Black Mirror | © Netflix

Black Mirror, os 10 Melhores episódios

A equipa da Magazine.HD reuniu-se para eleger os 10 Melhores episódios de Black Mirror. A votação incluiu os 22 episódios das cinco temporadas da antologia sci-fi de Charlie Brooker, cujos últimos três episódios foram lançados no início deste mês.

No entanto, as últimas narrativas de Brooker ficaram um pouco aquém do calibre a que nos habituou... Ainda assim, Black Mirror continua a ser uma das melhores séries televisivas da última década!

Será que o teu top 10 coincide com o nosso?

4 de 10

7. WHITE CHRISTMAS

white christmas
© Netflix

Em certa medida, o episódio especial de Natal emitido em 2014 é um meio-termo entre as duas primeiras temporadas e as três com o carimbo Netflix. O capítulo da série com melhor classificação no IMDb (9.2), revelou uma ambição superior na sua produção, demonstrada desde logo através do recrutamento de um actor consolidado como Jon Hamm, quando até aí a tendência era a de lançar talentos à época menos conhecidos como Daniel Kaluuya, Toby Kebbell ou Rory Kinnear.

“White Christmas” é composto por três histórias e começa no dia de Natal com Matt (Jon Hamm) e Joe (Rafe Spall) fechados numa cabana. Joe não se recorda porque ali está, Matt diz-lhe que já ali estão há cinco anos, e que pouco falaram nessa meia década. A Parte I explora o hobby de Matt, ajudar solteiros em encontros graças ao Z-Eye, um dispositivo de realidade aumentada implantado nos olhos que permite que outros vejam o que o portador vê, comunicando com este. O encontro do cliente de Matt termina de forma trágica, e a mulher de Matt acaba a ‘bloqueá-lo’.

Lê Também:
Love Death and Robots, primeira temporada em análise

A Parte II mostra o verdadeiro trabalho de Matt, com cópias digitais de pessoas ou cookies submetidas a tortura para servirem os seus homólogos reais. A Parte III, narrada por Joe ao contrário das duas anteriores, apresenta o porquê de ter sido bloqueado pela mulher através do seu Z-Eye e impedido de acompanhar o crescimento da alegada filha.

No final, “White Christmas” revela-se um interrogatório mascarado em busca de uma confissão. E condena os protagonistas: um a uma solidão num loop contínuo em que 1 minuto é sentido como se fossem mil anos e o outro à impossibilidade de interagir com qualquer pessoa, observando todos em seu redor apenas como silhuetas e sendo percepcionado como uma silhueta vermelha, bloqueado por todos aqueles que cruza.

– Miguel Pontares

4 de 10

Inês Serra

Cresci a ir ao cinema, filha de pais que iam a sessões duplas...Será genético? Devoro livros e algumas séries. Fã incondicional do fantástico e do sci-fi. Gostaria de viver todos os dias com o mote Spielbergiano - "I dream for a living"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *