Millie Bobby Brown na Comic Con Portugal 2019 (foto de Maggie Silva)

Comic Con Portugal 2019 | Millie Bobby Brown no País Encantado do Choro

Millie Bobby Brown, jovem atriz britânica de 15 anos, foi o grande nome desta 6ª edição da Comic Con Portugal, e embora não seja o maior nome de sempre a pisar um auditório do evento, é sem dúvida a mais popular estrela do “aqui e agora” no olho do furacão. Uma receita explosiva para um último dia acidentado no Passeio Marítimo de Algés. 

A terceira temporada de “Stranger Things” estreou em julho na Netflix, e este é sem dúvida o conteúdo original do gigante de streaming que mais sucesso tem de momento. Conseguir garantir a protagonista da série em Lisboa não foi pêra fácil, segundo confirma a organização e Nuno Markl no rescaldo deste painel. A Comic Con Portugal, um evento ainda jovem, está mais habituada a nomes um tanto mais discretos. Poucos protagonistas, e mais personagens secundários. O que acontece quando a protagonista de uma série imensamente popular aparece por cá? O caos…

Um dia pouco ordeiro

Começou logo pela manhã, com filas infinitas para comprar fotos e autógrafos com a jovem atriz. Nunca existiriam senhas para toda a procura, e embora tal tenha sido sublinhado pela organização e por apresentadores de painéis, a experiência de Comic Con que aqui temos ainda não nos faz saber antecipar tais acontecimentos. Mas aqui não se encontra o pior problema. O problema sim é o tamanho reduzido do principal auditório, que serviu bem para todos os outros convidados, em três outros dias em que tudo correu na perfeição ou perto disso. Neste quarto dia, contudo, teria sido necessário mais espaço.

O problema não é, como muitos apontaram, o facto de os painéis não terem sido esvaziados entre convidados. Tal só tinha substituído as pessoas que não tiveram chance de ver este painel, não resolvendo um problema que se tornara já incontornável. Viver é aprender, e na próxima edição, caso haja um cabeça de cartaz tão forte, é importante ampliar, sem dúvida, o espaço disponível.

Declarações de amor a potes 

Millie Bobby Brown na Comic Con Portugal 2019 (foto de Maggie Silva)

Nuno Markl, o responsável pela moderação do painel de Millie Bobby Brown, deu entrada no auditório principal da Comic Con por volta das 14h34, depois de ter sido apresentado também ele. Millie entrou assim num espaço que ameaçava desabar, com milhares de adolescentes a gritar a altos pulmões, no centro de uma plateia composta em grande parte por jovens com t-shirts alusivas à série e muitas mesmo vestidas com looks semelhantes aos que Eleven usa na terceira temporada de “Stranger Things”.

Markl, enorme fã da série e o nosso geek mais celebrado, não falhou na condução deste painel, sabendo todos os detalhes que há a saber, e colocando perguntas pertinentes à interprete de Jane Hopper A.K.A Eleven.

millie comic con portugal
Millie Bobby Brown na Comic Con Portugal 2019 (foto de Maggie Silva)

Millie Bobby Brown mostrou-se bem disposta, risonha, descontraída e bastante impermeável a toda a loucura que se gerava em torno da sua presença. Quando chegou a altura, depois de algumas (poucas) perguntas por parte do comediante português, de chamar os fãs até aos microfones colocados nas extremidades da sala, foi a única vez em que a jovem reagiu, recomendando algum cuidado perante a maré de adolescentes que se atropelavam para ter uma oportunidade de falar com este ídolo.

Uma pena é que a maioria das intervenções não tenha resultado em tópicos interessantes de conversação, como é costume acontecer com esta engraçada jovem. Antes, muitas das intervenções resumiram-se a entregar presentes a Millie, gritar “I love you” ou chorar compulsivamente, sem qualquer capacidade de proferir frases. Foi engraçado testemunhar que “Stranger Things” é de facto um conteúdo transversal. Um conteúdo que chega a inúmeras gerações, incluindo sem dúvida a faixa etária dos próprios protagonistas.

Millie Bobby Brown Comic Con Portugal
Millie Bobby Brown na Comic Con Portugal 2019 (foto de Maggie Silva)

Quanto a perguntas propriamente ditas, Markl abordou Millie essencialmente acerca do início do fenómeno “Stranger Things”. A jovem atriz começou os castings para esta personagem aos 10 anos de idade, e por isso afirma que nunca se apercebeu bem do início deste enorme sucesso. Foi algo que foi processando, de forma orgânica. Millie relembra que Eleven deveria ter-se sacrificado no oitavo episódio da primeira temporada, para salvar Mike, e por isso nunca pensou que o seu papel e a sua própria persona fossem voar tão alto. À menção do nome “Mike”, a multidão lançou um gritinho estranho que apenas só uma adolescente seria capaz de compreender.

A atriz desvaloriza o tal peso da fama sobre o qual tantas perguntas lhe devem fazer. Diz que tem uma rede de suporte forte, amigos na mesma situação de fama que ela, e que podia estar neste momento a fazer uma Comic Con, mas em breve estaria em casa, com os pais, de pijama, a comer comida de plástico e a ver filmes de terror.

Lê Também:
Comic Con Portugal 2019 | Os destaques da 6ª edição

Quanto a encarnar os anos 80, os pais de Millie deram-lhe um gira-discos, que lhe permitiu entrar no clima devido. A filmografia obrigatória de “Stranger Things”, que inclui filmes como “E.T” ou “Goonies”, essa diz dominar de antemão. E já agora, com o tópico de filmes de terror na mesa, a intérprete avança que “The Conjuring” é a sua saga de terror favorita.

Lamentamos, não há paixão entre co-protagonistas

Millie Bobby Brown Comic Con 19
Millie Bobby Brown na Comic Con Portugal 2019 (foto de Maggie Silva)

Millie passa grande parte do seu tempo a responder a perguntas sobre a sua vida romântica e a vida romântica da sua personagem, e de que forma as duas podem estar ou não relacionadas. Não é adequado nem interessante, mas como são outros miúdos a perguntar ninguém leva a mal. Assim, veio a frequente pergunta dos fãs: “Tens um fraquinho pelo Finn?” (Wolfhard, que interpreta Mike). Ao que Millie respondeu segura e categoricamente que não, reforçando que o momento do seu primeiro beijo foi de facto estranho. Falou ainda da cena de beijos no início da terceira temporada, reforçando que foi um momento leve e fácil de filmar, devido à intimidade da amizade com o co-protagonista e devido ao clima de humor e leveza. Aqui, Finn diz que os produtores lhe pediram para beijar mal, o que não era difícil, pois saia-lhe de forma natural. Segundo consta, melhoraram desde a primeira temporada, ou assim diz Millie.

Uma fã foi mais longe, e perguntou a Millie quem era o seu amigo mais próximo no elenco: Noah Schnapp (Will) ou Finn Wolfhard (Mike). Depois de uma pequena cara de choque por parte de Millie e de ser fortemente vaiada pelo auditório, Millie acabou por de facto responder à pergunta, escolhendo Noah, e destacando a sua proximidade por serem os mais jovens do elenco. Quanto a personagens favoritas identifica Dustin e Erica, pois “you can’t spell America without Erica”.

Lê Também:
Stranger Things, terceira temporada em análise

Quanto à primeira vez em que foi reconhecida na rua, estava em Vancouver, no mesmo hotel que Zendaya, e foi o dia mais feliz da sua vida. Quanto a dizer qual foi o melhor momento da sua infância, a jovem atriz volta a responder por meio da simplificação, e garante que a sua infância, apesar de tudo, está ainda a decorrer, e por isso seria impossível delimitar um melhor momento.

Falou-se ainda do facto de Millie ser a mais jovem embaixadora da UNICEF, e da sua luta contra o Bullying. A atriz diz que dar vida a Eleven na primeira temporada foi um desafio, por a personagem falar tão pouco, mas que agora outros desafios surgem, nomeadamente devido à dificuldade de Eleven em enquadrar-se na sociedade tal como ela é.

Millie Bobby Brown garantiu uma hora de muita felicidade aos fãs que entraram no auditório. Esperemos que volte um dia, e que “Stranger Things” continue a fazer as delicias de pequenos e graúdos nos próximos anos. 

Maggie Silva

Licenciatura e Mestrado em Ciências da Comunicação na vertente de Cinema e Televisão pela FCSH-UNL, porque à segunda é de vez. Dependente de cultura pop e cinema indie. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *