©2021 Marvel Studios

Loki, em análise

Loki é o primeiro vilão da Marvel Studios a ter a sua própria série e já recebeu luz verde para nova temporada. Mas será que acrescenta algo de novo à MCU?

Nota prévia: Apesar de já vir ‘fora de tempo’ em relação à estreia/término primeiro temporada, esta análise procura reflectir essencialmente na construção de “Loki” e no seu impacto no universo das histórias Marvel. Os spoilers são reduzidos como habitual.

Os filmes já tinham criado um universo coeso e imerso em ligações e easter eggs, mas o que não esperávamos é que também as novas séries da Marvel Studios nos pudessem trazer a mesma magia para os peuenos ecrãs. Se “WandaVision” foi um bom começo, e “Falcon and the Winter Soldier” manteu o interesse e as portas abertas para novas storylines de filmes e personagens, “Loki” é a confirmação que as séries vão começar a ser indissociáveis dos grandes filmes dos estúdios.

loki marvel loki
Pode ser um vilão, mas Loki é das personagens mais adoradas da MCU © 2021 Marvel Studios

Sim, uma série não é a mesma coisa que um filme, e podemos começar logo pela questão da narrativa; um filme, ainda que agora já se estendam quase até às 3 horas por vezes, tem uma sensação de finito, uma sensação de fecho dentro da sua própria história. Por outro lado, uma série oferece sempre a sensação de uma nova criação e, acima de tudo, de uma possibilidade infinita de desenvolvimento de personagens, ligação emocional e até curiosidade acrescida – algo que a Marvel Studios e a Disney+ conseguiram muito pela estratégia de lançarem apenas um episódio de “Loki” por semana.

“Loki” apresenta-se como terceira série da MCU na plataforma de streaming da Disney+ mas com grandes expectativas – deveria suplantar as anteriores, mostrar que a nova aposta em formatos curtos seria para continuar e mostrar que um vilão da Marvel é tão bom protagonista como um super-herói. A nossa primeira conclusão? Sim, conseguiu! Se é para todos visível e fácil de chegar à mesma conclusão? Bem, talvez não. Mas tal não lhe tira o mérito da sua importância e do quão boa pode ser.

Lê Também:
Loki | Curiosidades da nova série da Disney+

Apesar de ser uma história de um vilão a sair da sombra de um irmão super-herói, Loki é a estrela da série mas com um constante co-protagonista ao lado, a Time Variance Authority (TVA). Juntando-se já a um vasto leque de organizações super-secretas e que se encontram à margem da “sociedade normal”, a TVA é a grande responsável pelo tempo e o espaço, sendo talvez a grande força motora por detrás dos acontecimentos que temos vindo a presenciar nos filmes da MCU nos últimos anos. Ainda que demoremos a encontrar o seu real significado ao longo da série, é nela que Loki encontra o seu propósito maior, mais do que ser vilão ou enaltecer o seu alter ego de Deus da Mentira.

Loki Miss Minutes
Loki partilha o protagonismo com a TVA, a nova organização da qual os fãs querem saber mais ©Marvel Studios

Mas é esta “dupla de protagonistas”, se assim a podemos caracterizar, que faz com que “Loki” seja uma série coesa do primeiro ao último episódio. Com uma linha narrativa criada de forma exímia pelos argumentistas, a série nunca avança um episódio sem nos dar pistas deste “submundo” ou deixar no ar questões pertinentes sobre as suas acções e o impacto nos vários multiversos – afinal de contas, desde cedo percebemos que a TVA é quem conhece todos os multiversos, algo que sempre roçou a teoria nos filmes e que só agora vai ser aprofundado.

SUBSCREVE JÁ À DISNEY+

Para além disso, a Marvel Studios faz aqui o que os fãs mais queriam: aprofundar Loki. Desde “Thor” que esta é talvez a personagem anti-heroína mais adorada por todos os fãs, seja pelo talento enorme e brilhante casting de Tom Hiddleston (que continua imparável enquanto Loki), seja pela sua complexidade enquanto Deus da Mentira, e aqui não desiludiu. Em parte reforçamos que esse crescimento se deveu muito às novas personagens secundárias criadas, nomeadamente Mobius (Owen Wilson) e Sylvie (Sophia Di Martino) – apesar de já ter sido indiciada pelo seu percurso ao longo dos filmes Marvel.

loki disney marvel
Preso na TVA, é aqui que vemos Loki a evoluir das suas crenças e do seu ‘glorious purpose’ ©2021 Marvel Studios

Enquanto que Sylvie ajudou no desenvolvimento de Loki enquanto, bem, Loki e as crenças, Mobius foi quem realmente contribuiu para vermos a personagem central da história a desenvolver outro tipo de crenças e objectivos, elevando-o quase ao estatuto de herói e fazendo-o sair realmente da sombra de Thor. Com uma série que acompanhou uma personagem em constante crescimento, vimos que a Marvel deu a oportunidade a Loki de se descobrir a si mesmo, explorando alguns dos sentimentos mais complexos alguma vez abordados por uma personagem numa série/filme dos estúdios.

Mas fica a nota, há muitas ‘ilusões’ a que nos agarrar nesta série, ou não fosse ela liderada pelo Deus da Mentira. Através do seu mote de “glorious purpose”, e apesar das inúmeras versões suas espalhadas pelo universo, o Loki que conhecemos dos filmes da MCU continua a ser o melhor Asgardian, o Deus mais interessante e o ser mais cativante de se conhecer. Não temendo temas como fé, família, destino e a dualidade do bem e do mal, Tom Hiddleston agarra-nos sempre ao ecrã com os monólogos de Loki – alguns deles os melhores que nos relembramos de todos os filmes da Marvel.

MHD Loki Variant Sylvie
Foi introduzida como uma personagem com grande destaque mas na realidade Sylvie não nos conquistou por completo e pareceu impedir por vezes a narrativa ©2021 Marvel Studios

No que diz respeito às novas caras da série Marvel/Disney+, notamos que nenhuma se destaca em particular para estar no patamar do ‘queremos saber mais’. Sylvie, a secundária com mais protagonismo, é de certo modo irritante, às vezes sem contexto, e muitas vezes disruptiva da narrativa que queremos acompanhar, levando a momentos que nos fazem pensar duas vezes se a série está a ir pelo caminho certo. Já a juíza misteriosa da TVA (Gugu Mbatha-Raw), não oferece muito em termos de presença a não ser que poderá ser a chave para o que realmente queremos saber – o que é a TVA?! Mas, posto isto, se há alguém que fica ligeiramente acima, e com todo o seu mérito, é Mobius (Wilson): afável, fácil de gostar e claramente com uma história que nos puxa, é ele que partilha alguns dos momentos de crescimento de Loki e sabemos que poderá ser o grande factor para vermos um Loki diferente.

Mobius Loki TVA
Owen Wilson entra pela primeira vez na MCU mas ganhando com mérito um lugar de destaque e conquistando os fãs com o seu papel de Mobius ©2021 Marvel Studios

Se no entanto acreditamos que a série é das melhores e mais interessantes em termos de premissa, fica-nos algo em falta com o último episódio. Para quem não conhece bem a história da banda desenhada “sabe a pouco” e torna-se até algo confuso (apesar de acreditarmos que as dúvidas se irão dissipar com os próximos filmes da MCU e até com a segunda temporada já confirmada). Essa falta de contexto, aliada à relação de Loki e Sylvie que nos pareceu pouco convincente, e até forçada, foram talvez os maiores pecados de “Loki”. São pequenos momentos que parecem fazer fugir toda a série pelo meio dos dedos mas que estamos confiantes que não foram feitos ao acaso; há muito para tirar de “Loki” e ele é verdadeiramente o o ponto de partida para o futuro.

Lê Também:
Loki e o Void cheio de Easter Eggs e referências

“Loki” é uma série de topo, e em muito nos leva para a magia do cinema – com uma cinematografia de ambiente pesado e misterioso, mas que tão bem se enquadra na temática e na personagem, a série não parece fora de contexto e traz uma nova visão ao mundo Marvel. Não é por certo a série da MCU mais fácil de ver (comparando às anteriores “WandaVision” e “Falcon and the Winter Soldier”), mas é certamente uma das mais importantes e que mais impacto terá no futuro dos filmes desta nova Fase 4 – afinal de contas, Wanda fez ligação a Dr. Strange mas Loki parece estar muito mais envolvido com a questão do multiverso que já sabemos ser um dos pontos fulcrais com o novo “Homem-Aranha: Sem Volta a Casa” e “Doctor Strange in the Multiverse of Madness“.

O que sentiste desta temporada de Loki? Atingiu as expectativas que havias criado?

Loki, em análise
Loki

Name: Loki

Description: Em "Loki", da Marvel Studios, o icónico vilão Loki retoma o seu papel de Deus da Mentira numa nova série que se desenrola após os acontecimentos de "Vingadores: Endgame".

Author: Marta Kong Nunes

  • Marta Kong Nunes - 82
  • Manuel São Bento - 80
81

CONCLUSÃO

O potencial era enorme, o produto final trouxe muitos easter eggs mas agora queremos mais! Esta foi talvez a primeira série da MCU até ao momento que realmente nos fez sentir que o número de episódios não é suficiente; há muito mais para explorar, muitos acontecimentos para explicar e muito background para contextualizar. Não foi um tiro ao lado mas não esteve ainda à altura do seu verdadeiro potencial (quem sabe estará a guardar-se para a segunda temporada!). Destacamos no entretanto as interpretações, a essência de Loki e uma interessante abordagem ao universo através da “perspectiva” de um proclamad vilão do universo.

Pros

  • Tom Hiddleston. Não há melhor casting para Loki e na nossa MCU, Loki será sempre, sempre interpretado por Hiddleston
  • Os easter eggs espalhados ao longo de toda a série. É uma verdadeira ‘caixinha de doces’ para os fãs mais entusiastas da Marvel
  • A ligação que estabelece entre o que já aconteceu na MCU e o que aparentemente irá acontecer de agora em diante

Cons

  • A relação de Loki e Sylvie – apesar de ter a sua química, nem sempre resultou e pareceu por vezes forçado e até “cringeworthy”, tornando Sylvie quase a personagem central do enredo até.
  • A explicação algo vaga da TVA – queríamos mais contexto da origem e talvez do seu real propósito.
  • O compasso lento dos episódios por vezes
  • Faltou um grande final!
Sending
User Review
0 (0 votes)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Marta Kong Nunes

Fanática de cinema e séries por pura paixão, sou da geração Disney mas também das Tartarugas Ninjas, Motoratos e afins. Já passei pela obsessão de vários géneros de cinema e apesar de me considerar eclética, nada me tira o gozo de um bom filme de acção (por muito irrealista que seja). Séries também se devoram por cá, mas a magia de um filme, será sempre a magia de um filme!

Marta Kong Nunes has 2589 posts and counting. See all posts by Marta Kong Nunes

Leave a Reply

Sending