Os Óscares do Tendinha: Os Vencedores

Os Prémios Cinetendinha, instituídos pelo crítico de cinema Rui Pedro Tendinha, no seu programa da SIC Radical, foram ontem, sábado, entregues em Loulé, numa cerimónia descontraída, que distingui entre outros, os filmes ‘A Metamorfose dos Pássaros’ e ‘Titane’.

Sem grande surpresa ‘A Metamorfose dos Pássaros’, de Catarina Vasconcelos foi o vencedor da categoria de Melhor Filme Português de 2021; ao passo que na categoria de Melhor Filme Internacional, o prémio foi surpreendentemente esse sim, para ‘Titane’, de Julia Ducournau, a Palma de Ouro do Festival de Cannes 2021. Dois prémios bem entregues, numa temporada particularmente distinta e de afirmação das cineastas-mulheres. ‘A Metamorfose dos Pássaros’, de Catarina Vasconcelos, sucede assim a ‘Listen’, de Ana Rocha de Sousa, o vencedor da primeira edição. Este prémio vem consolidar mais uma distinção para um dos filmes mais premiados e com mais projecção internacional nos últimos anos. ‘A Metamorfose dos Pássaros’ foi aliás, o escolhido pela Academia Portuguesa de Cinema, para representar Portugal na pré-selecção aos Óscares 2022. Trata-se de um documentário ficcional sobre as memórias familiares da realizadora lisboeta, que não atingiu a short-lista dos Óscares, mas recebeu vários galardões em festivais internacionais e um enorme reconhecimento da crítica. 

Cinetendinha
Uma fotografia com todos os premiados e apresentadores dos prémios.

A escolha de Melhor Filme Internacional, não foi propriamente fácil já que estiverem entre as escolhas possíveis, alguns dos melhores filmes do ano como, ‘The Card Counter – O Jogador’, de Paul Schrader, ou ‘Licorice Pizza’, de Paul Thomas Anderson. O filme-choque ‘Titane’ de Julia Ducournau — um terrível retrato das experiências emocionais e sexuais da/do protagonista — acabou por ganhar e sucede assim a ‘Tenet’, de Christopher Nolan, o vencedor da primeira edição dos Prémios Cinetendinha de 2021.

VÊ TRAILER DE ‘A METAMORFOSE DOS PÁSSAROS’

Lê Também:
DOCE estreia na HBO Max Portugal

O jovem João Arrais, — interpreta um rapaz que vagueia por uma paisagem africana pós-catástrofe em busca do fantasma da sua mãe — o protagonista de ‘Serpentário’, de Carlos Conceição, trouxe grande surpresa no fim de tarde algarvio e ameno — o favoritismo ia para João Nunes Monteiro, protagonista de ‘Mosquito’ e em breve Shooting Star nacional na Berlinale 2022 — ao ganhar na categoria de Melhor Ator Nacional; a bela e carismática Anabela Moreira em O Último Banho’, de David Bonneville, — interpreta uma ex-freira dividida entre a fé e desejo pelo jovem sobrinho — venceu o prémio de Melhor Atriz. Infelizmente a actriz não esteve presente na cerimónia devido ao facto de estar infectada com Covid 19, agradecendo por isso o prémio e com  algumas dificuldades, através de um video pré-gravado.

Rui Pedro Tendinha
Rui Pedro Tendinha é o autor, apresentador e organizador destes prémios.

Uma novidade nas categorias dos prémios foi a de Melhor Elenco/Colectivo, que distinguiu os atores e atrizes do filme ‘Bem Bom’, de Patrícia Sequeira — o percurso da banda feminina As Doce, nos anos 80 — tendo sido Ana Marta Ferreira — interpreta Laura Diogo no filme — a receber este prémio, representado, aliás como os oficiais, por uma claquete, em madeira pura gravada.

Joaquim de Almeida

Igualmente num contexto de reconhecimento e revelação de trabalho feito, destaca-se também a actriz Catarina Wallenstein — que tem estado praticamente em todos os filmes portugueses estreados nos últimos tempos e a estrearem em breve — que venceu o Prémio Talento Futuro, um galardão especial, que visa estimular uma carreira em ascenção; e um Prémio Tributo de Carreira, para o ‘internacionalíssimo’ actor português Joaquim de Almeida. Recorde-se que este actor tem uma carreira enorme e que, para além de Hollywood, conquistou o público francês e espanhol, tendo tido ao mesmo tempo, uma importância decisiva no cinema nacional. Estes Prémios Cinetendinha, organizados pelo crítico Rui Pedro Tendinha através do seu programa de cinema da SIC, são como habitualmente votados por um painel de críticos, cineastas, atores e programadores convidados pelo jornalista e apresentador, e do qual também fazemos parte. A segunda gala dos Prémios CineTendinha decorreu ontem sábado, 22 de janeiro no Cineteatro Louletano, em Loulé, e foi transmitida em direto no SAPO Mag e no SAPO. A SIC Radical irá posteriormente transmitir um compacto. O evento reuniu bastantes figuras da crítica e profissionais de cinema, incluído, para as equipas dos filmes: ‘28 e ½’, de Adriano Mendes — um drama sobre uma geração presa numa sociedade pouco jovem; e a de Nunca Nada Aconteceu’ de Gonçalo Galvão Teles, um filme que segue segue a história de três jovens, Pedro (Bernardo Lobo Faria), Maria (Alba Baptista) e Paulo (Miguel Amorim), que. juntos, vivem numa espécie de universo paralelo, onde conseguem escapar pela convivência a todos os traumas e desilusões da vida de jovem adulto. Além dos vencedores dos prémios, estiveram presentes os actores Tiago Aldeia, Sílvia Rizzo ou Fernando Alvim, entre outros, para entregar os prémios.

Lê Também:
DOCE estreia na HBO Max Portugal

Anabela Moreira

A cerimónia dos Cinetendinha foi um dos vários eventos da 1ª Algarve Film Week, iniciativa que procura colocar também Loulé no centro das atenções cinéfilas em Portugal e que em princípio regressará em janeiro, já com mais infra-estruturas de acolhimento e produção audiovisual.

JVM

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

José Vieira Mendes has 524 posts and counting. See all posts by José Vieira Mendes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.