“Beasts of No Nation” | © Netflix

TOP 10 | Melhores interpretações de crianças no cinema

1 de 11

Crianças divertidas, crianças ingénuas, crianças inocentes. Conhece-as a todas no nosso top 10 interpretações de crianças no cinema. 

A História do Cinema é tão vasta e rica em interpretações de crianças, e sendo junho o mês da criança, com a comemoração do Dia da Criança a acontecer em Portugal a 1 de junho, a Magazine.HD decidiu reunir algumas das melhores interpretações interpretações de crianças no cinema.

Mesmo nas primeiras projeções cinematográficas, nas quais se incluem a primeira exibição da curta-metragem de “Baby’s Lunch” (Irmãos Lumière, 1895), filme em que Auguste Lumière dá de comer à sua filha bebé, os cineastas estavam interessados em filmar crianças. Filmar os seus hábitos, a relação com os seus progenitores e filmar crianças de acordo com o seu mundo.

Mas de um cinema embrionário, com muito de documental, o cinema foi amadurecendo e procurou tornar as crianças em pequenos grandes intérpretes. A afinidade do espectador com os filmes em que entram crianças parece acontecer de maneira mais profunda, mais intensa, que empurram-nos para o nosso lado mais humano. Independentemente dos géneros comédia, drama, terror…as crianças, e os filmes com crianças, remetem-nos à essência da vida.

melhores interpretações de crianças
Jacob Tremblay em “Quarto” (2015) | © George Kraychyk, A24

As crianças que todos já fomos um dia, são também sinónimo de inocência, mas também de nostalgia, e de saudade. É na infância que a nossa mente começa a dar asas à imaginação daquilo que queremos ser quando somos adultos. Na infância, pouco a pouco, vamo-nos despertando para a realidade. Na infância, vivemos com uma áurea mística, contudo possa também  ser a fase da vida em que sofremos com os nossos primeiros traumas.

O cinema tem-nos feito mostrar crianças de vários grupos étnicos, de diferentes pólos culturais, de diferentes costumes e, obviamente, de diferentes famílias. O cinema tem-nos feito questionar o significado do que é ser criança.

Não é fácil definir um Top 10 das melhores interpretações de crianças no cinema. O objetivo  neste artigo, antes sequer de tirar partido de um ou outro desempenho, é sobretudo perceber a diversidade de contextos infantis que dominam no cinema.

Quem é que não se lembra de Danny Lloyd em “Shining” (Stanley Kubrick, 1980)? Henry Thomas em “E.T – O Extraterrestre” (Steven Spielberg, 1982)? Wil Wheaton, River Phoenix, Corey Feldman, Jerry O’Connell e Corey Feldman em “Stand By Me” (Rob Reiner, 1986)? Giorgio Cantarini em “A Vida é Bela” (Roberto Benigni, 1997), Douglas Silva em “Cidade de Deus” (Fernando Meirelles, 2002) ou Jacob Tremblay em “Quarto” (Lenny Abrahamson, 2015)?

E quem é que não se lembra de Linda Blair em “O Exorcista” (William Friedkin, 1973)? Abigail Breslin em “Uma Família à Beira de um Ataque de Nervos” (Jonathan Dayton, Valerie Faris, 2006)? Ou mesmo Saiorse Ronan em “Expiação” (Joe Wright, 2007).

O cinema tem-nos feito questionar o significado do que é ser criança.

E como não relembrar o cinema português e as doces e eternas personagens de Horácio Silva, António Pereira, António Santos e Fernanda Matos em “Aniki Bóbó” (Manoel de Oliveira, 1942) a percorrerem as ruas antigas da cidade do Porto? E como deixar de lado o cinema de animação, sobretudo a Boo de “Monstros e Companhia” (2001), ou o Andy e a Bonnie dos filmes “Toy Story”?

Todos eles crianças de diferentes feitios e de diferentes cantos do mundo e com todos eles nos identificamos. Vivemos as suas vidas, e voltamos ao passado.

Prontos para conhecer algumas das melhores interpretações de crianças no cinema? Queremos também saber quais são as tuas interpretações infantis favoritas no cinema e quais as que colocarias num possível top 10.

1 de 11

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *