By Flávio de Pedro Cabeleira

72ª Berlinale avança presencialmente

A 72ª Berlinale vai decorrer de 10 a 16 de Fevereiro, com limitações, mas presencialmente e para já com três portugueses nas secções de curtas-metragens: Pedro Cabeleleira (Berlinale Shorts), Jorge Jácome (Forum) e Carlos Lobo (Generation 14Plus). O actor João Nunes Monteiro é a nossa Shooting Star.

A 72ª Berlinale—Festival Internacional de Cinema de Berlim 2022, vai decorrer de 10 a 16 de Fevereiro, sujeita às alterações forçadas por causa da variante Ómicron da Covid-19. Face aos constrangimentos a Competição Oficial da 76ª Berlinale, durará apenas sete dias (10 a 16 de Fevereiro) em vez dos habituais dez, com os prémios a serem anunciados a 16; as sessões destinadas ao público em geral, com as repetições dos filmes vencedores das várias secções, serão alargadas a quatro dias, até 20, como estava previsto encerrar. A Berlinale anunciou igualmente o seu filme de abertura: ‘Peter von Kant’, uma adaptação livre de ‘As Lágrimas Amargas de Petra von Kant’, de Rainer Warner Fassbinder, dirigida pelo francês François Ozon (‘Correu Tudo Bem’). O realizador, transforma a mulher-personagem principal da peça e do filme originais num realizador de cinema interpretado por Denis Ménochet. Isabelle Adjani e a actriz alemã Hanna Schygulla (que já trabalhara com Fassbinder, em 1972) formam o elenco. 

VÊ TEASER DE ‘BY FLÁVIO’ 

Porém, enquanto aguardamos para breve, o anúncio da selecção de filmes da Competição Oficial da 74ª Berlinale de 2022, a mais importante e praticamente a um mês da abertura do festival, há novidades relativamente à representação portuguesa: Pedro Cabeleira (‘Verão Danado’), foi selecionado com ‘By Flávio’, para a competição Berlinale Shorts, Jorge Jácome com ‘Super Natural’, para a secção Forum e agora Carlos Lobo, com ‘Aos Dezasseis’, que integra a Competição Generation 14Plus. O jovem actor português João Nunes Monteiro (‘Mosquito’) está entre as ‘estrelas europeias emergentes’, no evento que anualmente se realiza, em paralelo com o festival.

Supernatural
SuperNatural de Jorge Jácome

‘By Flávio’, a nova curta-metragem de Pedro Cabeleira, o realizador de ‘Verão Danado’, concorre ao Urso de Ouro na Berlinale Shorts, concurso que já deu o Urso de Ouro a João Salaviza, Leonor Teles e a Diogo Costa Amarante. Trata-se da segunda curta-metragem do cineasta português, mais uma com fotografia de Leonor Teles (tal como ‘Verão Danado’), e escrita em parceria com Diogo Figueira e com a actriz principal, Ana Vilaça. A curta foi rodada em Torres Novas, e conta a história do encontro entre uma aspirante a influencer com filho às costas e um rapper. O filme é definido pelo realizador como ‘uma espécie de comédia de costumes moderna’. ’By Flávio’ é um dos 21 filmes candidatos ao Urso de Ouro na secção Berlinale Shorts, que concorre com as novas obras de alguns realizadores consagrados como o espanhol Lois Patiño (‘El Sembrador de Estrellas’) ou o romeno Radu Jude (o documentário ‘Memories from the Eastern Front’), realizador que ganhou o Urso de Ouro da Berlinale 2021, com ‘Má Sorte no Sexo ou Porno Acidental’.

Aos Dezasseis
Aos Dezasseis de Carlos Lobo

Já foi anunciada também a presença de ‘Super Natural’, de Jorge Jácome na secção Forum, um filme que ‘parte do cruzamento entre a paisagem da ilha da Madeira e dos intérpretes da companhia Dançando com a Diferença — que desenvolve o seu trabalho aliando pessoas com e sem deficiências na criação de objetos artísticos. O filme guia o espectador por contextos, geografias, curiosidades históricas, videoclipes, confissões e momentos de humor, de forma a contribuir para um estar-junto que confunde olhares, ficção e real, drones e pássaros, robôs e aranhas, revelando-nos assim que o natural, seja de um corpo ou de um objeto, é sempre mais complexo do que aparenta ser’. Ontem à noite foi anunciado ‘Aos Dezasseis’, de Carlos Lobo, mais um filme português na selecção oficial, da Competição Generation 14Plus, de curtas-metragens, dedicada a obras contemporâneas que exploram a vida e o mundo juvenil, recorrendo a histórias que são contadas através do olhar de jovens protagonistas. O filme mostra, uma escola, um skatepark e um concerto. A Sara acabou de fazer dezasseis anos, e o filme é ‘uma espécie de carta de amor à beleza da juventude e a todas as suas lutas, esperanças e frustrações’.

72ª Berlinale
João Nunes Monteiro em ‘Mosquito’ ©Leopardo Filmes

Em paralelo, o programa Shooting Stars, organizado pela agência European Film Promotion, que promove jovens actores emergentes e que comemora este ano o seu 25º aniversário, selecionou o português João Nunes Monteiro, que interpretou o papel principal de ‘Mosquito’, de João Nuno Pinto, pelo qual venceu o prémio Sophia de Melhor Actor; e foi um dos protagonistas de ‘Diários de Otsoga’, de Maureen Fazendeiro e Miguel Gomes. João Nunes Monteiro sucede a outros actores portugueses como Alba Baptista (2021), Joana Ribeiro (2020), Victoria Guerra (2017), Afonso Pimentel (2007) ou Nuno Lopes (2006). Depois de no ano passado se ter realizado online, desta vez a 72ª Berlinale, vai estar obviamente limitada pelas alterações, forçadas pelo inverno e pela propagação da variante Ómicron da Covid-19, mas vai realizar-se ao vivo. Porém, todas as actividades destinadas à indústria, como o Mercado Europeu do Filme, realizar-se-ão na plataforma online do festival. Contudo também e contrastando com o Festival de Roterdão na Holanda, que decorrerá exclusivamente online, terá sessões abertas ao público e à imprensa acreditada, com direcção a manifestar mesmo a vontade de um rápido regresso à experiência colectiva  e total de ver os filmes em sala. Para todos os acreditados e público, será necessário apresentar um certificado de vacinação e/ou recuperação, e as salas terão uma lotação reduzida a 50% dos lugares disponíveis. Não promete ser fácil fazer uma cobertura normal deste festival. On verra!

JVM

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

José Vieira Mendes has 539 posts and counting. See all posts by José Vieira Mendes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.