Photo by Jéssica Rodrigues | © MHD

EDP Cool Jazz | Jordan Rakei devolve o Jazz a Cascais

Depois de cinco dias dedicados aos mais variados estilos musicais, eis que a sexta noite de EDP Cool Jazz recebe Jordan Rakei.

A 17ª edição do EDP Cool Jazz fica marcada pela presença de artistas dos mais variados estilos do panorma musical. Se John Legend inaugurou o primeiro dia com o seu estilo mais R&B, Paul Anka trouxe até nós o velho Pop do tempo dos Beatles, enquanto Yann Tiersen apresentou um trabalho mais na vertente da música eletrónica. Já a Miguel Araújo coube a missão de cantar em bom português temas que vagueiam entre o Rock e a Bossa Nova. Por fim, nos penúltimos dias de festival, Diana Krall e Jordan Rakei trouxeram de novo o Jazz para o Hipódromo Manuel Possolo.

Coube a Moses Boyd fazer a abertura do palco principal no sétimo dia da 17ª edição do EDP Cool Jazz, dando assim o mote, juntamente com a sua banda, para o estilo ‘jazziano’ que iria dominar o resto da noite. Contrariamente ao que se vislumbrou nos dias anteriores, o recinto não se encontrava cheio, pelo que se fez notar a ausência de uma multidão. Ainda assim, muitos lutaram contra o frio que se fazia sentir no Parque Marechal Carmona e chegaram mesmo a assistir ao concerto embrulhados numa manta. Às 22:15 era hora de subir a palco Jordan Rakei.

Lê Também:
EDP Cool Jazz | Tiago Nacarato deixa Cascais em êxtase

Jordan Rakei é um jovem neozelandês que se estreou no mundo da música em 2013, com apenas 21 anos. Com um sucesso quase imediato, em 2015 chegou mesmo a ver o seu nomeado nomeado para um Grammy, o mais alto prémio no setor musical. Desde então, o cantor de Jazz lançou já quatro álbuns.

Mal Rakei subiu a palco, a plateia aplaudiu logo com grande entusiasmo, vibrando com a quantidade de instrumentos que se encontravam em cena. Em pé, atrás de um teclado, Jordan Rakei escolheu What We Call Life para dar início ao seu concerto, levando o público a viajar através de uma vibe muito mais cool. Mas o êxtase atingiu o seu apogeu quando o cantor fez soar as primeiras notas do seu grande sucesso de 2019, Say Something.

Photo by Jéssica Rodrigues | © MHD

Mostrando-se desde logo interativo, Jordan Rakei fartou-se de comunicar com o público, agradecendo pela presença naquela noite fria. Porém, o cantor fez notar o quão boas são as tardes de verão em Portugal, comentando que à tarde havia visitado uma das belíssimas praias de Cascais que o deixou deslumbrado e ‘triste’ por viver em Inglaterra, conforme comentou de forma humorada. A plateia foi sempre respondendo de forma efusiva, entregando-se por completo à viagem proporcionada pelo neozelandês. Mais tarde, a audiência assumiria mesmo um papel ativo no concerto, uma vez que o cantor pediu que fosse o público a escolher a música que queria ouvir a seguir.

À medida que o concerto ia avançando, mais pessoas se iam concentrando no relvado do Hipódromo Manuel Possolo, não fincando indiferentes às notas doces que saíam da garganta de Jordan Rakei. Como tal, o público ficou ao rubro quando os seguranças decidiram quebrar as barreiras, permitindo à plateia que avançasse para junto do palco. A partir desse momento, ninguém conseguiu ficar sentado, proporcionando uma verdadeira festa de Jazz. Influenciado pelas notas suaves da banda, o público parecia uma massa de corpos desajeitados que se deixava abanar ao ritmo da música, mostrando uma liberdade e soltura eternecedora.

Lê Também:
EDP Cool Jazz | Mateus Saldanha Trio e Quinquis fazem a abertura

Depois de temas como Wind Parade, Mind’s Eye e Send My Love, Jordan Rakei mostrou inclusive a sua versatilidade ao abandonar o piano e ao agarrar-se à guitarra. Quando o cantor terminou o seu (grande) concerto, o público ovacionou de pé, totalmente dislumbrado e rendido aos dons musicais de Rakei. Ainda assim, ninguém arredou pé enquanto o neozelandês não regressou ao palco para um encore. Desta vez, o músico fê-lo sozinho, sem a companhia da sua banda, impondo desde logo um respeito ao público que rapidamente se sentou para apreciar o último momento da noite.

Coberta por um céu estrelado, a plateia apressou-se a ligar as lanternas do telemóvel para iluminar a última música cantada por Jordan Rakei. Inundados pela melodia doce, o público fez questão de voltar a aplaudir assim que se fizeram ouvir as primeiras notas. No meio do frio que se fazia sentir no Hipódromo Manuel Possolo, bastou a voz de Jordan Rakei para aquecer o coração de todos os presentes.

Assististe ao concerto de Jordan Rakei? Qual a tua música preferida?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.