© Jéssica Rodrigues | MHD

15 documentários para celebrar o Mundial de Futebol

Considerada a competição mais importante do mundo do futebol, o Mundial é o único campeonato capaz de fazer parar uma nação inteira. Para celebrar a 22ª edição deste acontecimento, a MHD preparou uma galeria com 15 documentários que relembram os momentos mais marcantes deste evento.

É indiscutível que o Campeonato Mundial de Futebol é a competição desportiva mais importante para os amantes do ‘Desporto Rei‘. Com atrativos económico-sociais para o país que acolhe o torneio, este é o evento desportivo que mais adeptos reúne. Além disso, o Mundial é também a prova mais eclética do mundo do futebol, uma vez que possibilita a participação de equipas de todos os países, independentemente da religião e da cor, dando a todas as nações a oportunidade igualitária de se defrontarem dentro das quatro linhas. No total, ao longo das últimas nove décadas já participaram mais de 70 países na competição, tendo esta sido disputada em quase todos os continentes, estando ainda em falta a Oceania.

Lê Também:
Futebol e Cinema | 10 Futebolistas que trocaram o campo pelo palco

Historicamente, o primeiro duelo futebolístico entre nações deu-se no século XIX entre os quatro países que compõe o Reino Unido. Mais tarde, o futebol passou a ingressar os Jogos Olímpicos, até então considerado o maior evento desportivo do mundo. Dada a forte adesão dos adeptos às Olimpíadas, a FIFA decidiu organizar uma competição entre seleções de futebol do mundo inteiro, dando origem ao primeiro Campeonato Mundial de Futebol, ocorrido em 1930, no Uruguai. A partir desse momento, optou-se pela realização do evento a cada quatro anos, culminando presentemente na 22ª edição, disputada no Catar. Ao longo de mais de 90 anos vimos passar pelo palco dos sonhos mestres que conduzem a bola da forma mais bela, treinadores que mudaram a história do futebol e assistimos aos momentos mais marcantes que definiram este desporto como o conhecemos hoje.

Numa altura em que o país parou para acompanhar a Seleção Portuguesa de Futebol, a Magazine.HD preparou, através de uma breve galeria, um portfólio de 15 documentários que falam sobre as grandes estrelas do ‘Desporto Rei’ que entraram para a história do futebol e os eventos mais marcantes das anteriores edições do Campeonato Mundial de Futebol.

RONALDO (2015)

Cristiano Ronaldo
© FOX Movies

Ainda mal arrancou a 22ª edição do Campeonato Mundial de Futebol já Cristiano Ronaldo conquistou um novo recorde. Aos 37 anos de idade, aquele que é considerado o melhor jogador de todos os tempos tornou-se na primeira pessoa a marcar um golo em cinco competições diferentes do Mundial. Tendo-se estreado na Seleção Portuguesa em 2003, quando jogava no Manchester United após a sua passagem pelo Sporting, Ronaldo disputou a primeira Competição Mundial de Futebol em 2006, na Alemanha, seguindo-se a de 2010, na África do Sul, 2014, no Brasil, 2018, na Rússia, e atual, disputada no Catar. Sendo já uma lenda no mundo do futebol, o camisola 7 é conhecido em todo o mundo, sendo uma referência para o país. Em 2015, foi lançado o documentário “Ronaldo”, um filme composto por imagens inéditas da vida pessoal e profissional do jogador, cedidas pelo próprio. Momentos como o campeonato espanhol de 2014 e o Campeonato Mundial disputado no mesmo ano podem ser vistos ao pormenor nesta obra cinematográfica, disponível na Netflix.




MESSI (2014)

Messi
© Mauricio Spano

Lionel Messi é considerado um dos melhores jogadores do mundo, entrando muitas vezes em competição com Cristiano Ronaldo pelo título de ‘Melhor de Todos os Tempos’. Tendo iniciado a sua jornada dentro das quatro linhas com apenas quatro anos de idade, desde sempre que Messi respira futebol. Aos onze anos foi diagnosticado ao pequeno Lionel um problema ósseo que lhe retardava o crescimento, e a família fez de tudo para conseguir um financiamento para o tratamento, tendo-se mudado para Espanha em busca de uma vida melhor. Sendo Messi um atleta incomparável, o Barcelona rapidamente contratou o jovem e desde então a pequena estrela tem-se vindo a tornar num colecionador de prémios e recordes. Em 2005, o avançado foi chamado pela Seleção da Argentina, tendo um ano depois feito história ao tornar-se o quinto jogador mais jovem de sempre a marcar um golo na sua estreia num Campeonato Mundial de Futebol. Toda a história do jogador que disputa agora a sua última Competição do Mundo de Futebol pode ser acompanhada em “Messi”, um documentário lançado em 2014.




THE TWO ESCOBARS (2010)

The Two Escobars
©All Rise Films

Para os colombianos, o futebol é muito mais do que um desporto, dependendo a sua identidade nacional dos resultados obtidos dentro das quatro linhas. Em 1994, a Colômbia era dominada por dois homens de apelido ‘Escobar’. De um lado, Pablo, o ‘Rei da Cocaína‘ que se tornou no criminoso mais rico da história, dividia o país ao torná-lo na capital do assassinato e do crime. Por outro lado, Andrés Escobar tinha o dom de unir a nação ao ser considerado uma das maiores promessas do futebol colombiano, sendo conhecido como o ‘Cavalheiro do Futebol’. Naquele ano, a Seleção da Colômbia era a favorita a vencer o Campeonato Mundial de Futebol, disputado nos EUA, sendo financiada pelos cartéis de droga, nomeadamente o de Pablo Escobar, assumido como um fervoroso adepto do desporto. Andrés era na altura o capitão da equipa, sendo conhecido pela sua maneira calma e limpa de atuar em campo, o que fez dele uma lenda do futebol colombiano. O que ninguém esperava era que um incidente cruzasse as vidas das duas figuras, que nada tinham em comum, manchando para sempre o nome do futebol. Em pleno jogo contra os EUA, Andrés marcou um auto-golo que ditou o fim do sonho da Colômbia, tendo sido morto dias mais tarde, alegadamente a mando do cartel que financiava a seleção. “The Two Escobars” é o documentário que mostra um país com um orgulho ferido e com uma esperança desfeita por um golo na baliza errada.




DIEGO MARADONA (2019)

Maradona
© Lorton Entertainment

Considerado um dos melhores jogadores de futebol de sempre, Diego Maradona viveu rodeado de vitórias e polémicas que levaram ao seu afastamento do ‘Desporto Rei’. É impossível mencionarmos a equipa de sonho do Campeonato Mundial de Futebol sem falarmos do número 10 da Argentina. Desde sempre apaixonado pelo futebol, o pequeno Maradona divertia o público com as acrobacias que fazia com a bola nos intervalos dos jogos que disputava na camada mais jovem do Argentinos Juniors, clube pelo qual se iniciou com apenas nove anos. Após um sucesso estrondoso no Boca Juniors e no Barcelona, Diego estreou-se em competições mundiais na Competição Mundial de 1982, em Espanha, tendo tido uma exibição miserável. Depois de se mudar para o Nápoles, Maradona regressou ao Campeonato Mundial de Futebol em 1986, no México, onde alcançou feitos históricos. Quatro anos antes, uma guerra havia despoletado entre a Argentina e Inglaterra, a Guerra das Malvinas, e dentro das quatro linhas as duas seleções enfrentar-se-iam pela primeira vez desde a ocorrência do conflito armado. Numa luta acesa para defender a honra contra o país que havia vencido a Guerra, a Argentina encontrou a justiça através dos pés de Maradona. Nesse dia, o número 10 marcou aquele que ficou conhecido como ‘O Golo do Século’, tendo ainda marcado um outro com a mão, doravante apelidada de ‘A Mão de Deus’. Nesse ano, Diego levaria a sua Seleção a tornar-se campeã do mundo. Porém, a glória que Maradona vivia dentro dos campos contrastava com a vida repleta de vícios que levaram ao fim da sua carreira quando no Mundial de 1994, nos EUA, se comprovou o uso de drogas por parte do jogador. Sendo uma das maiores lendas do futebol, “Diego Maradona” é um documentário que expõe imagens nunca antes vistas do ‘El Pibe de Oro’ que partiu em 2020.




PELÉ (2021)

Pelé
© Netflix

Não obstante o facto de a Seleção do Brasil ser a equipa com mais vitórias na história da Competição Mundial de Futebol, tendo vencido por cinco vezes, Pelé é o único jogador a ter ganho três Campeonatos do Mundo. Nascido no meio da pobreza, o ‘Deporto Rei’ sempre serviu de escape para o pequeno atleta que improvisava a bola com uma meia recheada de folhas de jornal. Após se iniciar em clubes amadores, foi convidado a jogar pelo Santos e viu a sua carreira disparar de forma vertiginosa. Em 1957, com apenas dez meses enquanto jogador profissional, Pelé foi convocado para jogar na Seleção do Brasil e tornou-se o mais jovem marcador, com apenas 16 anos. Um ano depois, estreou-se no Campeonato Mundial de Futebol, disputado na Suécia, tornando-se o mais jovem jogador a disputar uma final do Mundial, com apenas 17 anos. O número 10 acabou por se tornar campeão pela Seleção Brasileira, um feito que repetiu em 1962, no Chile, e em 1970, no México. Com mais de duas décadas de carreira, Pelé é uma das maiores lendas do futebol e o seu percurso pode ser relembrado através deste documentário lançado em 2021.




NEXT GOAL WINS (2014)

Next Goal Wins
© Archer’s Mark

Há quem diga que o que importa é participar e não vencer. Porém, a Seleção da Samoa Americana parece levar este ditado muito a sério, sendo considerada uma das piores equipas de sempre pela FIFA. Por incrível que pareça, em abril de 2001 a equipa sofreu a maior derrota de sempre na história do futebol, perdendo por 31-0 contra a Austrália, num jogo de apuramento para o Campeonato Mundial de Futebol de 2002, sediado no Japão e na Coreia do Sul. Todos os anos, a Seleção que representa a Samoa Americana tende a terminar em último o campeonato da Confederação de Futebol da Oceania. Na verdade, o rumo dos acontecimentos apenas viu uma mudança na sua trajetória após a contratação do holandês Thomas Rongen como treinador da equipa. Conhecido pela rigidez como conduzia os treinos, o seu esforço resultou na primeira vitória da Seleção em competições oficiais, ao bater o Tonga por 2-1, nas eliminatória par a Copa do Mundo de 2014. Se quiseres ficar a conhecer melhor esta caricata equipa, não podes deixar de assistir a “Next Goal Wins”.




ROONEY (2022)

Wayne Rooney 2022
via All-Pro Reels / Creative Commons Attribution-Share Alike 2.0 Generic

Com uma carreira profissional inferior a duas décadas Wayne Rooney é um dos melhores marcadores da história da Seleção de Inglaterra. Tendo-se estreado com ‘Os Três Leões’ ao peito em 2003, tornou-se o jogador mais novo de sempre a disputar um jogo com a camisola da equipa inglesa. Da mesma forma, Rooney detém o recorde de jogador mais novo de sempre a marcar um golo pela Seleção Inglesa, feito alcançado nas eliminatórias para o saudoso Euro 2004. Após ter participado em três Campeonatos Mundiais de Futebol, Wayne superou a marca dos cinquenta golos marcados, tornando-se o maior goleador da Seleção de Inglaterra ao ultrapassar o feito alcançado por Bobby Charlton. “Rooney” é o documentário que acompanha o percurso profissional desta lenda do futebol que jogou em clubes como o Everton e o Manchester United, sendo atualmente treinador do D.C. United.




BOBBY (2016)

Bobby 2016
©Entertainment One

Em 1966, a Rainha Elizabeth II discursou no jogo inaugural do Campeonato Mundial de Futebol, tendo assistido ao empate da Seleção Inglesa contra o Uruguai. O que ainda não se sabia é que, mais tarde, naquele ano em que os Beatles eram a banda que movia multidões, uma nação inteira choraria ao ver Sua Majestade entregar o primeiro e único título, até ao momento, de campeão do mundo à Inglaterra. Num jogo contra a Alemanha Ocidental, disputado no estádio sede da Seleção dos Três Leões, a equipa inglesa venceu por 4-2, dando assim o primeiro lugar à equipa da casa. O principal responsável pela vitória da Seleção Inglesa foi Bobby Moore, o capitão de equipa que havia derrubado o principal marcador dessa edição, Eusébio da Silva Ferreira. Ainda hoje Bobby é considerado o melhor defesa de sempre da história de Inglaterra, sendo visto como uma lenda do futebol. A sua biografia pode ser vista em “Bobby”, um documentário realizado no cinquentenário da vitória da equipa inglesa.




ONE NIGHT IN TURIN (2010)

One Night in Turin 2010
©Kaleidoscope

O Campeonato Mundial de Futebol de 1990, disputado em Itália, foi histórico por ter sido o último em que a Alemanha participou com duas equipas, sendo o país unido de novo meses mais tarde. Porém, muitos outros acontecimentos definiram esta Competição do Mundo como a mais importante para a história do futebol, definindo o ‘Desporto Rei’ como o conhecemos hoje. Para quem não se recorda, foi após a disputa deste Campeonato que se passou a considerar três pontos por cada vitória, de modo a incentivar o ataque das equipas. Além disso, também a Seleção dos Camarões fez algo único ao tornar-se a primeira equipa do continente africano a chegar aos oitavos de final. No entanto, esta equipa acabaria por ser eliminada pela Inglaterra, a seleção em foco no documentário “One Night in Turin”. Nos anos 80, o futebol era visto no Reino Unido como um desporto agressivo dada a violência gerada pelos hooligans, bem como corrupto devido à ganância dos dirigentes desportivos. Os jogos tornavam-se tão violentos que os fãs deixaram de ir aos estádios acompanhar as suas equipas preferidas e a Liga Inglesa chegou mesmo a ficar cinco anos fora das competições europeias pelos muitos desastres ocorridos em estádios que provocaram centenas de mortes. Assim, na Competição do Mundo de 1990, a Seleção Inglesa entrou em campo com vontade de mudar para sempre a história do futebol. Com um fair-play nunca antes visto, a equipa liderada por Sir Bobby Robson fez o país sonhar de novo com a vitória do Mundial e uma rivalidade saudável voltou a surgir numa noite disputada em Turim. Num jogo contra a Alemanha Ocidental, os Ingleses demoraram apenas 20 minutos a empatar o marcador, quando este marcava já 80 minutos desde o início da partida. Já no prolongamento, Paul Gascoigne recebeu o segundo cartão amarelo que resultou na memorável imagem do jogador inglês a chorar em campo. O jogo acabou empatado e a Inglaterra perdeu nos pênaltis por 4-3, mas a partir desse dia o futebol voltou a unir a nação e fez com que a Liga Inglesa se tornasse na mais respeitada competição de futebol.




STOICHKOV (2012)

Stoichkov 2012
©A Plus Films

A Seleção da Bulgária estreou-se no Campeonato Mundial de Futebol em 1962, no Chile, e nas três edições seguintes não conseguiu passar da primeira fase da competição. Somente doze anos depois ‘os Demónios da Europa’ regressaram à Competição do Mundo, chegando aos oitavos de final. Contudo, em 1994 a Seleção Búlgara atingiria um feito nunca antes sonhado – o quarto lugar do campeonato. Este feito apenas foi possibilitado através da desequilibradora perna esquerda de Hristo Stoichkov. Estreando-se profissionalmente em 1982 numa equipa da segunda divisão, rapidamente foi transferido para o SKA Sófia, o clube do exército devido aos seus problemas de comportamento. Três anos depois, viu a sua carreira prestes a terminar ao envolver-se numa luta com o guarda-redes da equipa adversária. Consequentemente, Stoichkov não integrou a lista de jogadores convocados para o Mundial de 1986, no México, estreando-se pela Seleção da Bulgária apenas um ano depois. Porém, em 1994, Hristo levou às costas a equipa Búlgara, colocando-a entre os quatro primeiros lugares. Toda a história deste jogador com um temperamento desiquilibrado pode ser vista em “Stoichkov”.




PUSKÁS HUNGARY (2009)

Puskás Hungary (2009)
©Filmplus

Nascido em Budapeste, Ferenc Puskás é ainda hoje conhecido como a maior lenda do futebol húngaro. Filho de um ex-jogador, Puskás começou cedo a sua carreira desportiva, assinando o seu primeiro contrato aos 16 anos de idade. Finda a Segunda Guerra Mundial, em 1945, o atleta foi convidado a fazer parte da Seleção da Hungria, integrando a equipa doravante conhecida como ‘os Mágico Magiares’. Com um treino militar exigido pelo Governo, a equipa tornou-se numa das mais bem preparadas seleções da Europa, tendo inclusive derrotado a Inglaterra por duas vezes, um feito nunca antes alcançado por uma outra equipa europeia num jogo de cortesia. Em 1954, quando os húngaros somavam já 23 vitórias e nenhuma derrota, a equipa dos Mágicos estreou-se no Campeonato Mundial de Futebol, disputado na Suíça, com a marcação de nove golos contra a Coreia do Sul. Nesse ano, Puskás conduziria a sua equipa ao segundo lugar do pódio. Infelizmente, dois anos depois despoletou na Hungria uma Revolução que fez desertar alguns elementos dos Magiares, culminado com a ida de Puskás para Espanha. Apesar de ter ficado mais de um ano sem jogar e apresentar um peso acima da média, o húngaro mostrou o seu valor dentro nos relvados, participando posteriormente na Seleção Espanhola. “Puskás Hungary” é um documentário que acompanha a ascensão de Ferenc, partilhando imagens dos seus jogos mais marcantes.




O ÁRBITRO (2010)

O Árbitro 2010
©Freedom From Choice

Martin Hansson era o árbitro com melhor ranking da história do futebol sueco. Chegou mesmo a arbitrar competições como o Campeonato Europeu de Futebol sub-21 de 2006, em Portugal, o Campeonato Mundial de Futebol sub-20 de 2007, no Canadá, e o Campeonato das Confederações de 2009, em Joanesburgo. Porém, o seu grande sonho era ser convocado para arbitrar a Competição Mundial de 2010, disputada na África do Sul, feito que conseguiu alcançar com um brio exemplar. No entanto, bastou um erro técnico para destruir para sempre a carreira de Hansson enquanto árbitro. Numa partida entre a República da Irlanda e a França para a fase de apuramento para o Mundial de 2010, Martin validou um golo marcado por William Gallas após a bola ter tocado na mão de Thierry Henry, uma falta que nunca chegou a ser assinalada. O incidente fez com que a Seleção Irlandesa fosse eliminada das competições, o que gerou uma onde de ódio e violência contra o árbitro da partida e contra Thierry, sendo o seu lance muitas vezes comparado à ‘Mão de Deus’ de Maradona.




NEYMAR: THE PERFECT CHAOS (2022)

Neymar
© Netflix

Considerado um dos principais futebolistas da atual Seleção Brasileira, Neymar Jr. é amado por muitos e odiado por tantos outros. Iniciando a sua carreira no escalão de iniciados da Portuguesa Santista, o jovem atleta viu o seu desempenho evoluir de forma estrondosa, até que se tornou jogador profissional em 2009, ao jogar pelo Santos, tornando-se a estrela revelação do Campeonato do Brasil. Logo no ano seguinte, aos 18 anos, Neymar estreou-se com a camisola da Seleção Brasileira, marcando um golo no seu primeiro jogo. Apenas um ano depois, Neymar estava já na corrida pelo prémio de Melhor Jogador de Futebol do Mundo, uma euforia que fez com que fosse transferido para o Barcelona. Em 2014, o atleta estreou-se no Campeonato Mundial de Futebol, disputado no Brasil, e era considerado a jovem promessa da edição desse ano. Contudo, uma lesão levou ao afastamento de Neymar, o que muitos consideram ter como consequência a eliminação da equipa Brasileira. No entanto, após essa lesão, o jogador parece ter tendência a simular faltas, o que tem gerado uma onda de protestos por parte dos adeptos. “Neymar: The Perfect Chaos” faz uma análise do percurso familiar e profissional de Neymar, e pode ser visto na Netflix, num documentário com três episódios.




GARRINCHA – ALEGRIA DO POVO (1963)

Garrincha - Alegria do Povo (1963)
©Mondo Films

Garrincha é a prova de que as limitações físicas não devem impedir a concretização dos nossos maiores sonhos. Conhecido como ‘o Anjo das Pernas Tortas’, o extremo brasileiro tinha estrabismo, bem como um membro inferior seis centímetros mais curto que a outra perna, o que causava problemas nos joelhos. Ainda assim, contra todas as probabilidades, Manoel Francisco dos Santos transformou-se no mais célebre extremo-direito da história do Brasil, ficando conhecido pela forma genial com que driblava a bola perante os adversários. Foi com a dupla Garricha e Pelé em campo que a equipa Canarinha venceu o seu primeiro troféu no Campeonato Mundial de Futebol, em 1958, na Suécia. Mas o auge do atleta na Seleção chegaria quatro anos depois, quando o Chile sediou aquele que ficaria conhecido como ‘O Campeonato do Garrincha’. Após a lesão de Pelé impedir que a lenda continuasse em jogo, Manoel Francisco entrou em campo para fazer história. Nesse ano, ‘o Anjo das Pernas Tortas’ tornou-se o primeiro atleta a vencer a Bola de Ouro e a Bota de Ouro, ao mesmo tempo que erguia a taça de Campeão do Mundo. A fantástica história deste jogador que teve um fim precoce pode ser acompanhada em “Garrincha – Alegria do Povo”.




BECOMING CHAMPIONS (2018)

Becoming Champions (2018)
©Sociedad

Em 21 edições do Campeonato Mundial de Futebol, a competição mais disputada do desporto rei, já participaram mais de 70 equipas de países diferentes. Porém, até ao momento existem apenas oito vencedores diferentes – Uruguai (1930, 1950), Itália (1934, 1938, 1982, 2006), Alemanha (1954, 1974, 1990, 2014), Brasil (1958, 1962, 1970, 1994, 2002), Inglaterra (1966), Argentina (1978, 1986), França (1998, 2018) e Espanha (2010). Em “Becoming Champions”, um documentário da Netflix dividido em nove episódios, ficamos a conhecer cada um dos países vencedores, bem como a sua história, o seu percurso, as suas principais estrelas desportivas e o desvendar dos seus segredos para o sucesso.

Conhecias todos os jogadores acima mencionados? Tens recordação de algum dos momentos descritos neste artigo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.