Bob Iger e Tom Holland na estreia de "Bora Lá" | © Charley Gallay / Getty Images

Disney perde Bob Iger e elege novo CEO

A Disney está a mudar! Bob Iger, o homem que esteve por trás das mudanças que envolveram a Marvel, a Pixar e a 20th Century Fox deixou de ser o CEO da empresa.

Sempre em desenvolvimento, e sem sinais de abrandar nos seus projectos, a Disney está-se a preparar para uma nova era. Com uns últimos anos que envolveram vários acordos e novas parcerias no mundo do entretenimento – fosse a nível do cinema, novos serviços streaming ou os novos parques de diversão, os estúdios arranjaram uma nova estratégia de negócio para o futuro próximo.

Nas últimas horas foi anunciado que Bob Iger, o CEO da Disney, retirou-se do cargo e com efeitos imediatos. Iger deixará de ser CEO mas continuará a assumir um cargo executivo dentro da companhia. Para o substituir, foi anunciado que Bob Chapek subirá a CEO de forma imediata. Antes do anúncio, Chapek, que trabalha na empresa desde 1993, era o responsável pelos parques, experiências e produtos da Disney, desde 2018.

Lê Também:
5 Grandes questões sobre o acordo Disney-Fox

Antes da era Disney, Bob Iger era um executivo da ABC, também ela comprada pela Disney. Tornou-se presidente da ABC até 1999, ano que foi promovido a presidente da Walt Disney International. Desde aí trilhou o seu percurso dentro da The Walt Disney Company: tornou-se presidente e COO em 2000 e, dando provas da sua capacidade de gestão, tornou-se o sucessor de Michael Eisner ao tornar-se o novo CEO da Disney em 2005.

Foi o responsável por grandes mudanças que aconteceram dentro do universo da Disney, numa época em que a indústria de entretenimento sofreu inúmeras alterações. Esteve por trás do acordo com os estúdios da Pixar, ajudando a consolidar o acordo de compra, esteve a supervisionar a compra da Marvel Entertainment em 2009 – sendo por isso um dos responsáveis pela criação da MCU como conhecemos aos dias de hoje, a aquisição da Lucasfilm em 2012 e ainda a criação e abertura do parque temático da Disney em Shanghai.

Vingadores: Endgame
O universo Marvel fará parte do legado de Bob Iger enquanto CEO da Disney | © NOS Audiovisuais

Apesar de o anúncio de resignação parecer súbito, a verdade é que o contrato de Bob Iger com a Disney tinha o seu término previsto para 2018. Dada a dificuldade em encontrar um sucessor que considerarem apto ao trabalho, os estúdios decidiram manter o executivo no cargo, ao mesmo tempo que a companhia continuava em mãos com dois novos projectos: a compra da 21st Century Fox e o lançamento da sua primeira plataforma de streaming, Disney+.

O que ninguém esperou foi o anúncio em 2020 uma vez que o prolongamento do contrato com Iger tinha sido feito até 2021. Segundo o próprio Bob Iger, o anúncio e a decisão deve-se a questões de timing e estado interno da empresa.

“Com o lançamento bem-sucedido dos negócios directos ao consumidor da Disney e a integração da 21st Century Fox já em andamento, acredito que este é o momento ideal para fazer a transição para um novo CEO. Tenho total confiança em Bob e espero trabalhar em estreita colaboração com ele nos próximos 22 meses, à medida que ele assume essa nova função e se aprofunda nos negócios e operações globais multifacetadas da Disney, enquanto continuo focado nos esforços criativos da empresa.”

Bob Chapek, o sucessor, também já se pronunciou sobre a decisão e sobre o seu novo papel na companhia, não desfazendo todo o trabalho feito por Iger até à data.

“Estou incrivelmente honrado e grato em assumir o papel de CEO daquela que realmente acredito ser a maior empresa do mundo, e em liderar nossos membros e funcionários, excepcionalmente talentosos e dedicados. Bob Iger construiu a Disney numa das companhias de entretenimento mais admiradas e com sucesso, e eu tive a sorte de estar num lugar da primeira fila enquanto membro desta equipa de liderança.”

Lê Também:
Disney+ | Todos os conteúdos que a plataforma está a desenvolver

Segundo o The Hollywood Reporter, o contrato de Chapek foi feito até 2023 e com um salário de 2,5 milhões de dólares. A partida de Bob Iger não deixa de ser agridoce e surge no seguimento de um ano de recordes para a Disney, que certamente será um grande legado da carreira de Iger: “Vingadores: Endgame” tornaram-se o filme mais lucrativo de sempre na história de cinema, os live-actions de “O Rei Leão” e “Aladdin” conquistaram o público, “Frozen 2” excedeu as expectativas, foi lançado em dois parques temáticos o Star Wars: Galaxy’s Edge e o lançamento da Disney+ foi um sucesso, assim como “The Mandalorian”, uma das séries do ano de 2019.

Depois de tantos sucessos nos últimos anos, terá a Disney tomado a atitude certa?

Marta Kong Nunes

Arquitecta (com um c!) de formação. Coordenadora de profissão. Fanática de cinema e séries por pura paixão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *