20º Queer Lisboa | Premiados e observações finais

Terminou mais uma edição do Queer Lisboa, onde foram exibidos alguns dos mais importantes e criativos filmes de temática LGBT dos últimos anos de cinema internacional.

Ontem, dia 24 de setembro, deu-se por encerrada mais uma edição do Queer Lisboa, aquele que é, com 20 anos, o festival de cinema mais antigo da capital portuguesa. Depois da abertura das festividades se ter iniciado dia 16 com a estreia nacional de Absolutely Fabulous: The Movie e com uma solene homenagem às vítimas do massacre de Orlando, o festival encerrou com uma jubilante cerimónia de prémios e o visionamento de Looking: The Movie, que, como AbFab, é um filme inspirado numa série de televisão com temas LGBT.

 

antes o tempo não acabava queer lisboa
Antes o Tempo Não Acabava

 

O grande vencedor da noite foi Antes o Tempo Não Acabava, uma coprodução brasileira e alemã sobre a crise existencial e identitária de um nativo amazónico que vive no precipício entre a tradição e a modernidade na Manaus dos nossos dias. O filme arrecadou o prémio do júri para Melhor Longa-Metragem de Ficção e Melhor Ator, sendo que na secção de Longas-Metragens Documentais, o filme vencedor foi Irrawady Mon Amour, um retrato idílico de uma comunidade do Mianmar onde os preconceitos institucionalizados dessa nação são ignorados a favor de uma união tolerante, onde um jovem casal de apaixonados se casa para celebração dos seus muitos amigos e vizinhos. Na categoria dos documentários foi também apresentada uma menção honrosa para Coming Out do jovem cineasta norte-americano Alden Peters, em que é documentado o processo de sair do armário do seu realizador, assim como a sua entrada e apresentação à cultura e comunidade LGBT.

Lê Também: ArteKino: Um Festival de Cinema Online Para a Europa

Os júris do festival não se ficaram somente pelas secções principais de longas ficcionais e documentais, sendo que também existem as secções da Competição Queer Art e, é claro, as curtas-metragens. Na competição principal de curtas, 1992 de Anthony Doncque saiu do festival com o prémio do Júri, com Como en Arcadia de Jordi Estrada a arrecadar uma menção honrosa. Na competição In My Shorts, para curtas-metragens feitas no âmbito escolar, foi uma produção portuguesa a grande vencedora. Realizado por Ricardo Vieira Lisboa, Cildren, Maddona and Child, Death and Transfiguration foi o grande vencedor, sendo que mais duas obras, não portuguesas, tiveram ainda a honra de menções especiais do júri. Elas foram Climax de Fulvio Balmer Rebullida e La Tana de Lorenzo Caproni.

 

queer lisboa
Cildren, Maddona and Child, Death and Transfiguration

 

Na competição Queer Arte também se viu um filme lusófono a sair com o prémio máximo, mas nesse caso foi uma produção brasileira, A Paixão de JL de Carlos Nader. Mais próximo de um ensaio traduzido em linguagem cinematográfica avant-garde de que de um documentário convencional, este filme foca-se no artista plástico José Leonilson e na documentação da sua luta contra a SIDA. Também nesta secção, os membros do júri decidiram referenciar uma Menção especial, desta vez ao filme Trilogie de nos vies défaites. Essa longa-metragem experimental de Vincent Dieutre merece o destaque de ter sido estreado mundialmente neste festival português.

 

queer lisboa
Trilogie de nos vies défaites

 

Para além de todas estas honras e galardões, o Queer Lisboa também entrega uma série de outros prémios dados, não por um júri oficial, mas pelo público que tinha a possibilidade de dar uma nota aos filmes, de 1 a 10, a seguir ao seu visionamento. No que diz respeito às longas-metragens de ficção, o filme premiado pelas audiências foi Rara de Pepa San Martín, sendo este o único título a ser premiado tanto pelo público como pelos júris visto que também arrecadou a honra de Melhor Atriz na competição principal para Julia Lübbert.

 

Waiting for B queer lisboa
Waiting for B.

 

No panorama dos documentários, Waiting for B. foi o grande vencedor das graças do público. Este documentário observacional de Abigail Spindel e Paulo César Toledo relata a vida de um grupo de fãs devotos de Beyoncé que acamparam dois meses para serem os primeiros a entrar no concerto da diva no Brasil. Um retrato coletivo que recorda algumas das glórias de filmes tão seminais como Paris is Burning, este filme é um merecedor recetáculo para o prémio escolhido pelas audiências. Dentro das secções de curtas, as audiências escolheram Pink Boy de Erick Rockey.

Lê Ainda: MOTELx ’16 | Grandes vencedores e considerações finais

Fora desta conversa de prémios, menções especiais e honras escolhidas por júris oficiais, o festival teve muitas outras maravilhas, nomeadamente a retrospetiva sobre o trabalho e legado do iconoclasta britânico Derek Jarman. Nessa coleção de longas e curtas-metragens, exibiram-se várias obras do realizador e dos outros cineastas e artistas que foram influenciados por ele, mas o grande highlight foi, sem dúvida a repetida exibição de The Last of England na Cinemateca Portuguesa. Esse filme, onde participa a musa de Jarman Tilda Swinton, é um dos trabalhos mais importantes do cinema britânico nos anos 80, explorando uma sublimação cinematográfica da indignação política e niilista das comunidades e pessoas marginalizadas durante a Grã-Bretanha sob o comando de Margaret Thatcher.

 

the last of england tilda swinton queer lisboa
The Last of England

 

Depois de falarmos nessa glória avant-garde punk dos anos 80, convém também referir como, apesar de ter algumas faltas notórias, a seleção deste ano ofereceu uma magnífica coleção de títulos e abordagens cinematográficas. Para quem acompanhou a cobertura da Magazine HD desta edição do Queer Lisboa, certamente já será óbvio quais os títulos mais apreciados, mas, mesmo assim, deixamos aqui um ranking de todas as longas-metragens visionadas no âmbito desta cobertura, excluindo os filmes antigos que foram apresentados dentro da retrospetiva ou da Secção carte Blanche. Carrega em alguns dos títulos para seres direcionado para as nossas análises dos filmes em questão.

 

RANKING DAS LONGAS-METRAGENS DO QUEER LISBOA ‘16:

  1. Spa Night
  2. Kater
  3. Looking: The Movie
  4. Taekwondo
  5. Waiting for B.
  6. Théo et Hugo dans le même bateau
  7. A Paixão de JL
  8. Irrawady Mon Amour
  9. Barash
  10. Absolutely Fabulous : The Movie
  11. La Belle Saison
  12. Where Horses Go To Die
  13. Strange Love
  14. Antes o Tempo Não Acabava
  15. Grandma
  16. Coming Out
  17. A Seita
  18. AWOL
  19. Goat
  20. Jason and Shirley

 


Fica a esperança que para o ano, o Queer Lisboa consiga superar as glórias desta 20ª edição. Não percas!


 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Cláudio Alves has 1520 posts and counting. See all posts by Cláudio Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *