©Outside the Box

Queer Lisboa ’22 | Ardente·x·s, em análise

Na Competição de Documentários do Queer Lisboa ’22 encontramos “Ardente·x·s”, a primeira longa-metragem realizada pelo suíço Patrick Muroni. A obra reflete acerca da indústria pornográfica a partir de uma perspetiva queer e construtiva, como uma potencial ferramenta de educação sexual e de quebra de barreiras. 

Lê Também:
Queer Lisboa ’22 | Loving Highsmith, em análise

“Ardente·x·s”, estreado mundialmente no aclamado festival Visions du Réel, é um documentário esteticamente cuidado, pautado por uma banda sonora imersiva e que aborda a história de um coletivo feminino oriundo de Lausanne, na Suíça. Trata-se de um grupo de jovens mulheres – embora nem todas se identifiquem como tal, uma temática que o filme não aprofunda, como é sua prerrogativa –  composto por 5 a 6 membros que abraçaram o desafio de produzir filmes pornográficos dissidentes e éticos.

O ângulo narrativo apresentado é muito curioso, uma vez que que a Suíça é um local onde a produção de porno não abunda e onde os esforços deste coletivo feminino rapidamente começaram a dar nas vistas e a atrair atenção mediática. Inclusive, a jornada das nossas protagonistas passa também pela gestão pública da sua imagem e das ideias que, enquanto grupo, pretendem transmitir.

Ardente xs
©Outside the Box

Quanto ao coletivo que acompanhamos, à medida que procura definir a orientação das suas obras, discutindo tanto orçamentos como processos de rodagem, este intitula-se “OIL Productions”. É uma produtora de cinema pornográfico feito apenas por mulheres mas orientado para qualquer público alvo. Com a inclusividade como luz orientadora, a Oil partilha no seu website alguns dos princípios essenciais do seu manifesto, sobre o quais as intervenientes vão falando amplamente ao longo de todo o filme.

Enquanto grandes objetivos, a ideia destas jovens, que primam pela liberdade sexual cativante, é promover o consentimento, a representação de todo o tipo de corpos e sexualidades, a criação de um espaço seguro durante o próprio processo de produção, bem como a edificação de condições de trabalho éticas. O que passa, nomeadamente, pela remuneração justa e respeito mútuo.

Nora Smith e Mélanie Boss, co-fundadoras da OIL Productions em 2018, acabam por tomar um lugar dianteiro na quantidade de tempo de ecrã dedicado deste documentário. Talvez porque elas próprias tiveram maior interesse e facilidade em expressar a sua intimidade e sentimentos, e também em parte porque foi a co-fundadora Nora Smith que trouxe Patrick para o projeto.

Lê Também:
Queer Lisboa ’22 | C’è un soffio di vita soltanto, em análise

Como primeiro elogio ao jovem cineasta Patrick Muroni reforçamos a forma como o seu aparato cinematográfico, sempre lírico e focado, nunca parece aproximar-se nem distanciar-se demasiado do seu objeto. Muroni, que esteve presente no dia 18 de setembro, tendo apresentado o seu filme no Queer Lisboa e ficado para um Q&A, foi entusiasticamente recebido pela plateia por ter filmado com respeito o trabalho desenvolvido por estas mulheres.

O realizador reforçou, perante a plateia da Sala 3 do Cinema São Jorge, como a sua intenção fora distanciar-se de “visões masculinas”, embora a discussão tenha abordado o quanto uma visão neutra pode eventualmente ser problemática e uma ilusão. Para Patrick Muroni , com este “Ardente·x·s”, seria importante “filmar mulheres que se sexualizam sem as sexualizar”. Esta sua frase resume muito bem o espírito do filme, que em tudo respeita as intenções do manifesto das suas heroínas.

O olhar da câmara nunca se torna excessivamente intrusivo e retrata, com ampla sensibilidade, a experiência sexual destas jovens, a sua comovente fraternidade, o engenho criativo que define o seu trabalho e a tolerância exibida nas suas discussões profissionais. O coletivo procura instaurar uma nova visão sobre o que é a sexualidade e revitalizar a própria imagem da pornografia e as suas representações nos media.

Enquanto retrato, “Ardente·x·s” vence na demonstração de novas formas de obter prazer e pensar prazer. Todavia, a representação exibida neste filme, por muito inspiradora que possa ser (e é), parece mostrar uma realidade algo parcelar dos esforços do coletivo.

O filme pauta-se por um terceiro ato um pouco mais fraco do que os anteriores, no qual o coletivo parece estar a enfraquecer, com os seus membros a anunciarem uma divisão por vários pontos geográficos díspares. As protagonistas mencionam “nunca estarem, de qualquer das formas, todas juntas”, e existe um sentimento de progressão adiada no ar, embora o mesmo não seja explorado em detalhe.

No Q&A, Patrick Muroni referiu que todas as sequências do documentário foram discutidas previamente. Isto não obstante o muito espaço criativo que o realizador concedeu, e não poderia deixar de conceder às protagonistas. Esta liberdade é notória e respeitável, reforçando-se a não exploração do sujeito filmado por parte da câmara e do seu realizador.

Todavia, existe um reverso da medalha. A obra de Muroni caracteriza-se por alguma opacidade. Certos membros do coletivo têm um destaque muito mais notável que outros, nomeadamente Mélanie Boss, uma figura perfeitamente fora da norma, com um pensamento divergente e inquisitivo, que de forma espontânea preenche o ecrã com a sua natureza curiosa e de facto fascinante.

Mas se Mel é uma figura interessante e que se transforma, por acidente, na protagonista da narrativa documental, a verdade é que acabamos por sentir alguma fragilidade no que toca à capacidade de verdadeiramente conhecer os restantes sujeitos fílmicos e as suas intenções. Até que ponto pretenderia ir o coletivo responsável pelas OIL Productions, depois da sua separação física? Quais as motivações individuais e grau de investimento no projeto, membro a membro? Como é que a sua interioridade se projeta na pornografia?

Em “Ardente·x·s” temos um retrato muito valioso de uma nova proposta de sexualidade, mas um que peca pela não plenitude da sua revolucionária representação.

A 26ª edição do Queer Lisboa decorre na capital portuguesa, no Cinema São Jorge e na Cinemateca Portuguesa, até dia 24 de setembro. Posteriormente, rumamos ao norte para o Queer Porto 8 entre os dias 29 de novembro e 4 de dezembro. 

Ardente·x·s, em análise

Movie title: Ardente·x·s

Movie description: Em Lausanne, na Suíça, um grupo de jovens mulheres na casa dos vintes, empunha a câmara e embarca numa jornada a fazer filmes pornográficos. Entre os empregos de umas e os estudos de outras, reúnem esforços para produzir filmes éticos e dissidentes. Rapidamente, a imprensa e o público ganham curiosidade com o coletivo. Aos olhos de todes, elas abraçam uma batalha por uma nova visão do desejo e da sexualidade.

Date published: 23 de September de 2022

Country: Suíça

Duration: 96'

Director(s): Patrick Muroni

Genre: Documentário

[ More ]

  • Maggie Silva - 78
78

Conclusão

“Ardente·x·s” é prelúdio de uma revolução sexual onde a pornografia pode ser ética, responsável, dissidente, quiçá material educacional para a própria experiência de crescimento. O realizador Patrick Muroni filma, com respeito e dedicação, o trabalho de um coletivo feminino que ousa criar pornografia para todes e que desafie as noções pré-concebidas, associadas ao feminismo tradicional, que estipulam que a porno é sempre decadente para a mulher e obrigatoriamente focada no prazer masculino.

Pros

  • A proposta de uma outra forma de pensar o prazer, a relação com a sexualidade e própria reputação da pornografia;
  • O equilíbrio conseguido por Patrick Muroni nesta sua primeira longa-metragem, onde consegue jogar habilmente com duas linguagens muito distintas – a da pornografia e a do documentário.

Cons

  • A realização de que, terminado o filme, não ficámos com uma ideia assim tão clara de quais os propósitos do coletivo a médio e a longo prazo;
  • Por muito carismática que Mel seja, focarmo-nos tanto num único membro do coletivo acaba por criar um certo desequilíbrio, tendo em conta que esta é, ou seria, em primeira instância, uma representação do grupo.
Sending
User Review
0 (0 votes)

Maggie Silva

Comunicadora de profissão e por natureza. Dependente de cultura pop, cinema indie e vítima da incessante necessidade de descobrir novas paixões. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Maggie Silva has 459 posts and counting. See all posts by Maggie Silva

Leave a Reply