Uncut Gems |©A24

Óscares 2020 | O que o Festival de Toronto pode significar na corrida

Continuamos no rescaldo do arranque dos festivais de cinema no final do verão. Depois do Festival de Veneza, Também o Toronto International Film Festival é um importante barómetro para medir quais os filmes da temporada de festivais com potenciais para chegar aos Óscares 2020. 

O Toronto International Film Festival, ou TIFF, como é por norma apelidado, é o festival de cinema mais importante do Canadá e um dos mais proeminentes não só no circuito americano, como no panorama mundial. No que diz respeito ao mercado dos Estados Unidos da América, o evento no país vizinho é um dos mais pertinentes para definir apostas para a próxima temporada de prémios. Isto juntamente com uma mão cheia de outros festivais, onde se inclui, nomeadamente, o Festival de Veneza, que aconteceu também em setembro, e trouxe alguns títulos que se vieram a repetir no TIFF, reforçando o seu valor competitivo nesta corrida de 2019/2020.

O evento aconteceu entre 5 e 15 de setembro. Agora, trazemo-vos (ou reforçamos, no caso de alguns filmes) os destaques dos maiores esperançosos da programação para os Óscares 2020. A cerimónia está marcada para 9 de fevereiro de 2020.

1 de 15

1 – JOJO RABBIT (2019)

Jojo Rabbit
“Jojo Rabbit” (2019) | © Twentieth Century Fox Film Corporation

Começamos desde logo em altas, com o filme que venceu em Toronto o prémio do Público, “Jojo Rabbit”, da autoria do ator, argumentista e realizador Taika Waititi, responsável por “What We Do in The Shadows” (2014)  e  “Thor: Ragnarok” (2017). O polémico e controverso autor oriundo da Nova Zelândia estreou no festival um filme igualmente ousado e capaz de dividir a crítica, a opinião pública, mas aparentemente não o público, que o consagrou vencedor. Esta categoria, a do Prémio do Público no TIFF, é tida como um forte indicador de popularidade rumo aos Óscares. Contudo, o tradicionalismo do evento pode acabar por condenar as hipóteses do filme.

É que “Jojo Rabbit” não é um filme qualquer. É uma narrativa que parodia uma realidade dominada por nazis. A sátira, situada na Segunda Guerra Mundial, segue um rapaz alemão solitário chamado Jojo, o qual faz parte da Juventude Hitlariana. Um dia, as suas visões do mundo são viradas do avesso quando descobre que a sua mãe está a esconder uma jovem judia no seu sótão. Com a ajuda do seu amigo imaginário, um Adolf Hitler interpretado por Taika Waititi, Jojo deve aprender a confrontar o seu nacionalismo e crenças sobre a superioridade da raça ariana. Uma comédia que promete, mas que promete igualmente ofender aqueles que apreciam um humor mais “regular”.

Um esperançoso nos Óscares 2020, nomeadamente no que diz respeito à categoria de argumento, mas que pode acabar atraiçoado pelo tradicionalismo e “bom gosto”.

1 de 15

Maggie Silva

Comunicadora de profissão e por natureza. Dependente de cultura pop, cinema indie e vítima da incessante necessidade de descobrir novas paixões. Campeã suprema do binge watch, sempre disposta a partilhar dois dedos de conversa sobre o último fenómeno a atacar o pequeno ou grande ecrã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *