Buffy, The Vampire Slayer | © The WB Television Network

As 10 séries adolescentes mais viciantes

O Século XXI introduziu maravilhas como as gravações automáticas e os serviços de streaming. Com eles chegou o binge watch. Aqui ficam algumas das séries adolescentes que merecem sempre ser vistas (e revistas) nesta nova era de ouro da televisão! 

Series de adolescentes, para adolescentes (e não só) e protagonizadas por jovens são um pilar imprescindível da cultura popular. Já assim o é desde a década de 90 (pelo menos), e é uma tendência que nunca nos abandonou. Até Portugal não escapou a esta “moda”. Seja a emissão de novelas centradas na juventude, como Malhação ou As Chiquititas, ou o estrondoso sucesso de Morangos com Açúcar, inclusivamente exportada para fora de Portugal, há que destacar que o teen show faz parte da fibra da ficção dentro e além fronteiras.

Aqui, centro-me nas séries adolescentes que definiram o género norte-americano, com uma pitada da televisão britânica à mistura.

1 de 10

 GILMORE GIRLS (2000 – 2007 ) 

GILMORE GIRLS
Gilmore Girls | ©Warner Bros. Television

É “Gilmore Girls” uma série adolescente? Centrada na relação simbiótica entre mãe e filha, Lorelai e Lorelai Gilmore (Rory), este conteúdo é uma referência absoluta na cultura pop. Considerando que uma das protagonistas é uma adolescente (se excluirmos a Rory adulta de “A Year in the Life”), que passa o seu tempo na escola, na loja de antiguidades da sua melhor amiga e a namoriscar com outros adolescentes, podemos enquadrar a série dentro do género. Não corresponde propriamente a cada cânone típico, mas mostra-nos sem dúvida o que é crescer.

Lê Também:
Red Hot | 20 filmes sobre sexo na adolescência (Parte 1)

Neste caso, mostra-nos o que é crescer em estilo, com diálogos inteligentes, sarcásticos, repletos de referências a cinema, televisão, entretenimento em geral. Em inglês, dir-se-ia que a série é witty. É , sim, repleta de carácter, munida de uma identidade muito própria, que se manifesta do início ao fim.

“Gilmore Girls” viu muitas casas. Começou como uma série da WB network, nos tempos áureos em que a Warner Brothers não só tinha produção televisiva como criou imensos conteúdos que resistiram (até agora, pelo menos) à prova do tempo. Quando terminou, em 2007, tinha já migrado para o canal de séries teen por excelência, a CW. Em 2016, regressou com uma sequela tardia – “A Year in the Life”, agora na Netflix.

Tendo esta continuação terminado com um cliffhanger, é muito provável que a história desta série, que já conta com 19 anos, não esteja ainda terminada. O seu período áureo já passou, sem dúvida alguma, mas Star Hollows é um local imaginário onde é sempre mágico voltar.

1 de 10

Maggie Silva

Licenciatura e Mestrado em Ciências da Comunicação na vertente de Cinema e Televisão pela FCSH-UNL, porque à segunda é de vez. Dependente de cultura pop e cinema indie. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *