Black Mirror | © Netflix

Black Mirror, os 10 Melhores episódios

A equipa da Magazine.HD reuniu-se para eleger os 10 Melhores episódios de Black Mirror. A votação incluiu os 22 episódios das cinco temporadas da antologia sci-fi de Charlie Brooker, cujos últimos três episódios foram lançados no início deste mês.

No entanto, as últimas narrativas de Brooker ficaram um pouco aquém do calibre a que nos habituou… Ainda assim, Black Mirror continua a ser uma das melhores séries televisivas da última década!

Será que o teu top 10 coincide com o nosso?

1 de 10

Contém Spoilers!

 

10. USS CALLISTER

USS Callister
USS Callister © Netflix

No universo de “Black Mirror“, será sempre o episódio “Star Trek” mas desse universo, apenas a semelhança do guarda-roupa e cenários é o que está associado. Neste cenário, onde a tecnologia vai mais além e permite incorporar a mente humana em simulações de jogos de computador, Charlie Brooker vai mais longe e leva o universo de Star Trek para uma alusão ao lado negro da ficção científica e o que de pior se pode retirar de eventuais avanços tecnológicos, não perdendo nunca de vista a malícia humana quando as coisas não correm do modo como queremos.

Lê Também:
Realizadores que gostávamos de ver no universo Black Mirror

Jesse Plemons é o protagonista do episódio e está simplesmente divinal neste que consideramos ainda ser digno do nosso top 10 “Black Mirror”. Plemons interpreta um adulto, encarado como um falhado e sem perspectivas para o futuro, que vê no avanço da tecnologia uma forma de vencer e ser alguém. O cenário central do episódio é “Space Fleet”, uma simulação de realidade virtual onde é possível criar personagens do zero e que têm consciência se assim for entendido.

Neste caso em particular, é levado ao limite um dos temas recorrentes de “Black Mirror”, em que a possibilidade de clonar a mente humana é real e assustadora. Numa tentativa de usar a simulação do seu jogo como um escape à realidade, Robert Daly (Plemmons) vê a oportunidade de rebaixar todos aqueles que o ignoram e criticam no dia-a-dia ao clonar as suas mentes (e respectivos corpos) numa cópia digital fidedigna para o jogo. As cópias digitais estão cientes do local onde estão e sentem tudo o que acontece na simulação… E se a ideia de uma inteligência artificial suplantar a mente humana já é preocupante o suficiente, quão perigoso será a clonagem directa da mente de uma pessoa real?

Por agora esperamos apenas pela veracidade de um rumor desde a sua emissão… teremos um spin-off ou uma continuação desta história?

– Marta Kong Nunes

1 de 10

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *