Diane Warren escreveu a música "Io sì (Seen)" de "Uma Vida à Sua Frente" | REGINE DE LAZZARIS AKA GRETA/Netflix

História dos Óscares | As canções nomeadas de Diane Warren

1 de 12

Conhece todas as canções nomeadas para os Óscares da autoria de Diane Warren, uma das compositoras mais célebres de Hollywood. 

Voltamos à rubrica História dos Óscares em força. Depois de analisarmos os melhores momentos dos últimos 10 anos de cerimónias de Óscares, não poderemos passar ao lado das nomeações de Diane Warren, um dos nomes mais pertinentes junto da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas nos dias de hoje e que pode finalmente arrecadar o Óscar com “Io Sì”.

É certo que a maioria dos espectadores não conhece o seu rosto, afinal Diane Warren tem construído uma carreira sem se preocupar demasiado com a promoção da sua imagem. Não é nenhuma atriz, nem sequer uma figura musical afamada em redes sociais, como outras que já arrecadaram a tão ambicionada estatueta dourada.

Apesar de ser aclamada por diferentes organismos e associações internacionais de prémios, afinal já ganhou três prémios Grammy, foi a primeira compositora na história da Billboard a ter sete hits e cinco vezes considerada a compositora do ano pela associação American Society of Composers, Authors and Publishers, Diane Warren é praticamente (e infelizmente) uma desconhecida das massas. Assim como o argumentista é esquecido em relação ao ator que profere as suas palavras, o mesmo também acontece muitas vezes em termos musicais. Na maioria dos casos pensamos que são os músicos que cantam os responsáveis pelas letras e obviamente isso nem sempre acontece. Diane Warren é uma insider da indústria musical e cinematográfica de Hollywood, que se tem assumido como uma estranha outsider .

De qualquer forma, para os mais atentos é fácil deixar-se espantar pela carreira desta compositora. O magnetismo de Diane Warren tem chegado até nós através da magia da música e letra das suas canções presentes em mais de 100 filmes. Nascida a 7 de setembro de 1956 em Van Nuys na Califórnia, Diane Eve Warren teve a ajuda do seu pai David Warren para alcançar os seus sonhos. Aos 12 anos, recebeu a sua primeira guitarra e durante muito tempo o pai acompanhava-a às grandes empresas de distribuição do mercado musical onde apresentava as suas composições, embora sem qualquer sucesso.

Pouco depois de ter concluído os estudos na Universidade Estatal da Califórnia, escreveria um dos seus maiores hits: “Solitaire” com interpretação de Laura Branigan e que ocupou o 7º lugar na lista de canções mais tocadas de 1983. Desde então, não tem parado e é desejada por vários produtores e realizadores de cinema para a composição de canções originais.

O currículo de Warren inclui alguns os maiores êxitos que têm dominado a história da cultura popular desde os anos 80 até à atualidade.  As canções de Diane Warren estão presentes nos mais icónicos filmes como “Os Caça-Fantasmas” (Ivan Reitman 1984), “Space Jam” (Joe Pytka, 1996), ou “Espírito do Desejo” (Penny Marshall, 1996), embora não sempre esses filmes a colocaram mais perto de uma estatueta dourada, longe disso. Algumas das suas músicas até conseguimos ouvir diariamente numa rádio portuguesa, sendo provavelmente “I Don’t Miss a Thing” o seu hit mais tocado. Prevista para ser cantada por Céline Dion, passou para as mãos dos Aerosmith, mas continua a ser Diane Warren a responsável exclusiva pela sua criação. Para além dos Aerosmith, a artista também trabalhou com Beyoncé, Lady Gaga, Tina Turner, Aretha Franklin, Mariah Carey, Cher, Barbra Streisand, Elton John entre outros.

Em termos de Óscares, Diane Warren é a mulher mais nomeada de sempre aos prémios da Academia sem nunca ter ganho. Até ao momento foram 11 nomeações. Poderíamos compará-la a Glenn Close, outra artista americana destinadas ao fracasso junto dos votantes da Academia.

Este ano, Diane Warren é considerada a grande favorita para o Óscar de Melhor Canção Original, não só porque integra a lista de finalistas na respetiva categoria, como pela vitória bastante inesperada do Globo de Ouro no passado domingo dia 28 de fevereiro. Será que é desta que vemos Diane Warren subir ao palco (virtual) do Dolby Theatre?

Uma Vida à Sua Frente
Sophia Loren e Iosif Diego Pirvu em “Uma Vida à Sua Frente” © Netflix

A canção que escreveu para o filme “Uma Vida à Sua Frente” (lê a nossa análise ao filme que marca o regresso de Sophia Loren ao ecrã) intitula-se “Io Sì”, sendo totalmente interpretada em italiano pela vencedora do Grammy Laura Pausini. Este hino italiano à aceitação e à partilha consegue provar que há espaço para que canções noutros idiomas que não o inglês arrecadem prémios na América. As emoções às quais à música nos apela são totalmente universais.

“Io sì” é sobre estarmos ao lado de alguém que precisa da nossa ajuda. É sobre o estarmos presentes nos momentos mais difíceis, de dor e de perda das nossas vidas. Se há algo que as músicas de Diane Warren nos têm ensinado em quase 40 anos de fama, é que o outro é sempre mais importante do que eu.

“Io sì” de Diane Warren e Laura Pausini a caminho dos Óscares

Antes sequer de ouvirmos todas as canções de Diane Warren nomeadas para os Óscares, vale a pena destacar o comentário da compositora sobre o seu trabalho para “Uma Vida à Sua Frente”.

Tanto Madame Rosa quanto Momo, interpretados com maestria pela lendária Sophia Loren e pelo novato Ibrahima Gueye, não são vistos pelo mundo exterior, mas aprendem a ver-se de verdade, embora não seja fácil ao início. Não havia voz melhor para esta música do que a brilhante Laura Pausini. Sinto-me privilegiada por ela ter decidido cantá-la e trazê-la à vida como ninguém mais poderia ter feito. Eu associei imediatamente a expressão ‘ser visto’ às personagens. Ninguém realmente vê Momo e Madame Rosa e, por meio do relacionamento, eles vêem-se e amam-se mutuamente.

Na MHD queremos celebrar Diane Warren, a artista responsável por tornar a língua inglesa mais humilde, mais sincera, mais humana nas diferentes canções que escreveu. Os temas abordados pela compositora não se limitam à trivialidade das histórias de amor. Nos extraordinários trabalhos de Warren surgem questões sociais, políticas e culturais importantes, sobre a partilha para com os outros, sobre os traumas, sobre os sentidos de comunidade ou simplesmente sobre o facto de estarmos vivos.

Vem connosco nesta viagem sobre as 11 músicas de Diane Warren nomeadas para o Óscar de Melhor Canção Original.

1 de 12

Virgílio Jesus

Era uma vez em...Portugal um amante de filmes de Hollywood (e sobre Hollywood). Jornalista e editor de conteúdos digitais em diferentes meios nacionais e internacionais, é um dos especialistas na temporada de prémios da MHD, adepto de todas as formas e loucuras fílmicas, e que está sempre pronto para dois (ou muitos mais!) dedos de conversa com várias personalidades do mundo do entretenimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *