obra de fantasia que passamos a escrutinar. 

Situada no Haiti em 1962, “A Criança Zombie” é uma história de terror contemporânea que procura manipular de forma inventiva noções relacionadas com racismo e colonialismo. Este filme acompanha a vida de uma adolescente com ascendência haitiana. O filme foi apresentado anteontem com a presença do realizador, em Lisboa, e voltou a repetir ontem, em Sintra. Poderá ainda ser um dos vencedores desta edição.

A acção começa no passado, quando um homem regressa dos mortos para trabalhar no mundo das plantações de cana de açúcar. 55 Anos mais tarde, uma jovem conta o seu segredo de família aos amigos, sem suspeitar quais serão as ramificações dos seus actos. É esta uma história de terror fantasiosa repleta de contexto histórico, cultural e social, nomeadamente tocando no tema complexo do colonialismo francês no Haiti.

Lê Também:
LEFFEST 2019 | Principais destaques da programação

Zombi Cild
“A Criança Zombie” (2019) | ©LEFFEST

“A Criança Zombie” é um filme sobre heranças, acima de tudo sobre uma forte herança cultural. Apesar de ser um filme que se desenvolve a partir de diversas temporalidades, e pontos de vista múltiplos, é a história de Mélissa que acaba por ter um impacto mais significativo na narrativa. Esta é uma criança, ou antes, uma adolescente, que cresceu em França, mas cujas raízes se encontram no Haiti, uma antiga colónia francesa. Este é um filme sobre o trauma recorrente nestes ambientes coloniais, onde as marcas se estendem por gerações. Mélissa disse adeus ao Haiti há muito, mas carrega consigo o peso de uma cultura oprimida e de muitos anos de submissão à escravatura impingida pelo “homem branco”.

Durante a grande maioria do filme, as alusões ao sobrenatural são esporádicas e isoladas, mas o ambiente tenso é uma constante que se vai intensificando, num claro exercício de crescendo. Até ao momento em que nos começam a ser explicadas as peças do puzzle, e sem adiantar muito, há que dizer que estes zombies são pouco literais e muito mais simbólicos. Tal como o”sunken place”  de “Foge” (2017) simboliza a impotência do povo negro, também estes “zombis” (sem “e”) remetem para esses mesmos valores. Eles perderam a capacidade de falar, e tal como é dito no filme, não têm memória, servindo apenas para…servir. O final do filme oferece-nos um conjunto de “factos” fantasiosos que nos colocam num mundo paralelo, no qual compreendemos o que é, “na realidade”, um processo de zombificação. Pouco tem a ver com terror, muito deve à escravidão e servidão. Por agora, é melhor nada dizer. Ver o filme irá certamente responder a quaisquer questões sobre esta realidade.

A Criança Zombie
©LEFFEST

Pode dizer-se que este filme representa uma espécie diferente de obra sobre o crescimento adolescente. É retratado um grupo de adolescentes com diferentes idiossincrasias, mas que têm em comum uma posição muito confortável na sociedade. Encontramo-nos num colégio privado feminino, onde todas as jovens são filhas de pais condecorados com medalhas de honra. Estamos num ambiente convencional, e um ambiente onde as questões relacionadas com a herança francesa são confrontadas. Por um lado, a Revolução, com “R” capital, é imediatamente associada a França e à sua Revolução. Contudo, o imperialismo lança uma sombra, e o progresso e as liberdades individuais entram em choque. Isto dito no contexto de sala de aula, algo que os professores portugueses nunca reforçaram, diga-se de passagem…

Lê Também:
LEFFEST '16 | Nocturama, em análise

“A Criança Zombie” é um filme que alterna entre o presente em França, e o Haiti de agora e de há 50 anos. Estes dois estão sempre relacionados. Por vezes, a acção torna-se demasiado fragmentada, o que acaba por a prejudicar. São muitos os focos, e os personagens e acções que seguimos. Ainda assim, o ritmo e tom do filme coadunam-se perfeitamente com as suas intenções, e no geral, este filme cumpre o que promete.

O filme estreou em França no verão, e chega aos Estados Unidos em janeiro de 2020. Em Portugal, “A Criança Zombie” não tem ainda previsão de distribuição. Compete no LEFFEST, com os resultados ainda por divulgar. 

A Criança Zombie
A Criança Zombie (2019)

Movie title: A Criança Zombie

Date published: 2019-11-21

Director(s): Bertrand Bonello

Actor(s): Louise Labeque, Wislanda Louimat, Katiana Milfort

Genre: Fantasia, Drama , Terror

  • Maggie Silva - 80
80

CONCLUSÃO

A Criança Zombie serve-se de uma metáfora simples para comunicar através de imagética um trauma muito real e persistente.

O MELHOR: A nova interpretação dada à palavra "zombie".

O PIOR: O andar para trás e para a frente temporal, que apenas retira ritmo à narrativa.

Sending
User Rating 4 (1 vote)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Maggie Silva

Mestre em Ciências da Comunicação na vertente de Cinema e Televisão pela FCSH-UNL. Dependente de cultura pop e cinema indie. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending