© 1998 - Miramax / © NOS Audiovisuais / © Metro-Goldwyn-Mayer Studios Inc. All Rights Reserved.

10 grandes filmes de Rock que não podes deixar de ver

Prepara-te para abanar a cabeça e o esqueleto, pois vamos percorrer alguns dos maiores filmes de rock da história do Cinema.

No passado dia 13 de julho celebrou-se o Dia Mundial do Rock e no mesmo momento em que publicamos este artigo encontram-se ainda em sala “Yesterday” e “Her Smell – A Música nas Veias” – dois filmes que retratam duas realidades (ou fantasias) muito distantes mas que se cruzam inevitavelmente no espectro do rock’n’roll.

Lê Também:
De Mozart a Ian Curtis: 10 Melhores Filmes sobre Música

Desde o início da Era de Ouro do rock que o cinema tem tentado recriar a sua energia e misticismo no grande ecrã, por isso a MHD reuniu só para ti 10 grandes filmes de Rock que não podes deixar de ver.

1 de 10

VELVET GOLDMINE, de Todd Haynes (1998)

© 1998 – Miramax

“Velvet Goldmine” é um dos mais bonitos tributos ao Glam Rock que o cinema já presenciou. A ideia inicial de Todd Haynes era fazer uma biografia sobre David Bowie, mas como o cantor não cedeu os direitos, o realizador foi obrigado a dar a volta de outra forma – e é por isso que as personagens nos são tão próximas. Apesar de se tratar de uma história de ficção, a narrativa é altamente baseada em pessoal da altura.

Com ação nos anos 80, revivemos o percurso da superestrela britânica Brian Slade (uma espécie de David Bowie meets Jobriath) através do jornalista Arthur Stuart que investiga a época, tentando perceber a origem da decadência da carreira de Slade, após este ter tentado fingir a sua morte.

Tramas à parte, Velvet Goldmine é especialmente bem-sucedido na representação do glamour do rock e da expressão de identidade sem quaisquer medos. Afinal, vivíamos (e por vezes ainda vivemos) numa altura em que ter um ícone com quem nos identificamos faz-nos sentir menos sozinho nos mundos. Quem disse que pintar as unhas é só para mulheres?

1 de 10

Maria João Bilro

Sou doida por cinema - tenho um grave problema em aceitar que a minha vida não é um indie, mas tento fechar os olhos a esse pormenor e continuo a usar óculos escuros à noite e a dançar músicas dos anos 60 de forma (muito) estranha no meio da rua. Licenciada em Ciências da Comunicação, com formação em Realização e Fotografia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *