© Searchlight Pictures

Festival de Cannes | Kinds of Kindness, de Yorgos Lanthimos (Pobres Criaturas), em análise

O tríptico “Kinds Of Kindness” o novo filme do agora reconhecidíssimo realizador grego Yorgos Lanthimos “Pobres Criaturas”), traz-nos muitos mistérios e pouquíssimas certezas. Mas é um daqueles filmes geracionais, que os seus admiradores vão achar fascinante.

O certo é que o grego está de volta depois dos Óscares, agora sem pasteis de nata, fora de Lisboa, mas novamente com Emma Stone e Willem Dafoe, com três histórias aparentemente desligadas umas das outras, profundamente enigmáticas, vertiginosamente perturbadoras e sombriamente divertidas e desconcertantes, que que fazem lembrar “Twin Peaks”, “Mullholand Drive” e “Inland Empire” de David Lynch.

Lê Também:   Megalopolis, a Crítica | Francis Ford Coppola decepciona no Festival de Cannes

Neste quebra-cabeça de três partes “Kinds Of Kindness”, a cidade de Nova Orleans substitui o elaborado design de produção de “Pobres Criaturas”, num mundo que pode ser o nosso, mas pode também não ser. A isso, o grego juntou-lhe e um atraente elenco a começar pela sua musa de Lanthimos e o seu monstro, e depois Jesse Plemons, Margaret Qualley, Joe Alwyn e Hong Chau.

kinds of kindness
© Atsushi Nishijima/Atsushi Nishijima

Willem Dafoe e Emma Stone juntam-se a Yorgos Lanthimos em Kinds of Kindness

Todos os três capítulos têm o nome de uma personagem específica no título: o misterioso RMF,  mas são todos com os mesmos atores, mas em papéis diferentes. No primeiro, Plemons é Robert, um homem cuja vida é totalmente controlada pelo seu chefe, Raymond (Dafoe), incluindo trabalho, casa, esposa (Chau) e rotina diária. Quando Robert hesita em atender a uma das suas exigências de Raymond, sua vida fica à deriva: uma personagem-chave interpretada por Stone chega no final do processo, enquanto o papel de Qualley ganha importância.

kinds of kindness
© Searchlight Pictures

O segundo ato, em que RMF “aprende a voar”, mostra Plemons interpretando Daniel, um policia cuja a esposa Liz (Stone) desapareceu numa expedição científica. Ele acredita que ela vai aparecer, mas quando isso acontece, as suas suspeitas ultrapassam-no. O parceiro de Daniel, Neil (Mamoudou Athie) e a sua esposa (Qualley) vêm jantar para consolá-lo. Ele insiste que eles assistam a filmes pornográficos caseiros dos quatro fazendo sexo. Esta é talvez a parte mais engraçada.

No episódio final, o mais chato e complexo as coisas ficam complicadas, desagradáveis e irreais. Porém, há uma sequência de estupro muito real, entre um ex-casal formado por Stone e Alwyn, que aparentemente ajuda a fechar a história e o destino da protagonista. Quase de certeza que este filme seu novo filme não vai alcançar o êxito de “Pobres Criaturas”, no entanto, estas três narrativas de almas distorcidas, possivelmente ligadas no contexto, é um daqueles filmes geracionais que os seus admiradores vão achar fascinante. Há também algo podre na sua essência que combina com os tempos.

Festival de Cannes em direto:

Gostarias de ver o duo de atores em novos projetos de Yorgos Lanthimos?

Kinds of Kindness, em análise

Movie title: Kinds of Kindness

Movie description: Um homem tenta libertar-se do seu caminho predeterminado, um polícia questiona a sua esposa após regressar de um suposto afogamento, e uma mulher procura um indivíduo extraordinário, profetizado como futuro guia espiritual renomado.

Country: Reuni Unido, Irlanda

Director(s): Yorgos Lanthimos

Actor(s): Emma Stone, Jesse Plemons, Willem Dafoe

Genre: Comédia, Drama

  • José Vieira Mendes - 20
20

Pros e Contras

A favor: O atraente elenco novamente com Emma Stone, a musa de Lanthimos e o seu monstro Willem Dafoe, além de Margaret Qualley, Joe Alwyn, Hong Chau e sobretudo as interpretações do multifacetado Jesse Plemons, em cada uma das histórias.

Contra: As três histórias aparentemente desligadas são por vezes complexas e confusas, mas certamente os admiradores de Lanthimos vão achar o filme fascinante. O mesmo não irá acontecer com o espectador médio, que tornou “Pobres Criaturas”, num relativo êxito.

Sending
User Review
4 (1 vote)


Também do teu Interesse:


About The Author


Leave a Reply