SBSR 2019 (foto de Margarida Ribeiro)

SBSR 2019 | Os altos e baixos da 25ª edição

1 de 7

Tendo chegado ao fim mais uma edição do SBSR, recordamos os melhores aspetos do festival, dando conta das suas falhas também.

A 25ª edição do festival Super Bock Super Rock regressou ao Meco, depois de uns anos no Parque das Nações. Decorreu de 18 a 20 de julho, na Herdade do Cabeço da Flauta. Já se sabe as datas da próxima edição e a sua respetiva localização. Durante os dias 16, 17 e 18 de julho de 2020, o SBSR reinstala-se no Meco.

Depois destes três dias, vamos do bom ao melhor que passou pelo Meco, mencionando outros aspetos deste ano, do mau ao pior.

Lê Também:
SBSR 2019 | Um pouco de Superorganism salvou o dia

SBSR | O BOM, O MELHOR E O EXCELENTE

SBSR 2019: Charlotte Gainsbourg ©Margarida Ribeiro

3. CHARLOTTE GAINSBOURG NO PALCO EDP DO SBSR

No segundo dia de festival, Charlotte Gainsbourg atuou no Palco EDP, pelas 22h. Do ponto de vista visual, o palco era irrepreensível, sobressaindo as várias molduras luminosas no meio de um palco praticamente às escuras. Os temas de Gainsbourg eram fáceis de escutar e cativantes, tendo conseguido juntar um grande número de pessoas à sua volta. O ambiente geral era de desconhecimento da artista, o que não impediu ninguém de vibrar e pôr os braços no ar ao som da música naquela noite dominada pelos artistas franceses. Certamente foi uma grande oportunidade para Charlotte Gainsbourg aumentar  o número de ouvintes interessados no seu trabalho.

1 de 7

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *