SABA, representante da Dinamarca na Eurovisão © William Green

Eurovisão 2024 | “Quero inspirar os outros”, revela SABA da Dinamarca em entrevista

SABA vai atravessar a ponte que une Copenhaga a Malmö para ser recebida no palco da Eurovisão 2024. Falamos com a artista sobre a sua canção. 

Sumário:

  • SABA fará história ao tornar-se na primeira mulher negra e queer a representar a Dinamarca no concurso;
  • “Cresci num lar cheio de música. Mas certamente a minha herança cultural também me inspirou e eu oiço muitos artistas negros que trazem a sua cultura para a música.”;
  • “É a minha sincera vontade de inspirar outros que se identifiquem com a minha jornada a se lançarem na procura daquilo que mais admiram nas suas vidas.”

Na próxima semana, a Europa e o mundo serão apresentados à voz intensa de SABA, a artista que representará a Dinamarca na 68ª edição do Festival Eurovisão da Canção, sediado em Malmö, na Suécia. Nesta que marca a 51ª participação do país no evento eurovisivo, o público será cativado pela melodia de “Sand“, uma canção inspiradora que exalta a autenticidade. Mas quem é SABA? E qual a mensagem por detrás das suas letras?

Eurovisão 2024
SABA © William Green

SABA, na verdade, assume-se como uma das jovens promessas no cenário musical dinamarquês. A música sempre fez parte da sua vida, cantando em casa desde criança, mesmo assim até agora tinha sido a sua irmã gémea a artista mais reconhecida. Por acaso do destino, quando a sua irmã adoeceu durante a gravidez, SABA assumiu o seu papel no musical “Hair”, abrindo o espetáculo com a icónica música “Aquarius“.

Esse seria o momento monumental para a artista, o mais memorável até agora ao longo da sua carreira musical. Embora haja outros gémeos nórdicos na Eurovisão 2024 (Marcus & Martinus, representantes da Suécia), SABA sabia que queria conquistar o seu espaço no mundo da música por mérito próprio.

SABA representa a Dinamarca na Eurovisão com “Sand

Esta nova estrela está empenhada em representar diversas comunidades no palco e tornar a Eurovisão uma celebração inclusiva. É quase como um regresso às origens do festival, à mensagem de celebração de tudo e de todos através do poder da música. SABA, curiosamente, tem sido aberta sobre as suas próprias batalhas com a saúde mental e também partilhou a sua experiência como dinamarquesa adotada na Etiópia (aconteceu quando tinha apenas 8 meses de idade). Ao competir na Eurovisão, SABA fará história ao tornar-se na primeira mulher negra e queer a representar a Dinamarca no concurso. Este é um momento significativo para o presente, mas também para o futuro e sabemos que as portas poderão finalmente abrir-se.

Lê Também:   Festival Eurovisão da Canção 2024 vai ser transmitido em direto na nossa TV

Quanto a referências maiores na Eurovisão, Conchita Wurst é a inspiração absoluta para SABA. Relembremo-nos que Conchita venceu o concurso há exatamente 10 anos pela Áustria, com a marcante “Rise Like A Phoenix“. Mais apropriado ainda para SABA, Conchita ganhou quando o concurso foi realizado na Dinamarca. Outras das suas músicas favoritas são “Never Dreamed You’d Leave In Summer” de Stevie Wonder, “I Care” de Beyoncé e “Bad Religion” de Frank Ocean.

Ouve já I Care de Beyoncé

Antes de falarmos SABA na primeira pessoa vale a pena refrescarmos a memória até ao ano em que a Dinamarca ganhou a Eurovisão pela primeira vez. Foi em 1963, com a música “Dansevise” interpretada por Grethe e Jørgen Ingmann. Já segunda vitória aconteceu em 2000 com os Irmãos Olsen e a música “Fly on the Wings of Love“. A terceira vitória chegou em 2013, com “Only Teardrops” interpretada por Emmelie de Forest, uma vitória que aconteceu precisamente na Suécia. Será este o destino de SABA?

Entrevista a SABA

MHD: Será que me podes contar mais sobre a tua decisão de participar na Eurovisão?

SABA: Para mim, o ponto de partida foi que eu queria representar a Dinamarca como a primeira cantora negra e queer. Vi isso como uma oportunidade de mudar uma estatística e trazer mais diversidade para este festival de música. Além disso, sou fortemente impulsionada pelo desafio criativo, e depois da minha estreia como cantora no musical “Hair”, queria levar a música a um nível maior. Agora isso é possível!

Lê Também:   Festival Eurovisão da Canção 2024 vai ser transmitido em direto na nossa TV

MHD: O que podemos esperar da tua performance no palco da Eurovisão?

SABA: Muito do que fizemos na Dinamarca, achamos que funcionou muito bem. Mas é claro que vamos melhorar em várias áreas – o pódio, os ecrãs, as luzes e assim por diante. Ainda assim, será uma atuação muito simples e poderosa. Queremos que seja apenas um reflete da minha personalidade, portanto vou estar sozinha no palco.

Eurovisão 2024
O segundo ensaio de SABA na Eurovisão © Sarah Louise Bennett / EBU

MHD: Será que poderias partilhar a tua jornada de crescimento como rapariga negra e queer da Etiópia que cresceu numa pequena cidade na Dinamarca? Como é que isso influenciou a tua música?

SABA: Primeiramente, cresci num lar cheio de música. Mas certamente a minha herança cultural também me inspirou e eu oiço muitos artistas negros que trazem a sua cultura para a música. Mas, no geral, tenho um gosto musical muito amplo com pop, R’n’B e rock. A minha experiência como uma mulher negra e queer, vinda da Etiópia para uma pequena cidade dinamarquesa, trouxe uma riqueza de perspetivas à minha música. Esta jornada de autodescoberta e aceitação moldou as minhas letras e as minhas melodias, permitindo-me expressar a minha palavra de uma maneira poderosa e universalmente ressonante. Sinto que o caminho que atravessei é inspirador.

Lê Também:   Eurovisão 2024 | "Já cantei fado e gosto muito de Portugal", Marina Satti da Grécia em entrevista

Recorda a 3.ª vitória da Dinamarca na Eurovisão

MHD: Sentes que podes usar a Eurovisão como uma plataforma para inspirar outras pessoas que possam se identificar com o teu percurso?

SABA: Sim, espero e acredito que eu, como uma mulher negra – que também é adotada -, queer e enfrenta desafios mentais, possa desempenhar um papel importante e tornar Malmö uma festa inclusiva, onde posso representar muitas pessoas e a Dinamarca à minha maneira. Estarei também a representar muitas pessoas que me vêem, posso espelhá-las dalguma forma. Gostaria que essas pessoas pudessem sentir a minha história. É crucial usar a minha voz numa plataforma como a Eurovisão para inspirar outras pessoas, para que se sintam encorajadas a seguir seus próprios sonhos.

Eurovisão 2024
O segundo ensaio de SABA na Eurovisão © Sarah Louise Bennett / EBU

MHD: “Sand” é uma música tão emotiva. Como você pessoalmente se conectou com a letra, especialmente considerando suas próprias experiências com doenças mentais?

SABA: A música é sobre o sentimento de perder o controlo sobre a tua vida. É sobre um relacionamento que se desmoronou – ou sobre um outro aspeto importante da tua vida que desaparece de repente, sem que tenhas qualquer controlo. Acredito que muitos podem se identificar com o sentimento de perder o controlo – que às vezes as coisas acontecem coisas ao teu redor sem que tenhas qualquer influência. Eu, por exemplo, já perdi o controlo muitas vezes e está tudo bem.

Lê Também:   Eurovisão 2024 | Factos que provavelmente não sabias sobre FAHREE e Ilkin Dovlatovm, do Azerbaijão

Ouve a versão acústica de Sand

MHD: Este é teu primeiro grande projeto como artista. O que te inspirou a dar esse salto, e como é que isso difere dos teus trabalhos anteriores?

SABA: Novamente, sou impulsionada pelo desafio criativo. Quando estava em tour com o musical ‘Hair’, tive a ideia; eu queria representar a Dinamarca como a primeira cantora negra e queer no Eurovisão! É quase inacreditável pensar que antes eu era uma jogadora de futebol, não é? A vida deu uma reviravolta incrível nos últimos meses.

MHD: Qual a mensagem que esperas enviar para os espectadores ao redor do mundo?

SABA: Desejo ser reconhecida como uma figura significativa, alguém empenhada em transformar Malmö numa celebração de diversidade e inclusão. Quero-me representar não apenas a mim mesma, mas também a diversas pessoas e à Dinamarca de uma forma autêntica. Além disso, espero alcançar aqueles que talvez nunca tenham se sentido representados antes, criando um momento especial durante a minha apresentação. É a minha sincera vontade de inspirar outros que se identifiquem com a minha jornada a se lançarem na procura daquilo que mais admiram nas suas vidas. Temos mesmo de fazer aquilo que mais gostamos.

MHD: Olhando agora além da Eurovisão, quais são os teus planos no futuro? 

SABA: Ainda não decidi o que irei fazer depois da Eurovisão. Mas estou a considerar algumas oportunidades diferentes!

Entrevistas Eurovisão 2024

Estamos confiantes que SABA fará um extraordinário trabalho no palco da Eurovisão. Estás também confiante?



Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *