"Bros - Uma História de AMor" | © 2022 Universal Studios. All Rights Reserved. / © Cinemundo

Bros e outras histórias de amor LGBTQIA+

Até há poucos anos atrás, as histórias de amor LGBTQIA+ apenas obtinham representação cinematográfica em mercados de nicho. Se não fosse esse o caso, tais romances estariam inevitavelmente pautados por desenlaces trágicos, de homofobia interiorizada até ao extremo dos crimes de ódio.

No mês em que estreou “Bros – Uma História de Amor”, uma comédia romântica queer de um grande estúdio, percorremos, nesta galeria, alguns títulos de comédia que festejam o amor queer ao invés de o representarem como condenado à partida. 

Lê Também:
LFF 2022 | Bros, em análise

“Bros”, a primeira grande comédia romântica LGBTQIA+ co-escrita, com produção executiva e protagonizada por um intérprete gay, neste caso Billy Eichner (“Billy on the Street”), estreou este mês nas salas de cinema portuguesas e, por isso, comemoramos a inclusiva e divertida narrativa que tenta provar a tese de que nem todo o amor é igual.

Na realidade, a quantidade de conteúdo LGBT tem vindo a aumentar drasticamente. Na televisão, onde é mais fácil investir em novas propostas – em oposição aos grandes filmes de estúdio – cada vez vemos uma maior diversidade de tipos de amor representados. Esta tendência tem vindo também a manifestar-se no cinema. Por isso, hoje sugerimos algumas histórias de amor LGBTQIA+ a não perder caso tenhas gostado de “Bros”.

SINGLE ALL THE WAY/ SOLTEIRO ATÉ NO NATAL (NETFLIX

netflix Single All the Way (2021)
Michael Urie e Jennifer Coolidge © Philippe Bosse/Netflix

A época das festividades é uma das mais ricas para o lançamento de comédias românticas ambientadas neste período e que nos recordam a importância não só da família, mas também do amor. Previamente reservadas ao retrato de ‘meet cutes’ entre casais heterossexuais cis, os romances de natal leves e que nos aquecem o coração começam cada vez mais a ter lugar para todo o tipo de amor, sem limites ou preconceitos.

Em 2021, a Netflix lançou uma comédia romântica de natal gay, protagonizada por Michael Urie (mais conhecido como o Marc de “Ugly Betty”) e que conta ainda com Philemon Chambers e Luke Macfarlane (o co-protagonista de “Bros”).  Esta é a história de Peter (Urie) que, num belo Natal, farto que a família julgue o seu estatuto como solteiro, convence o seu melhor amigo Nick (Chambers) a juntar-te à sua família para as festividades e fingir estarem numa relação.

Ora, tudo se complica quando a mãe de Pete (Kathy Najimy) lhe arranja um encontro com James (Macfarlane), o seu belo treinador.

Como não podia deixar de faltar, o filme, como qualquer comédia romântica que se apresente, conta com Jennifer Coolidge (“Legally Blonde”, “American Pie”, “White Lotus”) num papel secundário.




HAPPIEST SEASON/ SEGREDO EM FAMÍLIA (NETFLIX

Happiest Season
“Happiest Season” | © Hulu

Já agora, continuamos a explorar a temática das festas e passamos por este filme de 2020, uma comédia romântica lésbica com um elenco de luxo – Kristen Stewart, Mackenzie Davis, Alison Brie, Aubrey Plaza ou ainda Dan Levy, que tanto fez pela representação de temáticas queer com a sua série “Schitt’s Creek”.

“Happiest Season” foi uma das longas-metragens do Natal de 2020, conseguindo abordar de uma nova forma uma temática recorrente, a do romance de Natal, sem abandonar o carácter formulaico, mas atribuindo-lhe nova alegria e diversidade através de diálogos eficazes e performances cativantes:

Abby quer pedir Harper em casamento durante o Natal em família, mas depara-se com um problema quando a parceira lhe revela que a sua família não sabe que elas são gay.

Lê Também:
LFF 2022 | Bros, em análise



BOOKSMART: INTELIGENTES E REBELDES (2019) 

Booksmart e histórias de amor LGBTQIA+
Booksmart | © NOS Audiovisuais

Na véspera de acabarem o Ensino Secundário, duas estudantes dedicadas e melhores amigas, Amy (Kaitlyn Dever) e Molly (Beanie Feldstein) compreendem, quando os seus colegas preguiçosos também entram em boas escolas, que deveriam ter-se divertido bem mais.

Determinadas a não ficar para trás, as duas amigas embarcam numa noite de loucura durante a qual tentam compensar quatro anos de uma só assentada.

“Booksmart”, a primeira longa-metragem realizada por Olivia Wilde, não é explicitamente um filme sobre amor queer, mas é uma obra contemporânea que se movimenta no bom caminho, englobando relações LGBT de forma orgânica, como parte da paisagem de qualquer liceu na atualidade. A representação importa, mas não é uma arma de estratégia promocional.




THE BIRDCAGE/ CASA DE DOIDAS (1996) 

Casa de Doidas histórias de amor LGBTQIA+
©AMC

Subvertendo um pouco a nossa tendência de filmes muito recentes que constam desta lista, apresentamos um clássico realizado pelo icónico Mike Nichols (“A Primeira Noite”).

“Casa de Doidas” é uma comédia que bebe inspiração da peça “La Cage Aux Folles“, protagonizada por Robin Williams, Gene Hackman, Nathan Lane e Dianne Wiest. Para além de adaptar o musical mencionado, o filme é também o remake de uma obra de 1978.

Nesta história, Armand Goldmann (Williams), dono de uma disco gay, partilha a sua vida com Albert (Nathan Lane), que trabalha como drag queen na sua discoteca. Vivem ainda com Val, jovem de 20 anos, fruto de uma antiga relação heterossexual de Armand.

A sua vida fica em alvoroço quando Val anuncia que vai casar com a filha do senador Kevin Keely (Gene Hackman), um homem altamente conservador e homofóbico. Para conhecer o senador, está na altura de voltar para o armário…

Onde ver: O filme pode ser alugado na MEO, ou ainda comprado na Apple TV, Youtube ou Google Play.




BUT I’M A CHEERLEADER (1999) 

Natasha Lyonne in But I'm a Cheerleader (1999) e histórias de amor LGBTQIA+
Natasha Lyonne em “But I’m a Cheerleader” (1999) | ©Lions Gate Films

Qualquer pessoa que saiba o mínimo sobre cultura gay, sabe que Natasha Lyonne (“Russian Doll”, “Orange is the New Black”) é um gigante ícone lésbico. Grande parte deve-se à sua prestação central na comédia adolescente “But I’m a Cheerleader”, narrativa do final dos anos 90 que parodia os clichés deste género e das próprias narrativas LGBT que se começavam a tornar mais recorrentes.

Esta é a história de uma adolescente típica, Megan (Natasha Lyonne), uma capitão de claque com um namorado perfeito que choca os pais quando admite ser homossexual. Em consequência, é enviada para um campo de conversão onde conhece Graham (Clea DuVall), por quem começa a nutrir sentimentos.




I LOVE YOU PHILLIP MORRIS/ EU AMO-TE PHILLIP MORRIS (2009)

Histórias de amor LGBTQIA+ I love you phillip Morris
Jim Carrey e Ewan McGregor em “Eu Amo-te Phillip Morris” (2009) |©Roadside Attractions

Jim Carrey e Ewan McGregor protagonizam esta acarinhada comédia criminal biográfica, na qual um polícia se torna burlão depois de sair do armário. Uma vez na prisão, conhece o segundo amor da sua vida, e a partir deste ponto fará de tudo para estar com ele.




THE FAVOURITE/ A FAVORITA (DISNEY+

A Favorita
“A Favorita” |©Big Picture Films

“A Favorita”, do incomparável Yorgos Lanthimos (“A Lagosta”), é uma obra distinta de qualquer outra que já possamos ter visto. Uma comédia de época LGBT que coloca o surreal em primeiro plano e que nos apresenta excelentes prestações por parte da tríade de protagonistas: Olivia Colman, Emma Stone e Rachel Weisz.

Início do século XVIII. Inglaterra está em guerra com França. No entanto, as corridas de patos continuam a prosperar e comem-se ananases ostensivamente. Uma frágil rainha Anne (Olivia Colman) ocupa o trono e a sua amiga mais próxima, Lady Sarah (Rachel Weisz),governa o país por ela e ao mesmo tempo cuida da saúde precária de Anne e gere o seu temperamento imprevisível. Quando a nova criada Abigail (Emma Stone) chega, o seu charme conquista Sarah. Sarah leva Abigail sob a sua asa e Abigail vê uma oportunidade de voltar às suas raízes aristocráticas. Como a guerra acaba por consumir bastante o tempo de Sarah, Abigail entra em cena subtilmente para assumir o papel de dama de companhia da rainha. Esta ascendente amizade dá-lhe assim a hipótese de cumprir as suas ambições, não deixando nenhuma mulher, homem, política ou coelho ficar no seu caminho.




DO REVENGE/ JUSTICEIRAS (NETFLIX

Do Revenge Netflix e histórias de amor LGBTQIA+
Do Revenge © Kim Simms/Netflix

Sim, esta não é uma grande obra-prima, claro está. Todavia, não podíamos deixar de incluir, nesta lista de filmes com histórias de amor LGBTQIA+ o muito recente “Do Revenge”, de 2022.

Esta comédia negra protagonizada por Maya Hawke (“Stranger Things”) e Camila Mendes (“Riverdale”) brinca com inúmeros clichés das comédias românticas adolescentes dos anos 90 e 2000 e está repleto de referências à cultura pop de então e de agora. Por isso, é um ‘crowd pleaser’ instantâneo:

Uma jovem popular que perdeu o seu estatuto numa escola privada faz um acordo com uma aluna nova para ambas se vingarem dos inimigos em comum.

Aqui, Maya, ela própria bem próxima de se tornar um queer icon, dá vida a Eleanor, uma jovem lésbica que acabou de ser transferida para uma nova escola, onde um rumor acabou de lhe destruir a vida social. Juntamente com Drea (Camila Mendes), procuraram vingar-se de quem lhes manchou a reputação.

O duo tem uma química inegável e o filme está repleto de queer rage e female rage (raiva queer e raiva feminina) e, claro, até tem direito a uma make over como qualquer comédia adolescente que valha a pena ver!

Lê Também:
Adolescência | 30 melhores filmes sobre a juventude



THE ADVENTURES OF PRISCILLA, QUEEN OF THE DESERT/ PRISCILLA, RAINHA DO DESERTO (APPLE TV)

Priscilla, Rainha do Deserto (1994)
Guy Pearce em “The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert)” | © 1994 Metro-Goldwyn-Mayer Studios Inc. All Rights Reserved.

Surge assim, nesta lista, mais um filme da década de 1990 com uma drag queen no centro da narrativa. Neste caso, trata-se de uma comédia musical. Esta é uma narrativa australiana que causou furor em Cannes e venceu, inclusive, o Óscar de Melhor Guarda-Roupa. Como característica distintiva, é um filme de viagem repleto de exuberância:

Duas drag queens e uma mulher trans são contratadas para um espectáculo drag num resort em Alice Springs, uma remota cidade australiana. Partem de Sydney a bordo do seu autocarro lavanda chamado Priscilla. Durante a viagem, descobrem que a mulher que os contratou é a mulher de Anthony, uma das drag queens. Pelo caminho, o seu autocarro avaria-se e é reparado por Bob, que segue viagem com o grupo.




FIRE ISLAND (DISNEY PLUS

Fire Island e histórias de amor LGBTQIA+
Fire Island © STAR/Disney+

Fechamos esta breve lista de 1o títulos com histórias de amor LGBTQIA+ com a história fora da caixa de “Fire Island”. Mais um filme de 2022, e um que adota uma tendência recorrente no cinema: adaptar conteúdo de Jane Austen e apresentá-lo como algo totalmente distinto.

Esta é uma comédia romântica dos tempos modernos, que coloca o seu ênfase na queerness. No centro da história, estão dois melhores amigos e o seu grupo de companheiros de aventuras extremamente eclético.

Encontraste aqui representadas as histórias de amor LGBTQIA+ cómicas da tua vida? 

Maggie Silva

Comunicadora de profissão e por natureza. Dependente de cultura pop, cinema indie e vítima da incessante necessidade de descobrir novas paixões. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Maggie Silva has 499 posts and counting. See all posts by Maggie Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.